Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ladrão de tudo que é meu.

            Eu sei que o assunto é chato, que voces podem até pensar que estou sacaneando um sujeito que leram até agora e achavam que escrevia bonitinho coisa e tal, podem até imaginar onde estava esse cara que só apareceu agora, mas o caso é que fui roubado.
            Isso mesmo que leram: ROUBADO!
            Esse Nickinho que escreveu todos esses contos, essas crônicas, esses textos de humor não passa de um LADRÃO!
            Portanto, a partir de hoje, onde estava escrito Nickinho, leiam Nicão, esse que vos fala.
            E não é de hoje que esse sujeito me rouba.
            Quando a gente cursava o primário, minha mãe fazia dois lanches pra mim levar de merenda. Como ela gostava muito do Nickinho, seu afilhado de crisma, um era para dar para ele, o outro pra mim. Pois não é que o lazarento comia o dele, depois afanava o meu?              E não adiantava contar nada pra minha mãe. Ele fazia uma cara que até ni mim dava dó , ela acreditava nele e fim de papo.
            Quando nós crescemos mais um pouco, passou a roubar minhas namoradas. Primeiro foi a Julinha. Ruivinha, olhos violetas, sardentinha. Uma graça de menina. Começamos a namorar na sexta série. Fiz aquelas poesias que todo menino apaixonado faz. Sonetos, quadras, versos livres, qualquer tranqueira que tivesse formato de poesia, lá tava eu rimando amor com flor, paixão com coração, querida com vida. Só não consegui arrumar rima pra lâmpada, que um professor de Português desafiou para ver quem era capaz. O mais perto que cheguei foi terminar o verso em “na campa da”, mas o xarope não aceitou dizendo que eu tinha quebrado a frase. E fiz um versinho rimando Julia com pulha, mas não tive coragem de mandar para ela. Hoje sei que tinha razão em não mandar. O namoro ia terminar na hora.
            Bem, duas semanas de namoro e o Nickinho roubou ela de mim.
            Era só arrumar namorada bonita e ele nhaca! Passava a mão.
            Foi aí que tive a idéia genial: arrumar um trubufu só para sacanear ele. Selecionei a dedo a menina mais feia que pude arranjar. Vesga, meio barriguidinha, cabelo espetado e mau hálito. Os dentes eram perfeitos, devia ser coisa do estômago, sei lá!
           Lógico que quando a pedi em namoro, aceitou na hora, ainda não tinha conseguido desencalhar. O diacho era na hora de beijar. Eu tinha que prender a respiração durante todo o beijo. Meio minuto depois eu estava vermelho de falta de ar, mas eu tinha de agüentar um tempo até o Nickinho roubar ela de mim. Um dia deram a dica: compra bala Geells que a catinga some.
            Enchi o bolso de balas e fui para o sacrifício. Um beijinho sem ar depois meti a mão no bolso, quer bala? são uma delícia, murmurei afastando um pouco o rosto de perto da boca dela, mas não é que a desgraçada não gostava de balas e recusou e eu fiquei ali, naquele bafo de dar enjôo em sapo, rindo por dentro de quando o filhadaputa roubasse ela de mim.
            Só que essa ele não quis nem saber e passou batido e só consegui terminar o namoro depois de mastigar uns três dentes de alho misturado com sardinha salgada e tascar uma porção de beijo de língua na fedorenta.
             Mais tarde formamos uma dupla sertaneja. Nicão e Nickinho. E até aí ele sacaneou.
Toda dupla, quem tem o primeiro nome faz a primeira voz. Zezé de Camargo e Luciano. Tonico e Tinoco. Tião Carreiro e Pardinho. Liu e Léu. Só que quem fazia a primeira voz na nossa dupla era ele. Ta certo que a voz dele era melhor que a minha, mas e daí? O finado Leandro não gravou Catedral? O Luciano de vez em quando não se arrisca?
               E teve uma vez que. . . nem sei devo contar. Bem, vai lá!
              A gente foi acampar e enchemos a cara de rabo de galo e pinga com groselha. No outro dia acordei com uma dor no rabo que vou te contar. Mas se eu descubro que ele roubou minha virgindade também, aí eu mato ele de vez!
               Agora descobri que roubou meus textos e poesias e publicou como se fosse dele. Tudinho! Mas tudinho mermo! É ou não é uma ladrãozinho miserento?
E o que eu fiz?
              Ranranran! Roubei a senha dele no Recanto e apaguei todos os textos. E pra sacanear legal vou continuar usando a página que ele criou. Só que a partir de hoje , no lugar de Nickinho leiam Nicão. Fais favor!

                                                                                                        Nicão
Nickinho
Enviado por Nickinho em 23/07/2006
Código do texto: T200126
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nickinho
Ibitinga - São Paulo - Brasil, 63 anos
163 textos (36956 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:30)
Nickinho