Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AO MARCOLINO CANDEIAS – ILHA DE BRUMAS - AÇORES


AÇORES - ILHA TERCEIRA – ANGRA DO HEROÍSMO


Nadir Silveira Dias


Ando a procura de uma palavra que faça amor ao simples enunciado. Uma palavra que cante a vida, que cante a amizade.

Uma palavra que cante a amada Porto Alegre, de 60 casais, a Piratini, de 1789, de 48 casais açorianos, a Viamão, de 1741, o Rio Grande, de 1737, a Santo Antônio da Patrulha, de 1719, a São Luiz Gonzaga, de 1687, a São Nicolau, de 1626.

Uma palavra que cante a Grécia, a Normandia, a Provence, a Trapani, a Sicília.

Uma palavra que cante o Brasil, Portugal, Madeira, Galícia, seus amores, Açores, nossos amores!

Uma palavra que cante a própria aldeia, a alheia aldeia, e o universal que cada qual expressa e contém.

E não estou só! Ainda bem! Marcolino Candeias, da sua Cinco Ribeiras, da sua morada na Rua do Galo, na sua Angra do Heroísmo, na sua Ilha Terceira, dos Açores, também canta a sua Terra, o seu Povo, a sua Gente, da sua Ilha de Brumas. É dele o poema que segue, da sua Distância:


“De Súbito Violeta Borboleta

Marcolino Candeias


De súbito eras uma borboleta em meus olhos
e sobre a tua fronte de veludo
marulhavam florestas de encantos


Pelo prezamento com que coraste
verifiquei já seres mulherzinha


Como uma nuvem passando sob o sol
põe toda em ondas a doce campina”


Marcolino Candeias (Coelho Lopes) é poeta e escritor, bacharelado em Filologia Românica na Universidade de Coimbra. Atualmente é o Presidente do Gabinete da Zona Classificada de Angra do Heroísmo. É uma das vozes “(...) mais importantes do grupo a que pertenceu e a que se convencionou chamar Geração Glacial, fundamentalmente preocupado com os valores mais profundos relacionados com a sociedade, a liberdade, a democracia e o papel do homem neste contexto e que trouxe um contributo considerável à actividade literária nos Açores. Sem dúvida, um dos maiores poetas do arquipélago, tem colaboração dispersa por jornais e revistas nacionais e estrangeiras, bem como alguns poemas traduzidos para inglês e eslovaco. (...)”, consoante bem assinala E. Félix, na contracapa.

O poema foi reproduzido como constante no capítulo Distância do livro que tem por título “Na Distância deste Tempo”, p. 51, 2ª Edição Revista, Colecção Garajau (Série Especial), Edições Salamandra, 62 pp., Lisboa. Outubro de 2002, ISBN 972-689-212-0.

Confira! Com certeza, você vai gostar!


Escritor e Poeta – nadirsdias@yahoo.com.br
Nadir Silveira Dias
Enviado por Nadir Silveira Dias em 04/04/2006
Reeditado em 04/04/2006
Código do texto: T133360
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nadir Silveira Dias
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil
1036 textos (153806 leituras)
4 e-livros (380 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 16:02)
Nadir Silveira Dias