Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O telão. (Dia dos Professores)

Uma tela negra na parede, muda e sem vida.
O auditório também era pequeno, muitas vezes, grande para um número de pessoas que vinham ocupar seu espaço. Não que houvesse restrição, mas pela falta de interesse ou de tempo e tantas coisas banais que contribuíram para que uma quantidade reduzida de indivíduos se propusesse a assistir, a ouvir e entender os sons emitidos durante qualquer imagem.
A tela inerte, que estava muda, ao toque humano e pela ação do giz ganhava vida. Nela, surgiam gráficos, mapas, palavras exóticas, coisas do passado; Roma de Julio César, Grécia de Pitágoras, antigo Egito.
Os operadores se renovavam, o telão se tornava mágico indo além do auditório. Influenciava a vida nas ruas, nos casebres, nas mansões; chegava ao dia-a-dia e avançava para o futuro levando consigo os expectadores a tomarem novos rumos em suas vidas.
Por trás da calma rotina evidenciavam-se os artigos científicos; o átomo; as combinações dos elementos; as relações humanas; o avanço espacial; as descobertas de Colombo; o mundo atual; as chances de cada continente; a probabilidade dos ataques nucleares; os avanços científicos; as novas moléstias; os antídotos; do “beabá” à física quântica, frutos dos anos de faculdades eram expostos de forma ininterrupta.
O mundo e suas situação geográfica; a vida de um modo geral; a localização dos povos; os regimes aos quais eram submetidos; os abusos antinaturais cometidos pelo homem e as suas conseqüências; os desertos, as savanas, mares e animais em extinção.
A arte de adicionar recursos, multiplicar esforços, subtrair egoísmo e dividir as responsabilidades.
Nos intervalos, cenas de amor, imagens de sonhos e fantasias; a euforia da idade das espinhas, do “selinho” escondido; uma gaivota a voar, a onda a invadir a praia...
No epílogo, os países em conflitos; a morte pela fome, as perseguições e a marginalização; ao fundo, um cenário azul semi-escurecido pelas fumaças vindas do progresso.
O objetivo de tanto esforço era dar às crianças condições de vencerem as provações do cotidiano. Com o passar do tempo, os meninos cresceram e foram emoldurando seus dias nas informações que aprenderam nas aulas e no convívio com os demais amigos. Adultos, estão colhendo os frutos da aplicação das horas dedicadas ao aprendizado.
Quanto aos mestres, muitos caíram no esquecimento. O passar dos anos os levaram por caminhos alheios as suas vontades. Questões políticas, cartéis, nortearam seus destinos em busca de seus objetivos.
Neste quinze de outubro é a oportunidade de rendermos  homenagens aos nossos professores. Pessoas que abraçaram a dura arte de ensinar e a fizeram com esmero. Aqueles que nos acolheram numa época em que nos perdíamos em idéias e fizeram da nossa formação o seu ideal.

 (A todos aqueles que se dedicam (ou dedicaram) à difícil arte de educar e a fazem - ou fizeram - com responsabilidade).
Ciro do Valle
Enviado por Ciro do Valle em 14/10/2006
Reeditado em 15/10/2006
Código do texto: T264453

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ciro do Valle
Salesópolis - São Paulo - Brasil
99 textos (5150 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 00:12)
Ciro do Valle