Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CAUSO DO BURRO.

Um gago morava em Belo Horizonte na avenida Getulio Vargas. Uma certa manhã ao sair de casa deparou com um burro morto em frente à sua casa. Então, ligou para a SLU, o Serviço de Limpeza Urbana da Prefeitura...
— É do... do... ser... vi... vi... ço... de... lim... lim... pe... pe... za... da... da... pré... pré... fei... fei... tu.. tu.. tu.. ra?
— Sim, meu amigo! Qual é o seu problema? — perguntou o funcionário.
— Um... bu... bu... rro... mo... mo... rreu... na... fren... fren... te... da... da... mim... ha... ca... sa...
— Diga o endereço para que possamos buscá-lo!
— É... Ave... ave... ave... ni...ni... da... Aveni... da... Ge... ge... ge... ge... tu... tu…tu...
 — Qui... Ge... ge... ge... tu... tu... tu... o quê! — gritou o funcionário impaciente, desligando o telefone.
Depois de alguns minutos o telefone toca novamente.
— É... da... prefei... tutu... ra?
— Sim! É da prefeitura! Serviço de Limpeza Urbana!
— Um... bu...bu...bu...rro... mo...re...re...reu...
— Eu sei! Um burro morreu na rua de sua casa... mas me dê o endereço e pára de gaguejar, pô!
— Ave… ave... ave... ni…nida… Ge… ge...ge… tu…tu…tu…
— Vá fazer hora com outro! — gritou o funcionário impaciente desligando o telefone.
Nisso seu chefe se aproxima e indaga o que está acontecendo:
— É um idiota que fica ligando para cá... dizendo que um burro morreu na rua dele e fica gaguejando o tempo todo e não me fala o nome da rua direito... fica só dizendo Ge... ge... ge... tu... tu... tu...
— Você é pago para tender bem as pessoas! Quando ele ligar para cá, tente ajudá-lo... Quando ele disser... Ge... ge... ge... tu...tu... tu... emende... diga Getulio Vargas, ora! Os contribuintes devem ser bem tratados. Senão seu emprego vai pelos ares — vaticinou seu chefe.
Cinco horas depois o telefone toca:
— E é da pré...prefeitura! — disse o gago, tentando conter sua raiva e falar o mais corretamente possível.
— Sim... meu amigo... é da prefeitura... Serviço de Limpeza Urbana... às sua ordens...
— É um bu.. rro...
— Eu sei... um burro morreu na sua rua... vamos tirá-lo daí... me diga o endereço corretamente... — disse o funcionário mais educadamente.
— É Ave... ave... ave... nida...
— Avenida Getulio Vargas! É isto — emendou o funcionário.
— Afon...afon... Afonso Pe... pe... pe... na... Afonso... Pena!
— Como Avenida Afonso Pena! Tem duas horas que o senhor tá gaguejando no meu ouvido Ge... ge... ge... tu...tu...tu... Não é Getulio Vargas!
— Era... Mas... mas... ta...ta...va... di...di...ficil... de fa...la...lar... eu...eu... pu...pu...xei... o ... bu...bu...rro... pra... Afon... Afon... so...so... Afonso Pena!
Fim.
Lucas Durand
Enviado por Lucas Durand em 09/04/2006
Reeditado em 27/12/2012
Código do texto: T136542
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lucas Durand
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
491 textos (377116 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 15:59)
Lucas Durand