Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A MENTIRA ENCOMENDADA

CAUSO DA MENTIRA ENCOMENDADA


ÊTA! “VAMO DE VORTA” LÁ PRA LIMA DUARTE, MINAS GERAIS.

ESTA ESTÓRIA ACONTECEU NA DÉCADA DE 70 E NUNCA SAIU DA MINHA MEMÓRIA.

ERA SEMANA DE CARNAVAL. LIMA DUARTE ESTAVA QUE ERA SÓ GENTE, PRINCIPALMENTE DE SÃO PAULO E DO RIO DE JANEIRO.

EU TINHA ACABADO DE CHEGAR E ESTAVA TIRANDO UMA SONECA NA CASA DO TIO ANTONIO.

DEPOIS DE TER VIAJADO MAIS DE 8 HORAS, EU ESTAVA QUE ERA SÓ PÓ E PRECISAVA DESCANCAR UM POUCO, PARA PODER BRINCAR O PRIMEIRO DIA DE CARNAVAL QUE SERIA LOGO A NOITINHA.

DE REPENTE, COMEÇOU UM GRITA GRITA QUE SE ESPALHOU PELA CIDADE INTEIRA. A ZUEIRA ERA TÃO GRANDE, QUE CHEGOU A ENCOBRIR O SOM DO SINO DA IGREJA MATRIZ QUE BADALAVA SEM PARAR. E ERA UM TAL DE “ACUDA GENTE, ACUDA O PADRE RAIMUNDO SENÃO ELE MORRE”.

BOM O CASO ERA O SEGUINTE: VOU VOLTAR UM POUQUINHO NO TEMPO, POIS, NA VERDADE, ESSE É O MEIO DA ESTÓRIA.

LÁ EM LIMA DUARTE MORAVA UMA PESSOA MUITO CONHECIDA, PELA FAMA DE SER MENTIROSO, PRINCIPALMENTE NO BOTECO DO SEU ADERMÁRIO, ONDE SE JUNTAVAM OS BEBUNS DA CIDADE, “PRÁ MÓR DE MOIÁ A GÜELA E ESCUITÁ AS MINTIRAS ESCABROSAS DO NOSSO AMIGO CHICO TRAÍRA, O CHIQUINHO MINTIROSO, EXPER NA ARTE DE INVENTAR LOROTAS”.

NESSE DIA CHICO TRAÍRA DESCIA COM SEU TRATOR PELA RUA DA DINHA (DINHA ERA UMA SENHORA ANTIGA, QUE SEMPRE MOROU NESSA RUA), QUANDO ENCONTROU COM O PADRE RAIMUNDO, QUE LHE PAROU PRA PEDIR UMA CARONA ATÉ O RIO DO PEIXE (LUGAREJO LOCAL). E LÁ FORAM OS DOIS ESTRADA A FORA. DEPOIS DE UMA TRÊS HORAS, LÁ VINHA O CHICO TRAÍRA SUBINDO A RUA DA DINHA “DE A PÉ” E COM MUITA PRESSA, QUANDO PASSAVA EM FRENTE AO BOTECO DO SEU ADERMÁRIO, QUE ESTAVA TOTALMENTE CHEIO, O PESSOAL, NUM CORO SÓ COMECOU A GRITAR:
- EHHH CHIQUINHO, VEM CÁ CONTÁ UMAS MINTIRA PRÁ NÓIS OUVI, VEM CHIQUINHO...

E ERA UMA “RISADAIADA” SÓ. O CHICO TRAÍRA PAROU NA PORTA DO BAR, RESPIROU FUNDO E FALOU:

- AGORA NUM POSSO PESSOAR. TÔ CUM MUITA PRESSA GENTE, POIS TAVA EU E O PADRE RAIMUNDINHO, DE CARONA CUMIGO, QUANDO NA CURVA O TRATÔ VIRÔ E O PADRE RAIMUNDINHO FICÔ PRESO EMBAIXO DELE, NEM SEI SE AINDA TÁ VIVO. DAÍ, SAÍ NA CARRERA, PRÁ MÓR DE VÊ SE INCONTRO O DR. LEÔNCIO E VE SE ELE PODE FAZÊ ARGUMA COSA.

CHICO TRAÍRA TIROU O CHAPÉU, COÇOU UM BOCADO A CABEÇA E CONTINUOU SUBINDO RUA AFORA.

DEPOIS DA NOTÍCIA DADA NO BOTECO, ELA SE ALASTROU QUE NEM FOGO EM PALHA SECA, AINDA MAIS QUE PADRE RAIMUNDINHO ERA PESSOA DAS MAIS QUERIDAS DA CIDADE.

E, DE REPENTE, NO MEIO DAQUELE ALVOROÇO DE GENTE CORRENDO PRA TODO LADO, NA TENTATIVA DE DESCER A RUA, PARA ESPIAR AO VIVO O ACONTECIDO, LÁ VEM O TRATORZINHO DO CHICO TRAÍRA BEM DEVAGARZINHO, COM O PADRE RAIMUNDO NO VOLANTE.

LOGO APÓS SER CERCADO POR QUASE TODA A POPULAÇÃO DA CIDADE, O PADRE RAIMUNDO FOI INDAGADO PELAS PESSOAS ALI PRESENTES SOBRE O QUE TINHA ACONTECIDO. O PADRE DISSE QUE, NA ENTRADA DA CIDADE, PEDIU PRO CHIQUINHO PARAR UM BOCADINHO NA CASA DA DONA EMENGARDA, A FIM DE FAZER UMA VISITINHA PRO SEU MARIDO QUE ANDAVA MUITO DOENTE.

- O CHICO ACHOU MELHOR ME EMPRESTAR O TRATOR E SUBIR A RUA A PÉ. AGORA, EU ESTOU INDO ATÉ A SUA CASA PARA DEVOLVER O TRATOR.

ENQUANTO O PADRE SUBIA A RUA EM CIMA DO TRATOR, ATRÁS ACOMPANHAVA UMA ENORME PROCISSÃO DE GENTE MUITO BRAVA.

ASSIM QUE O PADRE ENCOSTOU O TRATORZINHO EM FRENTE AO RANCHO DO CHICO TRAÍRA, ELE APARECEU NA PORTA, TRANQÜILO, COM SEU CIGARRINHO DE PALHA NA MÃO, COMO SE NADA TIVESSE ACONTECIDO. AÍ, ALGUÉM LÁ NO MEIO FALOU:

- SEU CHICO TRAÍRA, COMO É QUE O SINHÔ ESPRICA TAMANHA CUNFUSÃO?

CHIQUINHO, MUITO CALMO E SERENO, DISSE O SEGUINTE:

- ÓIA PESSOAR, EU VINHA SUBINDO A RUA DA DINHA, TAVA PASSANDO DI FRENTE DO BOTECO DO SINHÔ ADERMÁRIO, AÍ A MAIORIA DO SEIS PIDIU PREU CONTÁ UMA MINTIRA, UAI! ANTAO, EU CONTEI PRA MOR DE AGRADÁ A TODOS. SE FIS MAR ÔCEIS ME DESCURPE.

BOTOU O CIGARRINHO DE PALHA NA BOCA, DEU UMA PITADA E ENTROU PRA DENTRO DO RANCHO...

ZÉ PAULO MEDEIROS CAUSOS&EFEITOS
ze paulo medeiros
Enviado por ze paulo medeiros em 25/08/2005
Código do texto: T45022
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
ze paulo medeiros
Santana de Parnaíba - São Paulo - Brasil, 61 anos
75 textos (9327 leituras)
1 e-livros (122 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 16:34)
ze paulo medeiros