Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CAUSA E EFEITO

CAUSO DA CAUSA E EFEITO


ERA 1965, MORÁVAMOS NUMA CIDADE DO INTERIOR DE SÃO PAULO, MAIS PRECISAMENTE MAIRINK HOJE MAIRINQUE, PRÓXIMO A SOROCABA. MAIRINQUE É A CIDADE ONDE SE CONSTRUIU A PRIMEIRA ESTAÇÃO DE TREM DE CONCRETO ARMADO NO BRASIL, CIDADE MUITO BONITA E HOSPITALEIRA. PASSSEI GRANDE PARTE DE MINHA INFÂNCIA LÁ, NADANDO EM RIO, ANDANDO A CAVALO E TAMBÉM ESCUTANTO CAUSOS.

ESTA ESTÓRIA QUE VOU CONTAR É MUITO INTERESSANTE, POIS ELA MOSTRA CLARAMENTE COMO É SÁBIO ESTE POVO DA ROÇA, QUE SEQUER PRECISA RACIOCINAR PARA PODER DAR UMA RESPOSTA, SEM ANALISAR UMA QUESTÃO OU SIMPLESMENTE DAR SUA OPINIÃO SOBRE QUALQUER ASSUNTO.

EM MAIRINQUE, HAVIA UM MÉDICO, O DR. ANACLETO, FAMOSÍSSIMO PELO RECORDE DE ATESTADOS DE ÓBITOS ASSINADOS POR ELE. POR MENOR QUE FOSSE O MAL DE UM PACIENTE, MORRIA. EXISTIA ATÉ UM COMENTÁRIO MALDOSO NA CIDADE, PORQUE ELE ERA CASADO COM CLARINHA MERGUIZO, FILHA DO TIÃO MERGUIZO, DONO DA FUNERÁRIA DA CIDADE, MAS ISSO ERA SÓ UMA GOZAÇÃO PELA COINCIDÊNCIA.

PRÓXIMO A MAIRINQUE HAVIA UMA GRANDE FAZENDA, ‘’CARAFA’’, DE PROPRIEDADE DO ENTÃO CORONEL BERTOLINO, RICO FAZENDEIRO, CRIADOR DE CAVALO DA RAÇA MANGA LARGA.

CERTA TARDE, O CORONEL BERTOLINO MANDOU ARREIAR UM DE SEUS PURO SANGUE PRA UMA CAVALGADA ROTINEIRA. ASSIM QUE ELE MONTOU, O CAVALO SAIU NUMA CARREIRA JOGANDO O CORONEL DE COSTAS PRO CHÃO DURO. LOGO EM SEGUIDA, ÀS PRESSAS, LEVARAM O CORONEL PRA CIDADE E PRO CONSULTÓRIO DO DR ANACLETO.

AH, NÃO DEU OUTRA, O HOMEM SAIU DE LÁ MORTINHO DA SILVA. DEPOIS DESSA, O COMENTÁRIO ERA DE DR. CARNICEIRO PRA CIMA.

NO VELÓRIO DO CORONEL, ESTAVAM TODAS AS PESSOAS MAIS IMPORTANTES DA CIDADE E GRANDE PARTE DA POPULAÇÃO LOCAL, POIS O CORONEL BERTOLINO ERA UM HOMEM MUITO CARIDOSO.
DEPOIS DAS DESPEDIDAS AO DEFUNTO, FECHARAM O CAIXÃO E, NUMA FILA ROMANA, HÁBITO DO LUGAR NA ÉPOCA, ACONTECIA O CORTEJO A PÉ ATÉ O CEMITÉRIO.

NA FRENTE, O CAIXÃO CARREGADO PELOS DOIS FILHOS, UM COMPADRE E O GENRO, LOGO ATRÁS DO CAIXAO VINHA O DR. ANACLETO COM A VIÚVA E A FILHA MAIS VELHA E, BEM ATRÁS, O POVO DA CIDADE, CADA UM COM SEU COMENTÁRIO PESSOAL. ENTRE ESSAS PESSOAS, TINHA UMA QUE PRA MIM ERA MUITO ESPECIAL, O SR. MUNDINHO, UM CAIPIRA SOLITÁRIO, CRIADOR DE PORCOS DE MUITO POUCA PROSA, QUASE QUE SÓ FALAVA PRA DAR RESPOSTAS. E EU O ADMIRAVA MUITO EXATAMENTE POR SUAS RESPOSTAS, QUE ERAM SEMPRE CURTAS, MAS DE UMA SABEDORIA INIGUALAVEL. FOI QUANDO SEU OLAVO MACIEL, ADVOGADO E JUIZ APOSENTADO, PERGUNTOU AO SR. MUNDINHO O QUE ELE ACHAVA DAQUILO TUDO.

SEM SEQUER PARAR PRA PENSAR, SEU MUNDINHO OLHOU PRO CAIXÃO, OLHOU PRO DR. ANACLETO E RESPONDEU ASSIM:

- EH, SEU DOTÔ JUIZ, EU JÁ TENHO QUASE 80 ANOS E É A PRIMERA VEZ QUE VEJO A CAUSA SEGUINDO O EFEITO.
ze paulo medeiros
Enviado por ze paulo medeiros em 24/08/2005
Código do texto: T44774
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ze paulo medeiros
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 61 anos
75 textos (9333 leituras)
1 e-livros (122 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:26)
ze paulo medeiros