Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Causos de Lucas Durand. 3 e 4.

3 — O Causo do Cemitério!

Um infeliz namorava uma linda moça numa fazenda depois do cemitério da cidade e diziam que o infeliz tinha medo até da própria sombra... Mas, a moça era tão bonita que ele trancava a respiração e passava zunindo pela rodovia e nem olhava para o portão do cemitério quando vinha sozinho da casa dela. Ou, então, esperava alguém que viesse para a cidade e ficava de plantão na beira da rodovia... E se não aparecesse ninguém... bem, criava “corage” e amassava cascalho passando como um vento pelo cemitério.
Bão, né! Para ir, tudo bem! Mas na volta a calça enchia! Tinha que voltar por volta de no máximo dez horas da noite e bem antes da meia-noite! Era difícil de atravessar aqueles cem metros em frente ao cemitério... Parecia que os passos num rendia... e só cascalho rolando debaixo dos pés. Qualquer ventinho, qualquer morcego ou coruja que atravessava na frente... Santo Deus! Era promessas e mais promessas para cumprir no outro dia!
Segundo contavam os antigos, à meia-noite as almas penadas saiam do cemitério e rondavam tudo por ali! E tinha gente que jurava que já havia visto algumas coisas... Então... depois três meses de namoro já se beijava à vontade, já se relava à vontade e a cada dia suas mãos “mapiava” mais ainda aquele corpo jovem e ardente... e a mocinha já tava ficando mansinha igual mulher quando quer dinheiro do marido...
Então, voltar às dez horas passou para dez e meia... Onze... Onze e meia... E o namoro tava fervendo. Já se fazia quase de tudo e não se via a hora passar e aqueles momentos de carícias compensavam o medo da volta!
Bão, né! Fim de semana, vigilância vai relaxando, alpendre meio escuro e a bananeira deu cacho, a jurupoca piou, a vaca foi pro brejo e o tempo passou! E ao longe o sino da igreja fez com que a roseira murchasse, o papagaio emudecesse e a bica d’água secasse! Meia-noite no prego!!!
Num gesto automático guardou a “matula” de qualquer maneira abotoando a braguilha toda errada e nem olhou para trás para ver o beijo carinhoso que a amada lhe mandava. E pé na estrada! Só se ouvia o farfalhar de cascalho debaixo dos pés na estrada de chão... e ele, pensando:
...”Bem... Meia-noite! O relógio da igreja pode tá adiantado... Alguém já lhe havia comentado isto... E Ninguém sai assim por aí de supetão... Até ispreguiçá primeiro, tomá um banho, iscová os dentes, trocá de roupa... gastava-se uns vinte minutos ou mais para isto! Tranqüilo! Dava tempo de chegar até lá e atravessar aqueles malditos cem metros em frente ao cemitério!”
E só cascalho amassado pela rodovia e a respiração trancada desde a saída da casa da namorada! E promessa e mais promessa pra cumprir no outro dia!
O sino da igreja repicou novamente! Já via o cemitério e as luzes da cidade... como também o barulho de alguém amassando cascalho pela rodovia atrás dele.  Graças a Deus! “Num tava suzinho!” — pensou — Tinha companhia para passar em frente ao cemitério e pôde então soltar a respiração!
Olhou para trás! A lua estava clara e então viu uma jovem vestida de branco caminhando apressadamente na mesma direção da cidade! Parou e esperou cumprimentando aquela moça corajosa... E logo uma pergunta óbvia!
— Ocê, uma moça bunita assim... não tem medo de andá suzinha esta hora da noite, não?
— Quando eu era viva, eu tinha! — disse ela, entrando para o cemitério.
Dizem que ele teve que lavar bem as roupas a semana inteira... A calça encheu!

4 — O Causo do Bicho de Oito Pernas!

Um bicho estava atacando o galinheiro de uma fazenda em Araújos - minha terra natal - e não havia nada que conseguisse identificar o danado. E galinha sumindo todos os dias!
Atrás do galinheiro havia um imenso canavial. E quando a coisa “petecava” as galinhas alvoroçavam e os  cachorros latiam somente se via o barulho de cana quebrando e o bicho sumia e os dois cachorros voltavam tropeçando na língua de tão cansados. E nada de pegar o bicho! E galinha sumindo!
Bão! O dono da fazenda matutou... Matutou... Matutou! Então, de tanto pensar teve uma luz! Aliás, uma “lamparina”! — naquele tempo não existia luz elétrica nas fazendas... Correu na cidade e pediu emprestadas umas lanternas e chamou seus filhos, dizendo:
— Cês vai ficá ispaiado pelo canaviar... quando o bicho passá, alumia o danado pra nóis vê o qui qui é!
Numa noite escura... de repente só cana quebrando e os dois cachorros atrás... Um barulho de dar medo! Um dos filhos conseguiu alumiar o danado! O bicho tinha oito pernas! E o pior! Quatro pra baixo e quatro nas costas! E quanto os cachorros estavam quase alcançando o danado ele virava e corria com as pernas descansadas e não havia cachorro algum que o pegasse!
Estava desfeito o mistério! Mas, como pegá-lo! Novamente o dono da propriedade, matutou... Matutou... Matutou! E teve outra “lamparina”...
Olhou para os dois cachorros de estimação... Leão e Doguinho! Dois valentes defensores há anos de suas terras! Conheciam tudo ali como a palma das patas! “Meiou” com os olhos o tamanho deles... “Mema artura, memo tamanho, mema feição... huuum!” Passou a mão numas cordas de bacalhau e amarrou um cachorro nas costas do outro! No começo foi duro treiná-los a andar assim... Mas, depois duns dois dias já andavam “invorta” da casa sem cair... E o próximo passo era fazer com que corressem! Que labuta! Mas, depois de uma semana de treinamento e alguns tombos os dois heróis estavam prontos para o grande dia... Aliás, a grande noite!
O fazendeiro, então, montou em seu cavalo e ficou de plantão no meio do canavial com sua cartucheira. Os filhos dele seguravam os dois cachorros! O cachorro de cima fazia exercícios com as pernas — aquecimento —, para quando chegasse sua hora de entrar em ação já estivesse em forma.
Santo Deus! As galinhas começaram fazer alvoroço! O danado do bicho tava atacando!Todos quietos! E niqui... qui o canavial começou a quebrar, Doguinho e Leão rachou atrás do danado!
De cima de seu cavalo e comendo o bicho na espora pra valer o dono da fazenda não perdia nada de vista — apesar de ser noite! —, mas no modo de “dizê”, ele ia seguindo o barulho do bicho pelo canavial... O bicho passou para o pasto... Doguinho tava pega num pega... — Doguinho foi escolhido para ficar embaixo, tinha mais potência na arrancada. Leão tinha mais velocidade nas retas! Num descampado mais à frente, Doguinho já se preparava, mesmo fatigado, para pular em cima do bicho... E a surpresa! O bicho virou!
Então, o fazendeiro não pestanejou e gritou:
— Viiiirrra Leão!!! - e Leão passou para baixo e crau...!!!
Cá prá nóis... tinha outro jeito de pegar um bicho desse, sô!
Lucas Durand
Enviado por Lucas Durand em 19/02/2006
Reeditado em 14/08/2013
Código do texto: T113958
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lucas Durand
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
491 textos (377248 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:24)
Lucas Durand