Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAUSOS DE EXAMES DE PRÓSTATA.


Todos os homens depois dos quarenta anos devem fazer o exame de próstata. É coisa séria e o preconceito deve ser deixado de lado. Mas, sempre existem aqueles que relutam em fazê-lo por desinformação... Eis, portanto, alguns causos que se tornaram antológicos sobre o exame...

Primeiro causo...
Um pobre coitado, muito simplório, vivia lá no mato. Morria de medo de morrer e se cuidava como podia de sua saúde. Qualquer tosse, qualquer dorzinha, lá ia ele ao posto médico na cidade, atento a qualquer apelo sobre vacinação e exames que via na sua velha televisão. Um dia viu pela TV que todo homem depois dos quarenta anos deveria fazer exame de próstata. No outro dia lá estava ele no posto do SUS... totalmente desinformado de como era feito tal exame.
O médico o chamou. Pediu a ele para ficar naquela posição que Napoleão perdeu a guerra e começou a colocar uma luva na mão direita e a “bizuntar” o dedo com vaselina. E o infeliz, lá... meio debruçado, mãos em cima da mesa, bumbum de fora e olhando desconfiado e de “menesgueio” para o médico...
O médico, então, se abaixou um pouco e disse a ele:
- Eu vou colocar meu dedo na entrada do seu... - censurado - e você vem para o meu lado devagarzinho, certo!
O infeliz ao ouvir a tal proposta apoiou as mãos na mesa e enfiou os dois pés na cara do médico - igual uma mula dando um coice com os dois pés - vestindo a calça com as pernas ainda no ar. O coitado do médico foi parar do outro lado da sala. E o matuto gritou indignado:
- Entrada uma ova, doutor! Aqui só sai! Num tem entrada de nada não, seu desgraçado duma figa! - e saiu fulo de raiva pelos corredores do posto xingando até a quinta geração do médico.

Segundo causo:
Mesmos procedimentos... porém, quando o médico apalpou o “fiofó” do distinto, ele gritou:
- Doutor... ô doutor! Péra aí!... Quantos dedos o senhor está usando em mim!
- Apenas um dedo, senhor!
- Então, coloca dois dedos... Gosto de ouvir uma segunda opinião médica!

Terceiro causo:
Mesma coisa... mas quando o médico estava com o dedo lá... o telefone ao lado da mesa tocou. Era um amigo do médico marcando uma pescaria. Com a mão esquerda o médico apanhou o telefone e continuou a fazer o exame com a mão direita...
- E aí... firme na pescaria?
- Claro – respondeu o médico, apalpando o paciente.
- Onde o senhor mora? Eu não sei chegar na sua casa...
- Olhe... você pega a avenida Antonio Carlos perto da rodoviária e vai embora... depois  que você andar uma meia hora nela verá uma pizzaria, vire à direita... ande uns dois quarteirões e a esquerda há um posto de gasolina... suba uma rua íngreme... - e o dedo acompanhando o que ele falava -... vire à direita... há uma baixada... vai até ao fim da baixada... a rua é meio torta... contorne uma praça... e vire à esquerda... desça mais dois quarteirões e verá uma casa azul... é a minha casa... ok!
- Tudo bem... Pegaremos você amanhã às nove horas!
- Tiau...
Aí então o paciente disse:
- Doutor... doutor... dá para o senhor andar mais uns três quarteirões... eu tô quase me “realizando”!

Fim.
Lucas Durand
Enviado por Lucas Durand em 09/06/2006
Código do texto: T172206

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lucas Durand
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
491 textos (377257 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 00:05)
Lucas Durand