Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

       

PARABÉNS!!!!

 

                                   ANTENOR ELCIO!

PARABÉNS!!!!

 

Querido Antenor Elcio,

Hoje, 25 de outubro, é o seu aniversário,

E eu não estou com você,

Mas o meu coração

Canta desde o amanhecer.

E canta esta canção antiga,

Que lhe ofereço.

Ela fala do festejamento e da alegria

Pelo nascimento de alguém querido,

Querido como você, meu poeta.

 Estas son Las Mananitas
Que cantaba el Rey David
Hoy por ser dia de tu santo
Te las cantamos a ti

Despierta mi bien, despierta
Mira que ya amaneció
Y los pajarillos cantan
La luna ya se metió

Que linda esta la mañana
En que vengo a saludarte
Venimos todos con gusto
Y placer a felicitarte...

El dia en que tu naciste
Nacieron todas las flores
Y en la pila del bautismo
Cantaron los ruiseñores

Ya viene amaneciendo
Ya la luz del dia nos vió
Levantate de manana
Mira que ya amaneció

 

Feliz aniversário, meu amor!

Faço um brinde a você, neste dia tão especial.

Meu presente é o meu carinho, minha eterna amizade e o desejo sincero de que você seja muito, mas muito feliz, neste dia e sempre.

Sua musa,

****

A homenagem do poeta Airam Ribeiro não poderia faltar:

Nun póçu xamá di meu amô
Pruquê içu só a Clara pódi
Mai di amigu ti xamu dotô
I vô ti dizê u pruquê du prumódi.

Apezá qui tu ta distanti
Tô dexanu aqui meus parabén
Qui nóçu Deus ti agaranti
Mutios anus di vida tombén.

Tem tombén us meu cariño
In forma di una cancion
Qui cantan los pajarillos
Dentru du teu coraçon.

Qui meu caipira castelhanu
Qui aprendí aquí na róça
Póça ispreçá us mutios anos
Qui ti dizeju aqui di mia paióça.

Grande abraçu irmão Antenô, qui Deuzu ti abençõe.

*****


E não podia faltar o Pedrinho Goltara, o boto trovador  divertido e irreverente:

Amigo Dotô Antenô Ércio
Que na Ispânha tá morâno
Os ômi sente fárta docê
Máiz, as muié fica chorâno.

Nóis aqui ânda de jéguím
Purquê a côiza tá prêta
E ancê aí na tár Ispânha
Corriendo atraz de la buseta!

Oji,ancê compréta têmpo
Num vô bejá máxo não
Mas, ancê, Antenô Ércio
Tomêm mora no mêu corassão.

Mândo mêos comprimênto
Cum respêito e carím
Do Brásiu, de Vi a Véia
Vái o abrásso do Pedrím.

abração, Claraluna,minha irmã.
 
Hull de La Fuente
Enviado por Hull de La Fuente em 24/10/2007
Reeditado em 26/10/2007
Código do texto: T708629
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Hull de La Fuente
Brasília - Distrito Federal - Brasil
2667 textos (394470 leituras)
2 e-livros (182 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 14:27)
Hull de La Fuente