Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Tempos Pós-Modernos (3)

Hoje pela manhã, na barbearia, fiquei estarrecido ante o fato de que no bolo de revistas à disposição, havia apenas uma Isto É. As outras todas eram Caras e uma Cabelo&Cia.

Salão de barbeiro nunca foi lugar de leitura muito séria. Quando criança me acostumei a ler nesses ambientes exemplares de O Cruzeiro, Manchete e Fatos e Fotos. Podemos considerar as duas últimas como a pré-história de Caras. Mas a Caras e suas congêneres refinaram a baboseira e fizeram da auto-promoção, da venda descarada de espaço, como se jornalismo fosse, quase uma nova religião.

Embora de nome simples(acho que "do Onofre"), a barbearia está situada numa área de "classe média ascendente". Enquanto o barbeiro (será que era o Onofre?) reduzia a cabeleira do meu filho a um gramado alemão, por força da máquina três, eu fui obrigado a ver as imagens do Galvão Bueno comemorando, na Ilha de Caras, o contrato de R$ 100 milhões com a Globo e outras patifarias de uma gente que faz o gênero estúpido, mas que no fundo é muito esperta.

Por que não li a Isto É?

Porque a leitura no barbeiro têm que ser mais ou menos como aquelas loções e talcos: ligeiramente cafona, quase uma fraude, mas ainda assim longe de qualquer abuso.

Nelson Oliveira
Enviado por Nelson Oliveira em 22/04/2006
Reeditado em 24/04/2006
Código do texto: T143473
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Oliveira
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 55 anos
345 textos (25575 leituras)
2 áudios (313 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:45)
Nelson Oliveira