Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Causos de Lucas Durand. 9 a 12.

9 — O Causo da Luz da CEMIG!

A CEMIG implantava a extensão de seus serviços em todo Estado de Minas Gerais e as cidades do Oeste de Minas estavam no projeto e seria ótimo para o desenvolvimento da região. Energia farta!
Todos as cidades implantaram o sistema de postes de cimento nos passeios das ruas e não mais no meio da rua com postes de madeira, luz fraca e etc. Agora, teria luz de mercúrio! Um luxo danado!
As cidades torciam e rezavam para ser a primeira a ter a energia da CEMIG. Sinal de prestígio, claro! Todos atentos a qualquer novidade. Qualquer pessoa que porventura viesse de uma cidade adjacente era prontamente interrogada se lá já havia ligado a luz da CEMIG!
Bão! Pela manhã estavam todos a postos na praça em volta da igreja em Araújos! Comentários daqui, interrogações dali, viram alguém que sabiam havia ido a Belo Horizonte e que fatalmente teria que passar em Perdigão — cidade mais próxima de Araújos e onde a disputa pela ligação da luz da CEMIG estava mais acirrada! —, e o infeliz deveria ter chegado no ônibus da madrugada! Imediatamente o cercaram e indagaram se lá já havia sido ligada a luz da CEMIG!
O coitado, atarefado com seus afazeres e não querendo se envolver naquela disputa, pois tinha parentes em Perdigão e em Araújos, tentou se desculpar e respondeu sem pensar:
— Olha... eu não prestei atenção quando passei em Perdigão...  Era de noite!!!

10 — O Causo do Arroz Doce!

Havia um sujeito que ninguém sabia por que tinha o apelido de Arroz Doce! Matava até a mãe se alguém o chamasse assim! Bravo e ignorante feito uma toupeira! E chamá-lo de Arroz Doce era marcar encontro com a morte! Mas, sempre há um engraçadinho louco para burlar a vigilância de alguém e fazer hora com a cara dos outros, né!
Então, numa bela tarde de inverno... todos ao redor do balcão de madeira de uma “venda” — como era chamado os armazéns antigamente — bebericando umas e outras e falando da vida... E, alguém viu o Arroz Doce vindo em direção à venda!
— O Arroz Doce vem aí...! — sussurrou o que estava perto da porta. — Cuidado... pessoal!
Todos riram, pois perto do homem ninguém teria coragem de dizer aquilo.
— Eu vou chamá-lo de Arroz Doce na frente de todos vocês! Querem apostar! — propôs um engraçadinho.
— Uma caixa de cerveja! — disse um outro.
— Combinado!
Pegaram nas mãos na presença de todos!
Lá vinha a vítima pela rua. Cumprimentou seriamente a todos e encostou-se num canto do balcão pedindo uma pinga. Todos continuaram a conversar e beber como se nada de anormal estivesse acontecendo... Então, o que havia feito a aposta pediu mais uma pinga e aproveitando que estava sendo servido, disse ao vendeiro:
— Cumpadre, inhantes que eu me esqueça, pese dois quilos de arroz para mim... Se eu esquecer a mulher me mata! — e continuou a tomar sua pinga.
O vendeiro pesou o arroz e colocou em cima do balcão de madeira.
— Mais arguma coisa, cumpadre! — indagou o vendeiro, remexendo o caderno de fiado.
— Ah, mais uma rodada de pinga pra nóis... E, deixe-me ver... um quilo de açúcar!
— Já vai! — resmungou o vendeiro servindo as pingas. Depois, pesou o quilo de açúcar e colocou junto ao arroz em cima do balcão.
Conversaram, discutiram política e daí um tempo...
— Ah, cumpadre, deixe dois litros de leite separado para mim... Acho que não tem leite lá em casa, senão a mulher vai me mandar correr rua atrás de leite depois.
De vez em quando um olhava para o Arroz Doce encostado junto ao balcão fumando seu cigarro de palha.
— Mais arguma coisa, cumpadre! — instigou o vendeiro, seriamente.
— Deixe eu vê... — disse, fazendo um cigarro de palha calmamente. — Cê tem cravo, cumpadre!
— Tem, sim!
— Uns dois pacutim...! Corta um pedaço desse salame aí pra nóis tirar o gosto das pingas também!
— Já vai!
Arroz Doce tirou o chapéu e coçou a cabeça...
— Mais arguma coisa, cumpadre! — disse o vendeiro com o prato de salame cortado em cubos.
— Não! — respondeu, olhando para os volumes em cima do balcão. — Ah, quase que eu esqueço... Dois pacutim de canela em pó!
Neste instante uma faca brilhou no meio de todos e foi encostada na garganta do engraçadinho!
— Mistura! Mistura se você for homem, seu desgraçado! Mistura! — berrou enfurecido nosso amigo Arroz Doce.
Dizem que alguém nunca mais comeu arroz doce na vida!

11 — O Causo do Piolho!

