Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESSA É DO COMPADRE MOREIRA E ADELAIDE.

                   Compadre moreira e adelaide.  antiga dupla de humoristas caipiras. contaram Esse bem humorado causo há anos no Programa Linha sertaneja classe A  quando era ainda apresentado pelo saudoso José Russo e José Béttio. vale apena conferir.  O texto eu tive que montar de modo qua leitura seja compreesível. E vamos ao causo:
                   

                   Um caminhão Checrolet Brasil, levava uma turma de agricultores de uma cidade a outra onde aconteceria uma animada festa junina.
                  Eis que numa descida o freio acaba.
                  Sem perda de tempo o motorista ao invés de acalmar os da carroceria, enfia a cabela pela janela da boléia e grita.
                   - Olha aí pessoal, acabou o freio.
                   A descida era preocupante e dava medo até em tatu, por isso com mais medo ainda o motorista logo pulou fora da direção gritando de novo:
                   - É cada um pra si e Deus pra nós todos.
                   Se o motorista estava com medo, os da carroceria e da boléia em pânico chegaram ao chão antes dele, mesmo tendo pulado fora depois e ficou um lá no caminhão, O João Mané e todos temeram pela sorte dele gritando enquando o Chevrolet pirambeira abaixo corria mais que carro de corrida em primeiro lugar.
                   - Salta João tu vai morrer seu peste.
                   Enfiando o chapéu na cabeça tapando os dois olhos ele garantiu aos berros.
                   - Que mané morrer. vocês são uns medrosos eu fico aqui com meu São Jorge até no final.
                   Todos apavoraram e deram como certa a morte do Jõao Mané esborrachado nas árvores logo abaixo.
                   - O João já era. - Alguém disse.
                   Mas, milagre ou não o caminhão, passa pela descida que acaba logo e pega uma subida e ele subindo perde a força, volta e fica desse jeito até parar sem bater em nada e o João fica num cantinho da corroceiria encolhido com a vista tapada pelo chapéu sem saber o que acconteceu e menos ainda de  coragem para sair  de onde estava.  Todos rodeam o caminhão custando a acreditar na sorte dele.
                   daí que um lá tocando nele diz:
                   - João do céu mas tu é sortudo mesmo hein caboclo?
                  Vendo todo o povo rodeado no caminhão ele alfineta o medo da turma com raiva.
                   - Sorte o que seus medrosos de nada, eu tenho é fé no meu são jorge aqui. - e mostra o "santinho".
                   - Este é o que me protege toda hora e não me deixa na mão, faço tudo na vida calculado nele.
                   - Alguém olha para o santinho do João e vê que o santo não estava lá.
                   - Mas ô João o que você faz com a foto desse cavalo? Cadê o São Jorge?
                   Com muita raiva o João confirma que o Santo não estava lá e gritou.
                    - Olha só que santo medroso,foi o primeiro a pular fora.                      
pacomolina
Enviado por pacomolina em 22/10/2008
Reeditado em 22/10/2008
Código do texto: T1241771
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
pacomolina
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 53 anos
2885 textos (114951 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/12/14 12:22)
pacomolina



Rádio Poética