Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto


 
JOVEM NÃO TEM PRÓSTATA! (Humor)


Domingo de sol, Jorge pega a bicicleta do seu filho e vai pedalar na praia, como era de costume. Seu filho havia ido numa dessas lojas de equipamentos esportivos e comprado um selim profissional para bicicletas, acolchoado, anatômico e tudo mais e Jorge foi experimentar o tal assento.

Saiu cedo para aproveitar mais, foi pedalando, vento batendo, garotas correndo, uma vista maravilhosa e uma sensação gostosa, vinda lá daquele assento, parecia que aquele selim tocava sua próstata, quase que a massageando e foi embora, pedalando cada vez mais!

Havia já pedalado por três praias, parou para uma água de coco, telefonar a um amigo a desejar-lhe um bom domingo e continuou o passeio.  Aquela gostosa sensação do início começava incomodá-lo.

O selim, em sua extremidade anterior, era levemente virado para cima, provavelmente para segurar melhor o ciclista em cima do assento, entretanto, justamente aquela “viradinha”, batia bem em cima da próstata e quando estava voltando, percebeu que o incômodo estava aumentando e  a cada pedalada um sofrimento, percebeu também que ainda estava a dez quilômetros de sua casa.

Mas, mesmo assim foi pedalando, teve então a ideia, de cortar caminho, atravessando um túnel com uma passarela estreita própria para bicicletas, já na metade do túnel, Jorge avistou vindo em sua direção, quatro bicicletas, chegou bem próximo das paredes do túnel, para que pudesse passar as outras bicicletas, coisa que não foi possível e em um dado momento, seu braço arrastou no paredão do túnel por um metro e meio, causando-lhe queimaduras por atrito, de segundo grau.

Olha! A dor foi grande, tão grande que seria impossível chegar pedalando até sua casa Jorge então liga para o filho, aquele que comprou o tal selim e, disse: Pega o carro e vem me buscar, estou na saída do túnel São Francisco.
Quando saiu do carro já em casa, Jorge não conseguia dar um passo, testículos avermelhados, doloridos e até um pouco inchado. Foi andando vagarosamente, enquanto pensava: Pronto, essa magrela acabou comigo e chegando à janela do apartamento, desabafa: Filha da P... de Bicicleta!

 
 
paulo cesar coelho
Enviado por paulo cesar coelho em 16/04/2006
Reeditado em 11/12/2010
Código do texto: T140143

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
paulo cesar coelho
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
2589 textos (470646 leituras)
57 áudios (6064 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 11:56)
paulo cesar coelho

Site do Escritor