Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
JIRAU DI/VERSO
Nº 05 – Julho.2006
por Enzo Carlo Barrocco

A poesia senegalesa de Léopold Sédar Senghor

O POEMA

VISITA

Na escassa penumbra da tarde,
sonho.
Vêm me visitar as fadigas do dia,
os defuntos do ano, as lembranças da década,
como uma procissão dos mortos daquela aldeia
perdida lá no horizonte.
Este é o mesmo sol, impregnado de miragens
o mesmo céu que presenças ocultas dissimulam
o mesmo céu temido daqueles que tratam
com os que se foram.
Eis que a mim vêm os meus mortos.
* Tradução de Guilherme de Souza Castro

O POETA

Léopold Sédar Senghor (Joal-Fadiouth 1906 – Verson, França 2001 ) poeta, ensaísta e político senegalês. Embora tenha sido essencialmente poeta, Senghor também enveredou pelos caminhos do ensaio. Na França, para onde havia se mudado, foi feito prisioneiro pelos nazistas, à época da II Guerra Mundial. Em 1945, foi eleito deputado pelo Senegal, assim como, depois, seu primeiro presidente. A Academia Francesa de Letras o elegeu para as suas lides em 1983, sendo, portanto o primeiro africano a ocupar uma cadeira naquela Casa.

ooooo

Estante de Acrílico
Livros Sugestionáveis

“O Defunto e Outros Contos”
Autor: Eça de Queiroz
Edição: Editora Tecnoprint S.A.
Belíssimo livro. Eça e sua impressionante capacidade de contar histórias. “Singularidades de Uma Rapariga Loura”, “Frei Genebro” e “Suave Milagre” são preciosidades da literatura mundial.

“Vampiros Extraterrestres na Amazônia” (Ensaio)
Autor: Daniel Rebisso Giese
Edição do Autor
As supostas aparições de discos voadores na região Amazônica, principalmente na região nordeste do Pará, com relatos e fotos. Rebisso, ufólogo que é, trata o assunto com muita seriedade.

“E Todas as orquestras Acenderam a Lua” (Poesias)
Autora: Lília Silvestre Chaves
Edição: Imprensa Oficial do Estado do Pará
O sentimento feminino se encaixa perfeitamente em “Todas as...”, no que diz respeito ao romantismo. A alma feminina falando, gesticulando, amando...

ooooo

A FRASE DI/VERSA

“Caminhando e semeando, no fim terás o que colher”.
- Cora Coralina (Goiás Velho 1889 – Goiânia 1985) poeta e contista goiana


ooooo

DA LAVRA MINHA

Lua artesanal

                   Enzo Carlo Barrocco

Surgiu em mim
             Igapó de trevas,
uma lua artesanal;
barro e mãos
à borda do poema.

Perde-se em mim a forma
            a peça, o alguidar.
Matéria posta ao sol;
Frágil luz do dia
sobre o verso.


xxxxxx
Enzo Carlo Barrocco
Enviado por Enzo Carlo Barrocco em 03/07/2006
Código do texto: T186856
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Enzo Carlo Barrocco
Belém - Pará - Brasil, 56 anos
733 textos (134365 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:11)
Enzo Carlo Barrocco