Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
 
 

Como o próprio poeta recomendava, nesta visita à sua casa
não encontrei respostas, mas várias perguntas.
Que histórias são essas?

 

Na mesa 53, do Café da Casa de Cultura, peguei o meu caderno
e lá começo as mesmas indagações: por que fumo? o pequeno vermelho
no tubo da pasta de dente, nesta manhã, seria batom ou sangue?
alguém morreu lá longe, enquanto, eu aqui medito? será que medito ou minto?
para mim ou para outrem? mesmo que eu minta, ainda sou cristã?
os escritores vão para o céu? e se eu estiver grávida? ou seria a personagem?
é aceitável numa sociedade como a nossa, que prega tanto
o planejamento, a economia e o sucesso, eu parecer uma parideira da década de 60?
Ai, como esta vida é engraçada, mulheres devem trabalhar, há muito inventaram a pílula.

E o que diria Quintana sobre tudo isso?
Nem sei sobre o que indago. De tudo que vi em sua casa, o que mais me tirou suspiros
foi a "Canção para uma valsa lenta".

Minha vida não foi um romance...

Nunca tive até hoje um segredo.

Se me amas, não digas, que morro

De surpresa... de encanto... de medo...

 

Minha vida não foi um romance...

Minha vida passou por passar.

Se não amas, não finjas, que vivo

Esperando um amor para amar.

 

Minha vida não foi um romance...

Pobre vida... passou sem enredo...

Glória a ti que me enches a vida

De surpresa, de encanto, de medo!

 

Minha vida não foi um romance...

Ai de mim... Já se ia acabar!

Pobre vida que toda depende

De um sorriso... de um gesto... um olhar...

 

É, Quintana, a minha vida fica toda preenchida,
quando tenho alguém para servir e amar.

 

   

 

Na Casa Mario Quintana há teatro, música e artes plásticas,
são vários eventos para o público.

 

Mas o melhor mesmo é sentar-se ao lado do poeta, ler e refletir seus poemas.

 

 

 
Mesmo que eu percorra todos os teus caminhos,

 mesmo que eu ache todos os teus sonhos
que perderam-se no tempo,

 ainda me faltará a elegância e a sinceridade,
para comigo e com os outros,

que acredito, poeta, você as teve em abundância,

 além das palavras que a ti foram cativas.

Tudo isto fez com que sua obra seja luz, esperança e verdade,

muito mais do que qualquer outra possa ser.
 Obrigado, mestre Quintana.

 

Todos estes que aí estão atravancando o meu caminho,
 eles passarão, eu passarinho.
Mário Quintana.

Eliana de Freitas
Enviado por Eliana de Freitas em 09/11/2007
Reeditado em 09/05/2011
Código do texto: T730709
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para www.elianadefreitas.recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Eliana de Freitas
São Paulo - São Paulo - Brasil, 52 anos
107 textos (42873 leituras)
4 áudios (334 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/08/17 01:21)
Eliana de Freitas

Site do Escritor