Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Porque as pessoas boas se vão cedo?

Certo dia me perguntaram:
"Por que as pessoas boas se vão cedo?!"
O momento parecia inoportuno para falar o q eu sentia
Mas eu precisava falar o que pensava...
Embora com o coração machucado
Eu respondi "Porque Deus precisa de anjos"
"Anjos que nos guiem, nos protejam"
E me perguntaram insistentemente:
"Mas por que levar se elas podem muito bem ajudar aqui?"
Esta dor, estas perguntas pareciam punhais
Que entravam mais e mais no meu peito já ferido
Pensei um pouco, tentando equilibrar a razão e a emoção
Respirei fundo e disse:
"Porque lá de cima elas podem ajudar muito mais"
Novamente senti-me como se não concordasse comigo mesma
Mas sabia que era isso, que era essa a razão...
Mas novamente a pessoa me pergunta:
"E se Deus não existir?"
Nossa... essa dor doeu bem mais forte...
Foi como se o punhal fosse enfiado inteiro pela loucura
E uma lágrima inevitável rolou por minha face
E quase não me contenho para sair do lugar onde estava
E fingir que não tinha visto aquilo
Foi onde algo mais forte que eu, falou por mim...
E me segurou num abraço quente e confortante
Mesmo estando sozinha, foi onde razão e emoção se juntaram...
E eu respondi firmemente:
"Será Deus não existisse, não haveria morte
Simplesmente pelo fato de que não existiria vida
Simplesmente pelo fato de que não existiria o homem
Simplesmente pelo fato de que não existiria o existir..."
Senti como se dessa vez eu que tivesse enfiando o punhal
Mas eu sabia que estava matando um sentimento que não deveria existir
E continuei firme:
"E mesmo assim ele ainda existiria...
Tão somente ele...
Só que o amor dele é tão grande...
Que ele criou o mundo... E nele lançou os homens
Só que os homens não souberam agradecer o amor divino
E eles provocaram a morte...
Deus então, olhou calmamente para a sua criação
E decidiu que o mundo não seria um presente definitivo
Seria um presente emprestado
Que deveria ser aproveitado ao máximo...
E deu ao mundo pessoas boas como presentes também
São como anjos que não tinham asas...
Eram presentes emprestados e como tal
Deveriam ser aproveitados ao máximo"
Senti que aquele seria meu limite...
Senti que eu tinha atingido de alguma forma meu objetivo
Mas precisava ir além...
E disse "Aproveite seu presente, aproveite seus anjos,
Faça com que você seja também presente para os outros
E dê aos outros motivos para aproveitarem o presente
Viva o hoje como se não fosse mais existir
Viva seus presentes como se o amanhã não fosse chegar
Viva intensamente... pode ser o seu ou o meu último dia!
CARPE DIEM"

29-03-2009 ~> 11hs

~> In memorian a um anjo (Edtonia)
Magna Eugênia
Enviado por Magna Eugênia em 29/03/2009
Reeditado em 29/03/2009
Código do texto: T1511915
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Magna Eugênia
João Pessoa - Paraíba - Brasil, 24 anos
239 textos (26972 leituras)
1 e-livros (43 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/11/14 18:08)
Magna Eugênia



Rádio Poética