CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

CLICHÊ, CHAVÃO, FRASE FEITA

------------------------------------------------------------------------

 

Clichê, chavão, frase feita, cacoetes, são expressões que se tornaram vazias de sentido ou se trivializaram, por força de terem sido demasiadamente repetidas.

Tipos fundamentais de clichê

1. O da linguagem falada que se desenvolve no intercâmbio social, como resultante da própria rotina das relações entre pessoas (interpessoais).

2. O da linguagem escrita, principalmente literária, consiste na repetição abusiva de fórmulas achadas por um escritor.

O ambiente de circulação dessas duas categorias pode inverter-se mutuamente, ou seja, o clichê oral pode ser introduzido num texto literário com determinados fins, como conferir realismo ao diálogo. Por seu turno os clichês literários podem ser utilizados na fala, entre pessoas cultas, ou de maneira geral, incluindo pessoas iletradas que desconhecem a origem e o contexto em que estão os clichês.

O clichê pode enriquecer e dar expressividade a um texto, ou apenas facilitar a compreensão dele. Mas, pode também, torná-lo um agrupamento de expressões lugares-comuns, vazias de sentido, empobrecendo o texto. Assim, evite expressões pobres de valor informativo, modismos ou chavões que vulgarizam o texto. O Manual de Redação da Folha de São Paulo recomenda evitar as expressões abaixo (clichês) sempre que for possível:

Abrir com chave de ouro

Extrapolar

Antes de mais nada

Familiares inconsoláveis

Ataque fulminante

Fazer por merecer

Atirar / lançar farpas

Fazer uma colocação.

Aparar as arestas

Fonte inesgotável.

A todo vapor.

Fortuna incalculável.

A toque de caixa.

Gerar polêmica.

Atuação impecável

Importância vital.

Avançada tecnologia

Inserido no contexto.

A voz rouca das ruas

Inundar (a vida, o coração, etc.)

Bater de frente com alguém

Jóia da coroa

Caixinha de surpresas

Líder carismático

Calorosa recepção

Literalmente tomado

Caloroso abraço

Luz no fim do túnel

Calorosos aplausos

Na vida real

Caminho já trilhado

No fundo do poço

Cardápio da reunião

Os quatro cantos do mundo

Carreira meteórica

Pavoroso incêndio

Catapultar

Perda irreparável

Com direito a

Pergunta que não quer calar

Congestionamento monstro

Preencher uma lacuna

Consternar-se profundamente

Prejuízos incalculáveis

Corações e mentes

Quebrar o protocolo

Coroar-se de êxito

Requintes de crueldade

Correr por fora

Respirar aliviado

Debelar as chamas

Rota de colisão

Desabafar

Ruído ensurdecedor

Detonar um processo

Ser o azarão

Disparar (como sinônimo de dizer)

Sonora vaia

Dispensar apresentações

Trair-se pela emoção

Do oiapoque ao chuí

Trocar figurinhas

Duras (pesadas) críticas

Usina de idéias

Em nível de

Verdadeiro tesouro

Enquanto ( na condição de)

Via de regra

Erro gritante

Visivelmente emocionado

Escoriações generalizadas

Vitimas fatais

Estrondoso (retumbante) sucesso

Vitória esmagadora

Marshall McLuhan, considerado o papa da comunicação, observa que o uso do clichê é muitas vezes um impulso interior, como o uso da gíria dentro de um determinado comportamento coletivo. E de quando em quando não podemos evitar o uso do chavão, do lugar-comum. ®Sérgio.

_______________________________

Para copiar o texto: selecione-o e tecle Ctrl + C.

Se você encontrar erros (inclusive de português), por favor, me informe.

Agradeço a leitura do texto e, antecipadamente, qualquer comentário.

Ricardo Sérgio
Enviado por Ricardo Sérgio em 08/11/2007
Reeditado em 27/10/2009
Código do texto: T729110

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.

Comentários

Sobre o autor
Ricardo Sérgio
Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Brasil, 66 anos
1281 textos (14109371 leituras)
7 e-livros (5912 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/07/14 11:22)