Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Glosa da primeira estrofe do poema
Vem sentar-te comigo Lídia
de Ricardo Reis


   Vem sentar-te comigo Lídia, à beira do rio. 
   Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos 
   Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas. 
   (Enlacemos as mãos.)

Glosa da primeira estrofe
Guida Linhares

    Vem sentar-te comigo Lídia, à beira do rio.
Falaremos de tantas coisas que pensamos,
trocaremos abraços e te aquecerei do frio,
e de nossos pesadelos nos desvencilhamos.

Ficaremos juntinhos apreciando a alvorada.
   Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos,
que nossos sonhos são os degraus da escada,
que nos levam à plenitude daquilo que idealizamos.

Para que eu te apazigue com lágrimas banhadas
Venhas trazer aos meus olhos as tuas tristezas.
   Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
Este meu leal coração somente vê a tua beleza.

   (Enlacemos as mãos.)
(Sejamos um só coração.)

Santos/SP/Brasil
27/11/06

&&&

Ven a sentarte conmigo, Lidia, a la orilla del río.
Hablaremos de tantas cosas que pensamos,
nos abrazaremos y te preservaré del frío,
y nos desataremos de nuestras pesadillas.

Nos quedaremos juntitos contemplando el alba.
Sosegadamente miremos su curso y aprendamos,
que nuestros sueños son peldaños de la escalera,
que nos lleva a la plenitud de aquello que idealizamos.

Para que yo te apacigüe en lágrimas bañadas
vengas a traer hasta mis ojos tus tristezas.
Que la vida pasa, y no estamos con las manos enlazadas.
Éste mi leal corazón sólo ve tu belleza.

(Enlacemos las manos.)
(Seamos un solo corazón.)

Version do prof amigo poeta Juan Martín

***

Vem sentar-te comigo Lídia
Ricardo Reis


Vem sentar-te comigo Lídia, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
(Enlacemos as mãos.)

Depois pensemos, crianças adultas, que a vida
Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa,
Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado,
Mais longe que os deuses.

Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos.
Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio.
Mais vale saber passar silenciosamente
E sem desassossegos grandes.

Sem amores, nem ódios, nem paixões que levantam a voz,
Nem invejas que dão movimento demais aos olhos,
Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria,
E sempre iria ter ao mar.

Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos,
Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias,
Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro
Ouvindo correr o rio e vendo-o.

Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as
No colo, e que o seu perfume suavize o momento -
Este momento em que sossegadamente não cremos em nada,
Pagãos inocentes da decadência.

Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-as de mim depois
Sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova,
Porque nunca enlaçamos as mãos, nem nos beijamos
Nem fomos mais do que crianças.

E se antes do que eu levares o óbolo ao barqueiro sombrio,
Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti.
Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim - à beira-rio,
Pagã triste e com flores no regaço.

***

BIOGRAFIA:

Ricardo Reis nasceu em Lisboa, às 11 horas da noite do dia 28 de janeiro de 1914. Foi discípulo de Alberto Caeiro, de quem adquiriu a lição de paganismo espontâneo. Há informação dando conta de que teria embarcado para o Brasil em 12 de outubro de 1919. Médico de profissão, monárquico, facto que o levou a viver emigrado alguns anos no Brasil, educado num colégio de jesuítas, recebeu, pois, uma formação clássica e latinista e foi imbuído de princípios conservadores, elementos que são transportados para a sua concepção poética. Domina a forma dos poetas latinos e proclama a disciplina na construção poética.

Ricardo Reis é o heterónimo que mais se aproxima do criador, Fernando Pessoa, quer no aspecto físico - é moreno, de estatura média, anda meio curvado, é magro e tem aparência de judeu português (Fernando Pessoa tinha ascendência israelita)- quer na maneira de ser e no pensamento. É adepto do sensacionalismo, que herda do mestre Caeiro, mas ao aproximá-lo do neoclassicismo manifesta-o, pois, num plano distinto como refere Fernando Pessoa em Páginas Íntimas e Auto Interpretação, (p.350).

Ricardo Reis é marcado por uma profunda simplicidade da concepção da vida, por uma intensa serenidade na aceitação da relatividade de todas as coisas.


http://nescritas.nletras.com/fpessoa/rrbiografia.htm

http://www.prahoje.com.br/pessoa/?p=15

http://www.ciencias.com.br/pagina_bedaque/pessoa/biografia.htm

http://www.secrel.com.br/jpoesia/reis.html

&&&

Guida Linhares
Enviado por Guida Linhares em 28/11/2006
Reeditado em 13/02/2010
Código do texto: T303464
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Guida Linhares www.guidalinhares.net). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Guida Linhares
Santos - São Paulo - Brasil, 70 anos
1939 textos (158425 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:30)
Guida Linhares

Site do Escritor