Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OCALINA

Dos campos dos Goytacazes,
Das olarias imensas,
Das imensas pastagens...
Do rio levando sonhos,
Dos sonhos trazendo risos,
Das pessoas... Das paisagens...
Raiz da maternidade.

Memórias reveladas com o tempo,
Gravadas em sentimentos,
Como mensagens cifradas
A traduzirem-se misteriosamente
Quando fecho meus olhos,
Em maravilhosas imagens.
Na alma, um nostálgico abraço.
 Nas palavras, saudade!

Saudade da velha venda,
Da infância que não volta.
Saudade das brincadeiras,
Das brigas, das lorotas...
Até saudade dos bichos,
Das galinhas...
Dos porcos...
De um tempo em que todo tempo
Era só felicidade.

As primeiras letrinhas,
As primeiras amizades...
O primeiro emprego...
Tudo, tudo, era novidade!
Ah! Que saudade imensa me invade
Ao lembrar dos meus paqueras,
Ao lembrar do hospital...
Do tempo da tecelagem!
Das quermesses, dos foguetórios...
Do vai e vem na Beira-rio!
Dos bailes...!
Coisas daquela idade...



E até do que não vivi,
Do que não tive e nem mereci,
O privilégio em saber:
Que quando as águas do mar se revoltam
Os ventos sopram por mim...
Me acalmam,
Me salvam,
Me guiam.
E me dão tranqüilidade!

Ventos que me trouxeram o amor.
O amor que me deu filhos.
Filhos que me deram netos.
Netos que tiveram filhos...
E agora, os filhos dos netos dos meus filhos,
Escreverão o meu amor,
Por toda eternidade!

Em nomes, sobrenomes e, sobretudo,
Em irmandade.
Do tipo que reúne gente amiga,
Famílias e amigos da família
Pra um churrasco.
Que divide dor e alegrias.
Que puxa a orelha, mas que também acaricia.
Que fala mal, fala bem, que não fala...
Apenas ouve.
Ouve e compreende.
Em cumplicidade!

Assim, em cada festa,
Cada gesto,
Cada neto dos meus bisnetos,
Estarei eu.
Eu que fui menina. Que fui mulher...
Que fui mãe.
Que em cada parto, numa prece,
Fui milagre.
Gerei vida.
Gerei sonhos.
Gerei dignidade!


E hoje,
As lembranças que me envolvem de saudade,
São dos passos no caminho percorrido até aqui.
Muitos deles aos seus lados,
De braços dados...
Outros, com vocês nos braços.
E alguns, já meio cansados, amparados,
Na direção dos apartados...
Que são flores do meu jardim nostálgico.
Que são a plena “serenidade”.

 
Serenidade que não é. Se faz.
Compreensão que não se tem. Que nos amansa.
Tempo que não volta atrás. Só avança.
E que deixa saudade!
Quanta saudade esse tempo traz...!
Remexe, estremece e faz a gente balançar...
Mas a gente não cai.
A gente olha pros filhos,
Pros netos,
Pros bisnetos,
Pros trinetos,
Pros amigos todos reunidos,
E fala com o orgulho de sempre:

EU SOU FILHA DO MEU PAI!

Carlos Borges
Enviado por Carlos Borges em 06/12/2007
Código do texto: T767241

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Borges
Pindamonhangaba - São Paulo - Brasil, 49 anos
18 textos (812 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 00:53)