Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem Comentários...

Certa vez li uma matéria que explicava porque há menos mulheres
humoristas do que homens. A teoria é de que nós mulheres relutamos
mais em nos expor ao “ridículo” Eu sou uma exceção! Não ligo a
mínima de contar meus “causos” e tentar proporcionar-lhes 
algumas risadas. Rss



Estava eu lá pelo terceiro ano de academia (tenho cinco! Uauu, quase 
uma Fernanda Keller! )  quando ouvi falar de um novo professor
conhecido como “Serial Killer” de gordinhas. Com ele, emagrecia-se
na marra!  Não hesitei e encarei o desafio.  Mas acostumada com
outro tipo de treino, penei como uma condenada, porque ele era
muito dinâmico.  Misturava várias modalidades, como Tai-Chi-Chuang, 
Body Combat (ensina técnicas de auto defesa, com chutes, socos etc)
Body Pump (trabalho com pesos) aeróbica e localizada, tudo numa única 
aula.  É o que alguns chamam de “aula de circuito” 

O homem era um demente!!!  (perdão Professor Adilson! Te amo, viu? Rs) 
Nos fazia correr até pelo quarteirão para aquecer, e nem parar
para tomar água podíamos. Como o resultado era evidente, obedecíamos 
a tudo  (quase) sem reclamar.  Mas o que “pegava” mesmo era a sessão 
extra de localizada após toda aquela maratona...

 
Num desses dias, ele propôs que empilhássemos 4 steps 
(caixote usado para subir e descer com coreografias), e deitadas ali, 
tínhamos que descer o tronco para trás e subir, no tempo de uma longa 
música.  Isso garantia o movimento pelo menos umas 500 vezes... 
Essa tortura medieval repetia-se por 3 vezes seguidas e não adiantava fazer
“corpo mole” porque o carrasco posiciona-se as nossas costas e nos “ajudava” empurrando, caso tivéssemos a tentação de fingir um desmaio ou parada
cardíaca. Rss  

Seu lema  era “Não deixe que seu limite, te limite!” 


Arre égua, aquilo era mesmo de matar! 



Mas eu estava muito empolgada com os resultados e fazia tudo para ganhar   sua simpatia. ..  

Barras energéticas, Gatorades  e chocolates 
(ele podia, era bem magrinho, vide foto)  eram mimos frequentes. 
Tudo para talvez, ser poupada de suas atrocidades, mas doce ilusão! 
“Afeiçoando-se” a tão dedicada e carinhosa aluna, ele passou a exigir-me 
cada vez mais nos exercícios e eu não queria desaponta-lo. Rss 
Nesse dia do step, em que empilhamos vários, ele para variar ficou ao meu 
lado, pois sabia que de todas eu era a com mais tendência a distração
e conversas.  Rss  Eu tinha virado sua pupila, seu ponto de referencia 
e ele estava disposto a tudo para tornar-me uma malhadora compulsiva. 
Pois tanto fez,  tanto me empurrou no mesmo movimento, 
que ao sair da aula eu senti uma “certa ardência”
Nesse ossinho que temos quase no bumbum... 
Siiiiimmmm, o miserável do cócix! Rrsrsrsrs  Claro, né?  Ao subir e descer, 
nos apoiavamos bem ali inspiradas  no Pilates  (técnica que fortalesce a musculatura, concentrando força, segurando o movimento) 

Resumo da ópera: 
O difícil não foi usar band-aid e hipoglós
na assadura, por dias! Rss  Difícil era explicar
COMO o professor havia me causado aquilo!!!



* Brincadeiras a parte, Adilson foi uma pessoa muito importante 
na minha vida. Ensinou-me que se você quiser muito algo e der o sangue
(Literalmente rss)  CONSEGUE!  Quando ele saiu da academia, 
nos abraçamos e choramos, sabendo que  nem eu, nem meu cócix seriam 
os mesmos.. Rsss

**Amigos, please, sejam discretos! Rss




 
Carinhosa
Enviado por Carinhosa em 07/09/2006
Reeditado em 23/04/2013
Código do texto: T234952
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Carinhosa
Curitiba - Paraná - Brasil
657 textos (164698 leituras)
3 e-livros (397 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 00:24)
Carinhosa