Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Boca grande

       Sucede que o Cará mais a esposa Madalena tocavam a zona da cidade, a Chácara do Caju e vez em quando algumas meninas iam embora para outras zonas de meretrício e precisavam renovar o estoque.
       Daí o Dudu, irmão da Madá, picava para o Goiás ou sul de Minas e trazia as meninas.
       Passo seguinte era ir na Kicoisa, uma perfumaria na área sul da cidade onde os badulaques eram mais barato.
       E foi o que fez. Botou no carro as três meninas recém chegadas, mas como a Madalena tava meio cabreira com o marido porque as moças eram muito das formosas e ele não muito flor que se cheirasse embicou junto.
       Enquanto a esposa e as três tocaram a comprar batom, rouge, travesseirinho íntimo, desodorante e todos os teréns que os puteiros sabem que encontram nesses lugares com as meninas, o Cará rumou pro bar do Carniça, meio quarteirão longe e fincou pé ali.
       Uma cerveja, duas depois e nada das mulheres saírem da perfumaria quem se achega perto da mesa? O Crispin.
       O Cará sabia que o Crispin não era de zonear. Era mais de contar vantagem. Daqueles tipos que querem mostrar que são mais safados do que são de verdade e vivem falando pra Deus e todo mundo que comeu fulana, comeu sicrana só pra impressionar a moçada.
       E esses tipos tem o defeito de falar mal de todo mundo.
       Mas como bar é público, entra quem quer e sai quem não quer o Crispin engatou conversa e foi obrigado a participar.
       E aí? Tudo jóia?
       Tudo.
       E a chácara?
       Vai indo.
       Pra encerrar logo o papo sem futuro nenhum o Cará ficou ali nos monossílabos, só respondendo piquinininho pro outro se mandar logo.
       E muié? Cuméquitá?
       Bom.
       Novinha?
       Talvez ali estivesse um futuro freguês, pensou o Cará, e não havia desvantagem nenhuma em fazer uma propagandinha.
       Chegou umas mineirinhas que são um tesão!
       É?
       Tão ali na Kicoisa. Dá uma espiada e me conta.
       Quando o Crispin saiu, pediu outra cerva.
       Dali a pouco o vantageiro voltou, sentou na cadeira vaga e tascou.
       Ce tem razão! Tem umas bonitinhas.
       Num ti falei!
       Só que tem uma véia pra lá de desbarrancada junto. Essa num dá pra comer nem de graça!
       Tava falando da Madá. E foi por isso que o Cará encheu ele de porrada e só parou quando os homi chegaram.
Nickinho
Enviado por Nickinho em 12/10/2006
Código do texto: T262923
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nickinho
Ibitinga - São Paulo - Brasil, 63 anos
163 textos (36960 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 12:58)
Nickinho