Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Rolo do Bob

Sabe aqueles dias em que você levanta e parece que alguma coisa está errada? É sempre nesses dias que a inconveniência se faz presente.
Já começou de manhã, quando levei o meu pit poodle para dar uma volta na praça. Sempre levo bolsa de plástico para recolher seus excrementos intestinais e joga-los no lixo. Mas nesse dia ele aprontou. Já tinha feito suas necessidades fisiológicas, eu já tinha recolhido seus restos mortais e colocados no lixo.
Estávamos voltando para casa quando em frente a padaria ele resolveu fazer de novo.
Imagine a cena! Várias pessoas no balcão, na porta, outras passando pela calçada, eu com o meu cão fazendo cocô no meio da multidão, sem a bolsa para recolher a sujeira e com cara de babaca! Ainda bem que a senhora da banca de jornal foi gentil e me ofereceu uma bolsa para eu recolher a caca. Depois disso tomei uma ducha e fui às compras no supermercado.
Estava eu em um dos corredores comparando a textura dos papéis higiênicos, “que aliás todos fazem jus ao seu destino”, quando de repente aparece uma senhora e me diz:  – Ah! Moço! Leva dessa marca aqui! Eu só uso esse! É macio e perfumado!  – Confesso que fiquei meio sem jeito, mas fui olhar a tal marca que ela me indicou. Enfiei o dedo por dentro do plástico, senti uma verdadeira lixa e ainda por cima perfumado.
Imagine se depois de uma defecada alguém vai querer cheirar seu bumbum. O cheiro natural do excremento já é horrível, misturado com o perfume do papel... deve ser o aroma do inferno!
Agradeci à ela e ignorei o tal papel. Ela não se conteve!
– Você não vai levar dessa marca? É boa! Papel higiênico não pode ser muito frágil que fura! Tem que ser reforçado! Imagine você se limpando, o papel fura, você acaba enfiando o dedo!
– Eu comecei a rir, mas por educação fiquei na minha. Resolvi levar uma outra marca porque achei a textura razoável! Bob, era a marca.
Continuei andando pelo corredor e ela querendo esticar a conversa.
– Eu nunca vou passar esse Bob na bunda! Ele é grosseiro! Gosto de coisa boa! Que tenha qualidade e seja perfumado! Nisso vira um cidadão e pergunta:  – Como é minha senhora? Não vai me passar em sua bunda? Quem te deu essa liberdade? Tenha mais respeito comigo!
– Entrei na discussão para tentar explicar ao cidadão que o Bob a que ela se referia, era a marca do meu papel higiênico!
– Ele irritado me respondeu:  – Não! Ela se referiu a minha pessoa! Me chamo Bob! Nunca a vi mais gorda e nem a conheço! Como pode se referir a mim dessa maneira?  – Eu comecei a rir e resolvi deixar a discussão entre os dois. Nessa altura já não dava prá dizer mais nada. Continuei minha caminhada pelos corredores, comprei o que eu queria e fui para o caixa. De repente senti uma mão no meu ombro me cutucando.
Moço! Moço! Olhei para trás, era ela de novo! O que foi dessa vez minha senhora?
– Explica ao Bob, que o Bob que eu não ia passar na bunda, é o seu Bob! Ele se chama Bob e está achando que eu me referi a ele!  – Tentei de novo explicar ao cidadão como a história começou!
Ela, ao invés de ficar quieta retrucava:  – Bob meu querido! Jamais disse que não te passaria em minha bunda!
– Ah! Então a senhora confirma que quer me passar em sua bunda?  – Isso aos gritos e com a torcida da platéia que estava presente na fila.
Enquanto isso foi chegando a minha vez de passar no caixa. Quando olho para o crachá do recebedor, por ironia do destino, também se chamava Bob. De repente ele já se sentiu no meio da discussão.
– Que isso minha senhora? Eu me chamo Bob e fique sabendo que nuca fui e nem vou ser passado na bunda de ninguém muito menos na sua!
– O primeiro Bob tentou acalmar o Bob do caixa dizendo que a briga era com ele. O Bob do caixa chamou o segurança dizendo que a mulher o tinha ofendido. Eu saí de mansinho rindo que não agüentava mais e fui para o estacionamento. Abri a mala e comecei a carregar o carro. Não demorou muito, vem ela de novo.
– Moço! Quando passar o Bob na bunda e ele furar, não se esqueça que eu te avisei! Tinha uma senhora do lado esperando alguém para abrir o carro.  Não deu outra!
– Você está falando comigo? Pois fique sabendo que uso Bob porque trato dos meus cabelos! Não sou como você sua jararaca descabelada. E lugar de Bob é no cabelo e não na bunda. Depois olhou para mim e perguntou:
– E  o senhor?  Está me olhando porque?
– Eu já estava chorando de tanto rir e a tal mulher veio se explicar com a senhora.
– Não minha senhora! Não é nada contigo.  Esse moço que está rindo, comprou um papel higiênico e eu estou dizendo a ele que essa marca Bob não presta. Imagine se vou me limpar com o Bob. Uma outra senhora que passava com um cachorrinho do lado pegou o bonde andando e respondeu:
– Não vai mesmo. Meu cachorro não lambe a bunda de qualquer uma como você!
– Ah! Fala sério! Ninguém merece!


Vincent Benedicto
25/10/2005
 
Vincent Benedicto
Enviado por Vincent Benedicto em 25/10/2005
Código do texto: T63195
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Vincent Benedicto
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
477 textos (144386 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 05:10)
Vincent Benedicto