Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Santos Dumont - O centenário do 14 BIS

SANTOS DUMONT – O HOMEM QUE DEU ASAS AO MUNDO


              Aviões de diversos tipos “cortam” os céus do planeta Terra. As categorias em que se enquadram são diversas: de carga, comercial, turismo e outros fins. Encurtam caminhos, reduzem saudades e muitas vezes levam a esperança a lugares longínquos. Obviamente que o homem de natureza beligerante, utiliza-os também para levar muitas vezes, notícias não alvissareiras.
              Devido à correria generalizada do mundo contemporâneo, poucas vezes nos damos conta que o precursor da aviação, o grande pai, é um brasileiro, mineiro de Palmira, cidade que hoje como numa “simbiose” perfeita, transforma-se em seu filho mais ilustre: Santos Dumont.
              O dia 20 de julho de 1873, com toda a certeza do mundo foi especial para Henrique Dumont e Francisca de Paula Santos, pois o seu sexto filho, Alberto Santos Dumont veio ao mundo. Para a humanidade, hoje sabemos que aquele dia também foi especial, pois ali na fazenda Cabangu nasceu o homem que mais tarde nos daria “asas”.
              Obstinado em vencer as leis da Natureza e a condição limítrofe do homem em não voar, Santos Dumont mergulhava na ficção do escritor Júlio Verne e sentia um prazer incomensurável em reler inúmeras vezes obras como “Cinco semanas num balão” e “20.000 léguas submarinas.
              No decorrer de sua infância e adolescência, o gosto pela mecânica, ressaltou sua genialidade, que não passou despercebida pelo seus pais.Com 12 anos de idade já comandava muitas vezes sozinho a locomotiva do pai em suas terras incrustadas nas montanhas azuis das Minas Gerais.
              Alberto Santos Dumont, era como um pássaro, e sendo assim, as paredes da sala de aula não conseguiram “segurar” o gênio desbravador para concluir seu curso superior, pois sua cultura transpunha o conhecimento sistematizado. Tornou-se poliglota, sendo fluente em francês, inglês e espanhol, além do português. Estudou com afinco e dedicação, os segredos da física, da química, da eletricidade e da mecânica, utilizando-os mais tarde nos seus inventos.
               Mesmo morando e estudando na França, Santos Dumont tinha orgulho de ser brasileiro. Retratou isso quando no dia 04 de julho de 1898, deu o nome de Brasil ao seu balão que levantou vôo no jardim da Aclimatação em Paris, deixando as pessoas estupefatas com o feito, pois a metragem cúbica do seu balão, que media 113 metros era bem inferior aos gigantes da época.
               Hodiernamente o homem sonha em alcançar lugares inatingíveis pela tecnologia existente, similar ao que sonhava Santos Dumont. Mas a personalidade perseverante desse homem do bem o fez superar os limites do ar. Sua cabeça brilhante sugestionou ao amigo relojoeiro Cartier  a criar o relógio de pulso e também lhe é atribuído a invenção do “portão de correr”, mas nada superou o seu magnífico 14 BIS. Em 23 de outubro de 1906, o primeiro vôo mecânico do mundo “desgrudou” do chão no campo de Bagatelle a uma  altura de 2 a 3 metros, iniciando a saga da humanidade rumo aos Boeings, Caças ultra modernos e as naves espaciais que 63 anos após descobririam que a Lua ficaria logo ali! Mas, retornando a tarde daquele dia 23 em Paris, que entraria para a história, superficialmente podemos imaginar a tensão que envolvia Santos Dumont. A palavra medo não fazia parte do vocabulário desse magnífico brasileiro.
              Quando a hélice do 14 BIS começou a girar, provavelmente as pessoas que ali estavam, se extasiaram, pois algo mais pesado que o ar iria decolar. O sonho da mente daquele garoto franzino se tornava realidade nas mãos  do homem discreto e intelectual,que ali, provavelmente se sentia como um personagem de Júlio Verne, envolvido em aventuras fictícias. Mas, aquilo era real, era o homem superando os seus limites, havia chegado o momento em que os pássaros e toda criatura que voa, se raciocinasse logicamente, pararia para assistir ao grande invento da humanidade!
               E o povo aplaudiu!!! O homem criado por Deus, ganhava “asas” doadas por Santos Dumont. Muitos provavelmente pensaram na possibilidade de estarem sonhando, devido ao que seus olhos assistiam, mas não era sonho, era a realidade nua e crua! Provavelmente a alegria explodiu no peito de Santos Dumont, naqueles momentos raros da vida em que tudo passa diante de nós, como um filme. E lá foi ele, voando para os seus sonhos, transpondo os limites da física!
              Santos Dumont, simboliza a natureza evolucionista do ser humano. A natureza humana que não se conforma com as coisas prontas e acabadas, a nossa natureza peculiar que busca resposta para as dúvidas e que transpõe os limites que nos são impostos, dando significado a nossa existência efêmera!
               Santos Dumont partiu para o plano superior, por sua vontade, porque além de Deus, somente o próprio homem sabe o que se passa no âmago da alma. Talvez novamente, quis romper novas fronteiras, rumo ao desconhecido!!!
               No dia 23 de outubro de 2006 completam-se 100 anos do sonho de Dumont, um sonho que nasce a cada dia na cabeça dos homens de bem que perpetuam a idéia de Santos Dumont, de que o homem pode conseguir feitos memoráveis em beneficio de si e de seus semelhantes. Atualmente devido ao avanço geométrico de nossa tecnologia, breve sairemos do sistema solar, romperemos novas fronteiras e deixaremos para a geração vindoura um legado fantástico que começou lá no interior de Minas, na mente voadora de Alberto Santos Dumont, o pai da Aviação! 14, 15, 50.000 bis para ele!!!
 

Telêmaco Marrace de Oliveira
Enviado por Telêmaco Marrace de Oliveira em 05/07/2006
Código do texto: T187934
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Telêmaco Marrace de Oliveira
Blumenau - Santa Catarina - Brasil, 44 anos
259 textos (58275 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:18)
Telêmaco Marrace de Oliveira