Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SIMPLIFICANDO A NOSSA ESCRITA

Alguém que acha mais fácil conviver com imperfeições, que o trabalho de aperfeiçoar, poderá discordar da minha idéia.

Se o desejo de mudar, não for maior que o medo de errar, não haverá evolução.
Uma idéia se torna interessante, quando vem de um grande mestre.
Outra se torna mais interessante, por vir de um leigo.

- Por que não simplificar a nossa escrita?
Uma pessoa leva apenas alguns meses para aprender a falar, e leva a vida toda tentando escrever como determina a nossa ortografia.

A escrita é a ferramenta de maior uso, e deve primar pela simplicidade, e ser notável pela objetividade, não por tradições e adornos.

Mesmo com as suas deficiências, com certeza atualmente o computador escreve mais correto, que a maioria dos brasileiros. Isto é vergonhoso e inconcebível.

A letra K oferece enormes recursos.
Poderia ser usada para melhorar a pronúncia, dispensar outras letras e simplificar a escrita.
- Tem lógica escrever 1 Kg e 1 Quilo, 1Km e 1 Quilômetro?
Poderíamos escrever 1 Kg e 1 Kilo, 1 Km e 1 Kilômetro.
- Por que não usar a letra “K” em lugar de “QU”?
Eliminando a letra “Q” e dispensando a letra “U”:
Ex. Querer=Kerer - Quente=Kente - Quimera=Kimera.
Usando a letra “K” podemos resgatar os sons de trema:
Ex. Eloquência=Elokuência cuja pronúncia mudaram para “elokência”

Veja o absurdo com o verbo ADEQUAR: “ADÉQUE” Sem o trema se lê “ADÉKE”.
Usando “K” em lugar de “Q” podemos escrever corretamente “ADEKUE”

- Por que não usar a letra “K” em lugar de “C”, evidenciando a pronúncia?
Ex. Kasa - Komer - Kultura - Kanto - Kolônia.
Se usar as letras “K” e “S” em lugar de “C”, podemos dispensar a letra “C” sem modificar os sons.
Ex. Cesar=Sezar - Ciúme=Siúme - Céu=Séu - Círculo=Sírculo.

- Por que não usar a letra “Z” em lugar de “S” para sons de "Z" como Brazil, braza?
Dando ao “S” seu som natural, podendo eliminar o peculiar “Ç”, que não é reconhecido em sistemas de processamento de dados.
- Por que não usar o “S” no final somente para plurais, e o “Z” no final de palavras como:
Atrás = Atráz - Invés = Invéz - Através = Atravéz
Quando deixaremos de obedecer ordens de Portugal?

- Por que não usar a letra “X” em lugar de “CH”?
Simplificando e podendo dispensar a letra “C”.

- Por que não usar apenas um “S” quando o som se torna igual ao de dois “S”?

- Por que não usar dois acentos para recuperar sons que eram grafados com trema?
Exemplo: Lingúíça

- Por que mudar a grafia para diferençar palavras, que tem o mesmo som como: “acento” e “assento”, se não pronunciamos estas palavras sem usar um complemento?

Sem o complemento, teríamos que diferençar a grafia do verbo ver e vender em "vendo".

Se alguém disser ou escrever apenas: Eles acentuaram!
Logicamente virão as perguntas: Acentuaram o que? A palavra? A curva?

Se alguém disser apenas: “Use o acento”. Como saberemos referir-se a “acento” ou “assento”?
Se precisar perguntar por escrito perguntaremos: Que tipo de acento? Ou que tipo de assento?
Neste caso podemos perceber que na tentativa de “enfeitar” só complicaram.

Quando é usado este recurso para diferençar palavras, são criados símbolos, que só serão interpretados por quem os conhece, quando a palavra poderia ser simplesmente lida.

- Por que a letra “G” recebe o nome “Gê” se sozinha faz o som “GUÊ”, como em “MAGNATA”?

- Por que não usar a letra “G” sem a letra “U” para os sons, GUÊ=GE e GUI=GI, deixando os sons “Ge” e “Gi” somente para a letra “J”, que deveria se chamar “Jê”?
Porque complicar como no caso de “Viagem” e “Viajar”?

