Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

à amizade

À AMIZADE
(dizendo por partes...)

I
Escrevi este poema
de modo que o leitor
atento ao meu tema
ainda o possa supor

Para tanto declamo
palavras sinceras
a todos que amo:
ardendo! Sim, ceras…

Sinceras: vela/dizer:
− Deixo-a a arder!...

(Agora, tendo o contributo
generoso e amigo do amigo leitor...)

II
A todas/os que amo
é difícil sem os gestos
falar… Proclamo:
− Palavras são rostos! (rastos, restos…)

Elas fiquem e sejam
boas na memória
e revendo as vejam
como velas da história!

Poema para amigas
e amigos, com migas…

III
Com migas, sem elas?
Comidas: importante!
Não passamos sem elas!
À unidade carburante!

Feito este discurso…
Cantei a amizade,
ela seguirá o curso
feita de verdade!

Para ficar Beleza,
todos: − Tenho a certeza!

(Vamos repetir o refrão.
Para ficar Beleza, todos:...!)

{Aí Brasil!...
É só para cronicar que ontem comi picanha regada generosamente com vinho alentejano e antes e depois bebi-lhe caipirinhas, com direito a ressaca hoje de manhã…
A ressaca posta em versos deu-me "À AMIZADE" um poema com que aqui vim e cá deixo, com as minhas Recantuais Saudações!
Isto podia ser uma crónica à maneira…, também daria uma boa mensagem que é, fica como homenagem "em código": aos elementos do Grupo 04 que são muitos, mas ontem só estiveram presentes (deixa cá contar, pela minha esquerda: 1- Mena, 2- Miká, 3-Fatinha − veterana mor!, 4- Paula, 5-Helena V., 6- José Carlos, 7- Manuela, 8- Helena G. − inscrita e não esquecida, à minha direita 9- Idília, 10-Francisco): 10.
(25.03.06)
A data diz o desfasamento, por conta do tempo... que não pára! Derivando do diferente que é escrever ou transcrever, acabei agora de... transcrever. Num esforço para, oito dias depois a ter escrito em "matéria ígnea": «Pelo muito prazer que terei em apresentar a minha próxima obra de arte (imaginem um sorriso pendurado na orelha da vizinha como um brinco, eu não brinco...), deixo dito que entre o texto agora publicado e o de amanhã, há a diferença cronológica da noite para o dia; tal facto será perceptível, digo eu...», cumpri o que me propus ...
Estou a pensar fazer uma chamada no Mural:
«
Chamo atenção para dois textos, variando entre si, do dia para a noite...
O primeiro "matéria ígnea" escrito à noite ao deitar, "à amizade" de manhã ao acordar... tarde:)
Depois de, agora mesmo..., publicar À AMIZADE - publicito o texto e sentimento, deixando
Saudações Recantuais!!
»
Vou passar da palavra à acção... sobre a palavra, já que a própria palavra é acção, emoção, sensação e tudo o mais que a acção envolve!
Pensar, escrever, contar... tem muito que se lhe diga. Para apresentar correctamente, pensemos o dia, um Sábado. Agora vamos acordar tarde e escrever "À AMIZADE", à noite ao deitar, também muito tarde, será a vez de "matéria ígnea". Cheguei lá? Concluo aqui!}
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 02/04/2006
Reeditado em 02/04/2006
Código do texto: T132780
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
785 textos (310478 leituras)
37 áudios (39564 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:22)
Francisco Coimbra