Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O OLHO DO DONO ENGORDA... (EC)

Quinzinho, Zé e Mané eram três porquinhos atrapalhados...
Quinzinho era pequeninho e passava o tempo provocando Mané, o maior.
Sobrava para o Zé que não era grande nem pequeno decidir a discussão.
De arte em arte iam alvoroçando a vida do pacato sítio.
Certa feita, cismaram de invadir o galinheiro.
Havia uma brecha média na cerca e milho do lado de lá.
Quinzinho passou pelo buraco, Zé quase entalou e Mané foi salvo das bicadas pelo dono do sítio.
Salvo é modo de dizer, porque o olhar do dono o fez sentir-se no ponto de virar toicinho.
Outro dia decidiram explorar o lado de lá do riacho e comer umas cenourinhas.
Devem ser deliciosas, pensaram ao ver o coelho se lambuzando.
Travessia! Vamos nós!
Os espaços das madeiras da ponte eram grandes para que os animais pequenos não fugissem...
Mané passou fácil, Zé pulou, dependurou-se, tropicou e safou-se...
Já o Quinzinho pulou e caiu no vão.
Depois de um belo banho no rio, saiu amuado na margem, salvo novamente pelo sitiante.
Salvo era modo de falar...
O olhar do sitiante imaginou pururuca.
Um dia descobriram a gangorra para crianças do jardim.
Zé sentou-se de um lado e, é claro, a gangorra pendeu para seu lado. Mané quis brincar e escalando o lado oposto, fez a balança pender para o outro lado...
Idéia genial!
Mandaram Quinzinho subir e caminhar de um lado para o outro da madeira.
Que delícia subir e descer.
Tudo ia muito bem até que o Zé, sabe-se lá por qual necessidade, saiu da gangorra repentinamente.
O peso de Mané fez o Quinzinho, que estava do lado oposto, sair voando e cair no monte de feno do paiol, colocando em polvorosa os demais animais que se assustaram com aquilo que caía do céu.
Os carneiros fizeram um escândalo que espantou o cavalo. Este escoiceou para todos os lados e assustou o bode que deu uma cabeçada no cachorro. O gato pensou que o cão rosnava para ele e saltou pelas paredes derrubando as ferramentas em cima da vaca que chutou o balde cheio do leite recém ordenhado.
O sitiante enfureceu-se com a balbúrdia.
Medrosos, como são os porcos, Quinzinho e Mané denunciaram a culpa do Zé, que não se sabe como escapou de virar assado com maçãzinha na boca.
Ou melhor, sabe-se...
Que sorte a deles!
O dono do sítio era vegetariano.
Os três andam meio ressabiados desde que o papagaio começou a repetir uma frase que aprendeu com a coruja: “O olho do dono engorda o porco”. Estão preocupados para que ele quer engordá-los.
Pururuca, torresmo, maçãs, toicinho, feijoada...
Com uma cervejinha!
Hum!

Este texto faz parte do Exercício Criativo - Conte-me um Conto.
Saiba mais, conheça os outros textos: http://encantodasletras.50webs.com/conteumconto.htm
Pedro Galuchi
Enviado por Pedro Galuchi em 08/01/2010
Reeditado em 09/01/2010
Código do texto: T2017835
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2010. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pedro Galuchi
São Paulo - São Paulo - Brasil
1497 textos (221395 leituras)
14 áudios (761 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 25/04/17 03:58)
Pedro Galuchi