- Por que manter no nosso alfabeto letras que, podem ser substituídas por outras, como “W” - “Y”?
Alfabeto não precisa ter os mesmos caracteres de um teclado de escrever.

- Por que usar “H” no inicio de algumas palavras, se nada muda na pronúncia?
- Qual o motivo e a utilidade da regra que manda usar a letra “M” antes de “P” e “B”?

- Por que usar o hífen quando simplesmente podemos criar uma nova palavra?
Qual o som produzido pelo hífen?
Será que só é permitido alterar expressões como “Parada para café”, para “Coffee break”, e ainda pensar que quem faz isso é culto?

- Por que não mandar para Portugal as letras “Ç” - “C” - “Q”?
Kem sábe nos mándem em tróka, um pôuko do ke leváram do Brazíl.

- Por que não escrever sempre “pra” em lugar de “para”, simplificando e diferenciando do verbo “pára”, que mesmo acentuado, tem som igual ao som da preposição “para”?

- Por que escrever os séculos em números romanos, se sempre identificamos com a palavra “SÉCULO”?
O que é mais importante na escrita? Enfeitar ou facilitar?
Manter esta tradição que só serve para dificultar, seria mais importante que manter o trema, para reproduzir um som?

- Tem lógica criarmos a numeração hexadecimal, na base 16, para escrever números maiores com menos algarismos, para dispor dos processadores em computação, enquanto mantemos a complicação, usando numerais mais longos que na base decimal?

Todas as áreas do conhecimento devem evoluir juntas, caso contrário haverá confusão, em lugar de evolução.

É menos escandaloso quando um artista, ou apresentador comete um erro gramatical, que quando quem deveria dar exemplo, sem motivo nem necessidade, usa expressões de outros idiomas como “IMPEACHMENT”.

- Se faltar uma palavra para denominar algo, por que não buscar num idioma mais próximo do nosso?
- Por que buscar palavras num idioma germânico, quando o nosso é latino?
- Por que escrever “BULLYING” e não “BULINGUE”, adaptando a palavra à nossa ortografia?
- Por que respeitar e ser fiel a ortografia dos outros, enquanto desrespeita e deteriora a nossa?

Tenho a impressão que existem guardiões do conservadorismo, permitindo que poucos dominem o nosso idioma, enquanto permitem que outros o deteriorem.

Não devemos tomar por ignorante, nem dizer que alguém escreveu errado, quando grafou um vocábulo de forma diferente. Os verdadeiros ignorantes são aqueles que têm o dever, mas não tem competência, para corrigir e simplificar o nosso idioma.

O texto deve ser a reprodução gráfica do discurso, da forma mais simples e objetiva.
Por que tornar um texto mais complexo que a fala?

A escrita deve grafar os sons com fidelidade, evitando gerar outros sons na leitura.

Imagine as frases “Foi a comemoração”, “Foi à comemoração”, quando lidas por outra pessoa.
Quem está ouvindo entende perfeitamente, sem ver os acentos.
Qual a necessidade de acento nesta escrita, se sempre haverá um complemento?

Devido a complexidade do nosso idioma, optei por usar o tempo que dedicaria ao seu estudo, no aperfeiçoamento da minha profissão, por ser mais importante.

Como disse o meu colega ecologista, São Francisco de Assis:
Mais importante que fazer muito, é fazer pouco e bem feito.

- Porque não simplificar a nossa escrita, se pessoas com curso universitário, e idade avançada, ainda fazem a costumeira pergunta: Como se escreve tal coisa? É com dois “S”? É com “Ç”? É com “X”?
Quando simplesmente poderíamos “ESKREVÊR KÔMO SE FÁLA”.

O nosso idioma é rico em sonoridade, e podemos grafar os nossos sons, usando uma escrita simples.
Alguém poderia pensar que acentuar cada palavra não combina com simplificação.

- Seria mais fácil decorar confusas regras, ou simplesmente acentuar conforme a pronúncia?

