CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

SUJEITO SIMPLES, SUJEITO COMPOSTO, SUJEITO OCULTO, SUJEITO INDETERMINADO, ORAÇÃO SEM SUJEITO - TIPOS DE SUJEITOS

                                         TIPOS DE SUJEITOS

                               O sujeito, como já dito, é um termo essencial da oração. O sujeito é o elemento da oração de quem (ou do quê) fala o verbo. O sujeito, salvo raríssimas exceções, sempre concorda com o verbo.
                               O núcleo do sujeito é sempre um substantivo, ou uma palavra substantivada, ou ainda, um pronome ou até um numeral. Pode ter um ou mais núcleos.
                               Uma boa forma de identificar o sujeito na frase ou oração é colocar as expressões “o que?” ou “quem?” antes do verbo. A resposta a pergunta indicará claramente quem é o sujeito da frase. Exemplos:

a) Joana foi embora. (Quem foi embora? Joana - sujeito da frase)
b) Ronaldo parou de jogar futebol. (Quem parou de jogar ? Ronaldo – sujeito da frase)

                               Quanto à classificação do sujeito temos sujeitos determinados, indeterminados e orações sem sujeito. Os sujeitos determinados se dividem em: simples, composto e oculto. Vejamos cada um deles.

                           A) SUJEITOS DETERMINADOS

A1) SUJEITO SIMPLES: possui apenas um núcleo, que será um substantivo, um pronome ou um numeral, e este núcleo sempre vem exposto. Exemplos:

- A garota é muito estudiosa. (sujeito: a garota – núcleo: garota – a: adjunto adnominal)
- Ele torturava a esposa. (núcleo do sujeito: ele)
- Os cavalos corriam dentro da fazenda. (sujeito: os cavalos – núcleo: cavalos – os: adjunto adnominal)

A2) SUJEITO COMPOSTO: possui dois ou mais núcleos, os quais também vêm expressos na oração. Exemplos:

- Os cavalos e as vacas pastavam. (núcleo do sujeito: cavalos e vacas)
- A cegueira e a pobreza lhe torturavam os últimos dias de vida. (núcleos do sujeito: cegueira e pobreza
- Mãe e filha gritaram de susto. (núcleo do sujeito: mãe e filha)

A3) SUJEITO OCULTO: também chamado de sujeito elíptico, desinencial, subentendido ou implícito. É aquele que não vem expresso na oração, mas pode ser facilmente identificado pela desinência do verbo ou pelo termo da oração anterior ao qual o verbo da oração em questão se refere. Exemplos:

- Estamos acordados. (sujeito: nós)
- Quero chegar em casa. (sujeito: eu)
- Os pais chegaram. Foram para o quarto dormir. (sujeito: os pais)

                               B) SUJEITO INDETERMINADO

                               O Sujeito Indeterminado não aparece explícito na oração por ser impossível determiná-lo. Apesar disso, sabe-se que existe um sujeito para aquela ação verbal expressa na oração. Há três maneiras diferentes pelas quais se pode construir orações com sujeito indeterminado. Vejamos cada uma delas.

B1) COM O VERBO NA 3ª PESSOA DO PLURAL - O verbo da oração é colocado na terceira pessoa do plural, sem que o mesmo se refira a nenhum termo identificado anteriormente naquela ou em outra oração anterior.

- Dizem que Ivete Sagalo morreu. (alguém diz, mas não se sabe quem)
- Disseram que Ronaldo parou de jogar. (Alguém disse, mas não se sabe quem)
- Falaram muito mal do professor (Não é possível saber quem falou)

B2) COM VERBO NA 3ª PESSOA DO SINGULAR + SE (índice de indeterminação do sujeito) - O verbo vem acompanhado do pronome se, que atua como índice de indeterminação do sujeito. Essa estrutura de indeterminação do sujeito ocorre com verbos que não apresentam complemento direto (verbos intransitivos, transitivos indiretos e de ligação). O verbo obrigatoriamente fica na terceira pessoa do singular.

- Precisa-se pedreiros na obra. (não é possível determinar quem precisa)
- Precisa-se de livros. (Quem está precisando? Não é possível definir)
- Acredita-se em discos voadores. (Não é possível saber quem acredita)

                               É importante entender que o "se" só pode indeterminar o sujeito quando o verbo for transitivo indireto (quando exige uma preposição antes do complemento), ou quando for intransitivo (sem complemento). Em frases em que tivermos verbo transitivo direto não teremos caso de sujeito indeterminado, mas sim hipótese de fenômeno diverso que é a frase na voz pássiva sintética.
                               A voz passiva sintética apresenta-se com o pronome apassivador "se" somado ao verbo principal, que deverá concordar com o sujeito. Assim: "Vendem-se geladeiras" (sujeito determinado). Este exemplo é o típico caso de oração com sujeito determinado paciente, exemplo que pode ser facilmente transformado em voz passiva analítica: ""Geladeiras são vendidas". O fato de ser possível reconstruir a frase na voz passíva analítica é indícatívo de que não estamos diante de um caso de sujeito indeterminado.

                                   C) ORAÇÃO SEM SUJEITO

                               Nas orações sem sujeito ou com sujeito inexistente, temos a presença de verbos que não correspondem a uma ação, tais como fenômenos da natureza, tempo decorrido, clima, entre outros. A frase tem somente um predicado, sendo que o conteúdo verbal deste predicado não é atribuído a ninguém, pois a frase não tem sujeito. Basicamente ocorrem nos seguintes casos:

C1) Com o verbo HAVER no sentido de existir ou com referência à passagem de tempo.

- Há vários alunos na sala de aula.
- Há muitos anos que não nos vemos.
- Havia cinco mulheres na loja.

                               O verbo haver é impessoal e ficará sempre no singular. Agora, vale ressaltar que o verbo existir não é um verbo impessoal, ele tem um sujeito na frase e sempre concorda com o mesmo, não sendo portanto caso de oração sem sujeito, mas hipótese de oração com sujeito determinado. Exemplos:

- Existiam cinco alunos na sala. (sujeito: cinco alunos)
- Existem muitas mesas e cadeiras no salão. (sujeito: muitas mesas e cadeiras)
- Existe um motivo para ela ter ido embora. (sujeito: um motivo)

C2) Com verbos e expressões que indicam FENÔMENOS METEOROLÓGICOS.

- Trovejou hoje.
- Nevou no sul do Brasil.
- Relampejou muito durante a noite.

C3) Com verbos FAZER, SER e ESTAR indicando tempo ou clima.

- É uma hora.
- Faz dois anos que ele foi embora.
- Está frio.

                               Agora que você já aprendeu sobre os tipos de sujeito aprenda também sobre os tipos de predicado. CLIQUE NO LINK "TEXTOS" ALI EMBAIXO, DEPOIS NA OUTRA TELA É SÓ CLICAR NO LINK "GRAMÁTICA E ORTOGRAFIA". Pronto, boa leitura.
ADRIANO ALVES
Enviado por ADRIANO ALVES em 15/02/2011
Reeditado em 16/06/2011
Código do texto: T2794075

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

Comentários

Sobre o autor
ADRIANO ALVES
Territórios Franceses do Sul
107 textos (449328 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/04/14 01:25)