Um casal morava na beira de um rio... Acontece, que o marido tinha o apelido de piolho! Se alguém falasse Pi... já ganhava uma cacetada. Um belo dia os dois se desentenderam! Sabe como é... às vezes... de vez em quando... esporadicamente e quase todo dia um casal pode desentender, né!
Acontece, que a mulher do infeliz era daquelas pirracentas! Mas, bota pirracenta nisso! E ele não ficava atrás! Então, numa discussão, ninguém se calava, certo! A briga começou de manhã... uns duzentos metros do rio... numa casinha simples e tal e tal...
Já era meio dia e ninguém se calava! Desaforo daqui e desaforo dali e cobrança daqui, acusações dali e a briga passou para o lado de fora da casa e lastrou... A mulher do cara já sem saliva de tanto falar e sentindo que não conseguia ofender pra valer aquele pirracento, soltou a bomba!
- Piolho!!! — berrou ela com todas as forças.
Ai, meu Deus! O homem “envermelhou” a cara e arregalou os “óios” e partiu pra cima da mulher para as vias de fato! Tapa daqui, tapa dali, chute e tudo mais e o rio chegando e a mulher gritando...
— Piolho! Piolho! Piolho!!! — e o homem chegando junto! Um supetão... e ela parou lá no meio do rio... Voltou cambaleando e gritando...
— Piolho! Piolho! Piolho!
Ele, então, apanhou uma grande vara de bambu e a empurrava mais para o fundo do rio tentando por fim à vida dela. Sabia que naquele lugar não dava pé... E a danada ia pro fundo bebia cinco litros de água... E quando boiava...
— Piiiooolhooo! — e voltava pro fundo, empurrada pela vara de bambu e com algumas cacetadas na cabeça de lambuja.
Bebia mais uns cinco litros de água... E quando vinha à tona...
— Piiiooolhooo!-e voltava pro fundo de novo! Meia hora nessa agonia...
Ela, vendo que já não tinha mais forças para gritar e que seu fim já estava próximo e que iria mesmo pro fundo do rio deu seu golpe de mestre! Ao afundar lentamente e não podendo mais “tussicar” o seu marido com seus gritos, colocou as duas mãos para cima da água e começou a apertar os polegares um no outro comprimindo as unhas como se matasse pulgas e piolhos.
O homem teve um enfarto de tanta raiva!

12 — O Causo do Casamento do Soldado!

Conta-se, que nos antigamente, naqueles tempos que não voltam mais... que um comandante de um destacamento era um verdadeiro Dom Juan e usava de sua posição para tais fins...
A metodologia era a seguinte: soldado tinha que pedir permissão no quartel para casar, né! E quando o comandante via que a mulher era bonita, pedia para ficar sozinho com ela na sala e com jeito ele “bizorrava” no ouvido da dita cuja, que, se... ela facilitasse as coisas... o marido seria até promovido! Era rapidinho e ali mesmo na sala e coisa rápida! Ninguém iria saber! Como de fato, acontecia!
A dita cuja, vendo que podia ajudar o marido e também dá uma variada, aceitava! — mulher também é filha de Deus, né! — Tudo iria ficar no maior sigilo! O marido iria ganhar mais um “tiquinho”, a vida ia “miorá”, poderia comprar um vestido novo e fazer uma festa de casamento “mió”... etc.! — mulher sempre pensa em tudo — Bão, né! Parede tem ouvido! Já diziam os antigos!
Acontece, que depois de algum tempo, ninguém queria se casar mais naquele quartel! E ninguém tocava no assunto. Mas, casamento mesmo que é bão, neca! Todo mundo namorava, namorava... e o comandante já estava sequinho da Silva! Mas, ninguém casava! Ele até começou a cobrar dos soldados para que não ficassem enrolando as moças... Mas, ninguém casava!
Bão! Um soldado começou a namorar uma moça duma cidade vizinha... Sempre que estava de folga, ia lá dá uns beijinhos e tal...
“Namorô"... “Namorô”... tempo passando, pensaram em se casar! Moça de família, prendada! Havia uma “heracinha” no meio... umas terrinha... ô trem bão! O soldado tinha um ciúme da bichinha que só vendo...
Mas, quando ele comentou com um grande amigo de farta sua intenção de se casar com a dita cuja, meio constrangido, o colega relatou ao amigo o que acontecia quando se casava naquele quartel...
Dizem que atrás de morro tem morro...
O soldado, muito dos espertos, pensou, pensou... Ninguém iria colocar as mãos na sua amada! De jeito maneira!
Marcou o casamento com a família da noiva e foi falar com o comandante!
Porém, antes de ir para o quartel e sabedor de que ninguém conhecia sua futura passou num bordel, ajeitou uma das distintas para que o acompanhasse até o quartel... vestindo ela nos conformes, que até parecia mulher direita... Mas, com um belo decote... e explicou como ela deveria agir.
O comandante ficou numa alegria danada ao saber que tinha um pedido de casamento e se “impetecô” todo!
Uma hora depois a futura esposa saia da sala com a autorização na mão! Tudo dentro dos conformes! Promoção garantida e até com data marcada!
Daí uns dias... outro pedido de casamento! E de repente... todo mundo no quartel estava querendo casar! O comandante já estava um bagaço! Marcaram o dia das promoções! Festa no quartel! Todo mundo acompanhado de suas legítimas esposas!
O comandante passou em revista a tropa... Cada um com sua mulher verdadeira a tiracolo! Dizem os antigos que o bom cabrito num berra, né! Então, foi que o comandante descobriu por que havia pegado tanta doença de rua!
Lucas Durand
Enviado por Lucas Durand em 14/03/2006
Reeditado em 23/09/2008
Código do texto: T123266

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lucas Durand
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
491 textos (377364 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:48)
Lucas Durand