Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
JIRAU DI/VERSO
Nº 01 – Março.2006
por Enzo Carlo Barrocco

A Poesia Austríaca de Georg Trakl

O POEMA

Na Primavera

Suave cede a neve aos passos escuros
À sombra da árvore
Erguem-se as róseas pálpebras dos amantes.

Aos obscuros chamados dos barqueiros seguem
Estrela e noite;
E os remos batem macio em sua cadência.

Logo florescem no muro arruinado
As violetas,
Surdamente verdeja a fronte do solitário. 

O POETA

Georg Trakl (Salzburgo 1887 – Cracóvia, Polônia 1914). Este poeta austríaco é um dos mais importantes nomes da poesia de língua alemã do século XX. O verso atormentado de Trakl é a sua principal característica. Ao longo de sua vida nutriu paixão incestuosa pela irmã. O poeta serviu no front em Grodek, durante a I Guerra Mundial, fato que o levou ao suicídio por overdose de cocaína, em 1914.

+++

Estante de Acrílico
Livros Sugestionáveis

“As Minas do Rei Salomão” (Romance)
Autor: H. Rider Haggfard
Edição: Hesdra Editora
A sempre fascinante história de quatro aventureiros que se vêem perdidos num território de nativos que habitam as terras do monarca bíblico, na versão traduzida pelo genial contista e romancista português Eça de Queiroz.

“Procissão dos Séculos” (História)
Autor: Ernesto Cruz
Edição: Imprensa Oficial do Estado do Pará
Episódios da vida no Estado do Pará, revelando a arquitetura, as cidades, os costumes, as leituras e as personagens, elicosamente narrados pelo historiador Ernesto Cruz (1898-1976).

“Flores do Sangue” (Poesias)
Autor: Silva Barreto
Edição: Editora Parma Ltda.
A poesia sócio-filosófica, como afirma o editor, bem define este contrariado poeta mineiro que, no preâmbulo do livro, dispara sua metralhadora giratória para todos os lados.

+++

A FRASE DI/VERSA
A noite abre as flores em silêncio e deixa que o dia receba os agradecimentos”.
- Rabindranath Tagore (Calcutá 1861 – Santiniketan 1941) poeta, filósofo, músico e pintor indiano

+++

DA LAVRA MINHA

Relâmpagos

Enzo Carlo Barrocco

As luas carmim retornam
do infinito.
Noites claras nestas luas cheias.

Uns riscos esgalhados
fulgem pelo prado
claro-escuro do horizonte.

Deus, agora, acende
lamparinas.
Enzo Carlo Barrocco
Enviado por Enzo Carlo Barrocco em 06/03/2006
Reeditado em 13/03/2006
Código do texto: T119648
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Enzo Carlo Barrocco
Belém - Pará - Brasil, 56 anos
733 textos (134377 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 02:33)
Enzo Carlo Barrocco