Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HADDOCK GRATINADO DE NATAL OU COM CARRASCO NÃO SE BRINCA
















Se você estiver diante de um pelotão de fuzilamento e o carrasco lhe perguntar qual seu último desejo, não hesite. Peça-lhe um haddock defumado gratinado.

Por vários motivos.

Em primeiro lugar porque você estará demonstrando ser um verdadeiro “expert” em culinária. Em segundo porque o danado do peixe que você pediu é difícil de ser encontrado. E é caríssimo, seu preço superando o da lagosta. E os carrascos, normalmente andam duros. E, por fim, porque mesmo que ele o encontre e se disponha  a pagar o absurdo que pedirem por ele, com certeza não saberá prepará-lo.

Aqui é necessário abrir um parêntesis, para acentuar que o haddock é considerado um dos peixes mais saborosos do mundo. Em verdade, nada o iguala em maciez e textura, sua carne adquirindo uma tonalidade dourada em razão da defumação. Seu paladar é soberbo, delicado e inconfundível.

Por isso mesmo, por seu incomparável sabor, todos os “gourmets” são unânimes em afirmar que deve-se evitar, ao cozê-lo, macular sua carne com temperos espúrios de qualquer natureza, empregando-se apenas o sal em homeopática dose.

Mas inegavelmente você deve saber prepará-lo. Quando menos para recusar, nessa hora terrível e aziaga, qualquer heresia culinária que o carrasco de plantão tentar lhe impingir.


Então permita-me acompanhá-lo na sua feitura: procure adquirir o haddock escocês. Em filés altos. Separe algo em torno de pouco menos de meio quilo por comensal (não se assuste – eu efetivamente disse meio quilo). Procure descongelar a peça sem agredi-la deixando-a repousar por uma noite na geladeira.

Parta-a em porções individuais inserindo-as em um recipiente onde colocou leite e creme de leite fresco em parte iguais. Fogo lento. Acompanhe seu leve borbulhar, por quinze a vinte minutos, apenas acrescentando pequena quantidade de sal.

Desligue a chama e não faça mais nada, que o peixe está quase pronto para ser servido. Coloque-o em um prato decorado com algumas batatas salteadas na manteiga e arroz branco. E leve-o a gratinar numa salamandra por alguns minutos até que sua superfície ganhe, ao crepitar, aquele bronzeado característico (se não tiver ou não souber o que é uma salamandra pule este último pedaço da receita ou improvise com um bom forno ligado na mais alta temperatura). Um vinho branco, bem gelado, será a bebida de rigor.

Exija do seu algoz uma mesa e cadeira confortáveis. Relaxe. Já que você nada mais pode fazer para mudar seu destino, prepare-se para degustar uma das mais disputadas iguarias do mundo.

Ordene aos policiais, soldados, testemunhas, demais assistentes e espectadores que permaneçam quietos e em silêncio. Tanto você como o haddock merecem. Parta com delicadeza a posta à sua frente e perceba que a carne, tenra e perfumada, desprega-se em nacos sumarentos irresistíveis. Experimente-a e procure saboreá-la sem pressa de forma a descobrir seu sabor deslumbrante e inesquecível. Com certeza será das melhores recordações que você levará desta vida terrena.

P.S. Ao término destas linhas gostaria de dar-lhe dois conselhos. Primeiro: se você já tiver sido, efetivamente condenado de forma irreversível e estiver encarcerado aguardando apenas a designação da data da execução, de toda conveniência será destruir imediatamente esta crônica ao término de sua leitura.

E, acautelar-se, porque há alguns carrascos que, apesar de jejunos em culinária, sem saber distinguir um haddock grelhado de uma pizza de mussarela, consideram-se verdadeiros peritos em gastronomia. E, ao se aperceberem que esta receita é facílima de fazer, talvez resolvam aventurar-se e atender seu derradeiro pedido.

Segundo: se não for esta a hipótese, lembre-se que se aproximam as festas natalinas e você bem poderia esquecer o lugar comum dos “tenders” e perus festivos, e surpreender a todos com algo verdadeiramente novo e cativante.

Prepare somente uma pequena quantidade, convide apenas os mais íntimos, não se esqueça das entradas – preferencialmente numerosas e abundantes - e, explique a seus convidados que nesta ceia natalina você resolveu brindá-los com algo diferente e especialmente delicioso.

Não se esqueça de informar-lhes também, sem qualquer constrangimento, que o peixe que você está servindo, lamentavelmente é muito caro. Por isso mesmo você não irá permitir a repetição do prato.

E acredite. Não precisa desculpar-se. Diga que você sempre gostou de todos e os ama muito. Mas você não é o Papai Noel. Ele só virá mais tarde.



Tagobar
Enviado por Tagobar em 10/10/2005
Código do texto: T58499

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tagobar
Campinas - São Paulo - Brasil
63 textos (25789 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 11:50)
Tagobar