- Como um estrangeiro que não conhece nossos vocábulos poderia ler e pronunciá-los?

Até mesmo o uso de computadores, que era complexo e dominado por poucos, tornou-se simples.
Como podemos admitir que a escrita, o instrumento que mais usamos, seja dominado por poucos privilegiados, e ainda criticar quem comete algum erro?

Se o idioma brasileiro tivesse que ficar atrelado às origens, deveríamos usar o latim, ou tupi e guarani. Compare um texto em português de Portugal, com um texto no nosso idioma, e observe as diferenças.

Se começarmos a simplificar a nossa escrita, em breve veremos estas complicações, como vemos hoje a palavra “FARMÁCIA” escrita como “PHARMÁCIA”.

Antes precisamos ter uma academia de letras mais dinâmica, onde a prioridade seja aperfeiçoar a nossa escrita, de forma gradativa e constante. Uma instituição dedicada à pompas e bajulações, logicamente não tem esta preocupação.

Nos versos a seguir, não foi usado: “C” - “Ç” - “Q” - “Y” - “W” - “CH” - nem palavras iniciando com “H”.
Anote quantas palavras não puderam ser lidas, e quantas não puderam ser pronunciadas.

Nos dois texto foram reduzidas 33 letras, em relação a escrita convencional.

=======================

 Momêntos
 
Kuándo xega o krepúskulo
meu olhár se pérde no poênte
enkuánto mínha álma sángra
e se transfórma
kômo o azúl do séu
se transfórma em púrpura.

Entre tántas desiluzões e insertêzas
a esperánsa me parése
o orizônte distánte
ke vái aos pôukos sumíndo.

Momêntos de mistérios
kuándo a belêza e a tristêza
se konfúndem
me maxúcam e me fasínam.

Me pêrko êntre a realidáde e a fantazía
enkuánto tôdas as kôizas
vão se transformándo em sômbras.
Sômbras ke se arrástam e se alôngam
devorándo lentamênte
tôdas as kôres.

E kuándo résta apênas a nôite
a solidão e o silênsio
ôuso a vóz de um ánjo
ke vêm me falár com ternúra
dos segrêdos da vída e do têmpo
dos mistérios do amôr e da flôr
do motívo de nasêr e morrêr.

Então amanhése
e as lágrimas ke ficáram
fázem mêus ólhos brilhárem.

E eu vôlto a lutár
em um múndo
ônde é melhór ser kovárde.

E aínda tênto sonhár
mêsmo ke sêja tárde.

Acioly Netto
www.guiadiscover.com/acioly.htm

=========================

 Kômo as ôndas do mar

Se alguêm me kizér
tem ke ser kômo a fônte
ke sasía mínha sêde
tem ke ser kômo a múzika
ke xêga e akalánta
murmurándo em mínha álma
kômo as ôndas do mar
 
Se alguêm me kizér
saberá mêus segrêdos
verá ke sou fêito
de sônho e ternúra
ke sou mánso e suáve
kômo bríza ke pása
akarisiándo de leve
as ôndas do mar

Se alguêm me kizér
verá ke a tristêza
pasêia komígo
ke as mínhas ferídas
jamáis sikatrízam
ke eu káio e levánto
ke atáko o roxêdo
sem trégua e sem mêdo
kômo as ôndas do mar

Se alguêm me kizér
tem ke ser kômo eu kéro
e me kerêr kômo eu sou
A paixão ke enternése
tambêm me revólta
kômo o vênto revólta
as ôndas do mar

Se não for kômo eu kéro
não me kêira, me eskêsa !
já estou akostumádo
a ver a esperánsa
voár índo embóra
sem adêus e sem pránto
kômo a gaivóta que vôa
sôbre as ôndas do mar

Acioly Netto
www.guiadiscover.com/acioly.htm
Acioly Netto
Enviado por Acioly Netto em 19/06/2011
Reeditado em 08/02/2013
Código do texto: T3043870
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Acioly Netto
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil
149 textos (13430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/11/14 13:21)
Acioly Netto



Rádio Poética