Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PUÃS A MARINHEIRA OU CARANGUEJO VIVO NÃO SE CHEIRA

          É provável que você não saiba, mas o caranguejo é um crustáceo decápode, ou seja, dotado de dez patas. O fato não mereceria destaque, não fosse a circunstância de que duas delas, as maiores, fronteiriças, terminadas por grandes garras chamadas puãs, encerram em seu interior uma carne finíssima e de incomparável sabor.

          Se você tem inclinação para as lides culinárias deve tentar prepará-las pois seu esforço será regiamente recompensado.

          Inicialmente você deverá comprar alguns espécimes. Como seu "habitat" natural são os mangues litorâneos, ou você vai até lá ou os adquire na estrada, na subida da serra, pois é ali que os caiçaras os vendem presos em tiaras.

          Aqui uma primeira advertência. Ao contrário dos peixes e outros frutos do mar, você não precisará apalpá-los ou cheirá-los para saber se estão bons. Aliás não deve mesmo fazer isso. Bastará verificar se estão se mexendo. Movimentando-se é sinal que estão vivos. E, estarão frescos, seguramente.

          Escolha alguns de bom tamanho e leve-os com cuidado para casa. Parecem bonitinhos e inocentes, mas não permita que sua mulher, crianças ou curiosos os atazanem. Eles não gostam nem estão dispostos a participar de nenhuma brincadeira.

          A primeira providência a tomar ao chegar é procurar limpá-los. Porque eles trazem agarrado em sua carapaça toda sujeira dos pãntanos fétidos onde vivem. E voce não quererá cozê-los com essa imundície toda.

          Será necessário uma boa escova de dentes de cerdas duras. Pode ser de qualquer marca e até mesmo usada, que eles não se importam. Esfregue-os com vontade debaixo da torneira. Mas tome muito cuidado, porque se você for ferroado, só um bom cirurgião irá livrá-lo do bicho.

          Depois de limpos jogue-os em um caldeirão com água fervente. (há aqueles, mais cautelosos, que preferem dar-lhes rápida e prévia fervura antes de limpá-los). Você notará que eles não apreciam altas temperaturas e acabarão por se imobilizar por completo. Ganharão também uma reluzente cor purpura no lugar daquela escura e azulada. Dez ou quinze minutos de cozimento deverão bastar.

          Agora relaxe e sente-se confortavelmente à mesa. Pegue um caranguejo e destaque uma de suas puãs. Quebre-a, delicadamente com um quebra-nozes, de forma a não macular a carne que deve despontar intacta em seu esplendor.

          Perceba que é rosada e firme. Cheire-a, que agora você pode fazer isso sem temores. O perfume que exala é inconfundível, a evocar o êxtase gustativo que se seguirá.

          Algumas gotas de limão serão bem-vindas. Ou um leve lambuzar de molho tártaro. Feche os olhos e concentre-se. Leve a porção à boca e mastigue-a lentamente. O sabor que você sentirá ficará indelevelmente gravado em seu subconsciente como uma das melhores iguarias que você já degustou.

          P.S. Permita-me, no final destas linhas, dar-lhe um conselho. Se você não for do ramo não se aventure. Esse bichos são perigosos e o tratamento de dedos e narizes custa muito caro.

          De forma que se você estiver com muita vontaxe de comer puãs, vá a um bom restaurante que saiba prepará-los. E, não se preocupe com a conta. Com certeza custará menos do que você gastaria com iodo e esparadrapo se tentasse prepará-las sózinho.
Tagobar
Enviado por Tagobar em 10/10/2005
Reeditado em 23/10/2005
Código do texto: T58473

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tagobar
Campinas - São Paulo - Brasil
63 textos (25776 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 08:05)
Tagobar