Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PALAVRAS

( a todos os poetas )

Fogem de minha garganta
Como  prisioneiros que avistam a liberdade
As palavras que  agitam o meu pensar

Qualquer coisa as incomodam
E como ondas de antenas ligadas ao imponderável
Formigam em minhas entranhas
Provocam o inconciente, me deixa alerta
Me tira da cama.

Boca maldita! não consegue então ficar calada
Deixa escapar  garganta afora palavras entubadas
Que saem latejando pela jugular
Escapando de  mim, tropeçando em vocabulários
Em encontros claramente consonantais,
Tímidos encontros vocálicos
E quando vejo, lá está!
Cachoeiras de frases, umas com ritmos, rimas,
Outras,  nem tanto, parecem mais qualquer coisa
Desarvorada,  uma fuga em massa,
Arrebentação de marés, estouro de boiadas.

Como são belas todas elas
Algumas obscuras, como “morte”
Outras empíricas, como “ sorte”
Mas, se assim as compararmos
Não podemos deixar de falar de amor,
Paixão, ternura, sonho, liberdade, nascimento...
Não podemos deixar de nascer...
Palavras.
angela soeiro
Enviado por angela soeiro em 11/06/2006
Reeditado em 01/03/2014
Código do texto: T173270
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
angela soeiro
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 52 anos
88 textos (3359 leituras)
1 e-livros (36 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:51)
angela soeiro