Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O REPENTE MATOU O CANTADOR

Sítio Bom Nome, na zona rural dos Cafundós, rancho do Coroné e chefe político da região. Homem truculento, guardião da moral e bons costumes da redondeza. Certa vez promoveu uma noitada de viola. Contratou violeiros famosos, convidou toda vizinhança. Uma cantoria de grandes desafios, “Martelo Alagoano, Galope a Beira Mar, Dez Pés em quadrão...”. Um convidado grita: - Poeta, uma rima com “CORNO”.  O menestrel não hesitou e proferiu o mote.

Oxalá com tanto Corno;
Corno vai e Corno Vem;
O dono da casa é Corno
E eu sou...

O maldito Coroné não esperou o trovador fechar a rima. Rebolou um tamborete contra o desgraçado, acertando bem no meio da sinagoga do infeliz partindo o quengo em dois pedaços, matando o cantador de repente.
Chiquimribeiro
Enviado por Chiquimribeiro em 10/04/2006
Reeditado em 12/03/2015
Código do texto: T136780
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Chiquimribeiro
Fortaleza - Ceará - Brasil
507 textos (70671 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:54)
Chiquimribeiro