Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PESCARIA COM MEU AMIGO LUIZÃO.

Vendo o texto que o meu amigo LUIZÃO escreveu sobre pescaria, e como eu nunca peguei nada por aqui desse tamanho,resolvi convidar ele pra vir pescar aqui na nossa região do pantanal sulmatogrossense, pra ver se a sorte mudava.
Ele topou e marcamos um fim de semana aqui no Rio Amambai onde tenho um ranchinho pra passar os fins de semana tranquilo e tentar a sorte com um peixe grande.
Comprei só um carretel de linha e apenas 5 anzóis, já que o rio aqui é grande e contando com a tremenda sorte de meu amigo. Comprei umas iscas e cerveja, carne, carvão não precisa proque o que aqui o que mais tem é lenha pra colocar na churrasqueira. Pegamos o bote cedinho e lá fomos nós pra ceva que fica uns 5 minutos de barco abaixo. Chegando lá, preparei o caniço e botei logo na água. Mal acabei de colocar, puxou aquilo com vara e tudo e afundou a ponta da danada na água e lá foi eu pra fisgada. Pensei "Num é que o homem dá sorte mesmo?".
Bom.....foi uma luta tremenda, eu puxava pra cima e o peixe puxava pra baixo, eu pra cima e ele pra baixo. Meu braço começou a doer e tive que pedir auxilio de meu amigo Luizão que tava do lado.
Juntamos nós dois pra tirar o bicho e não conseguiamos levantar a fera. Ele corria de um lado pro outro do Rio e fomos cançando, cançando, os dois e foi quando meu amigo Luizão teve uma idéia.
Falou: Vamos amarrar ele curtinho aqui na proa do barco e saimos la na margem e tentamos puxa-lo pra fora.
Dito e feito. Fizemos isso. Caramba...pra que. Nem conseguiamos mexer com o barco. TEntamos amarrar numa árvore fazendo-a de alavanca e ..................nada.
Fomos cançando, cançando cada vez mais e ja era de tardezinha e nada do bicho mostrar a cara. E nada da linha quebrar.....ooooo linha boooooa sô.
Quando ja não sabíamos mais o que fazer, eu tive uma idéia. Falei pro meu amigo Luizão: Fique aqui segurando que vou lá na sede da fazenda pegar um trator.
Dito e feito.....corri lá e preocupado com meu amigo que ficou segurando a corda.....peguei o trator e desci ribanceira abaixo pra puxar o bicho.
Cheguei la e amarrei a corda no trator com barco e tudo e meti o pé numa reduzida em terceira, o trator urrava, patinava e nada do peixe sair.
Pois acreditem..........hoje nesse local tem uma curva no rio que não tinha antes. Foi de tanto puxar o peixe que o rio entortou e ainda por cima arrancou a roda do trator que ta lá até hoje pra quem quiser ver.
A pé resolvemos subir pro rancho de novo ja exaustos quando vimos se debater na margem do rio advinha quem??????
Um jaú de uns 150 kilos mais ou menos com nosso anzol na boca e um pedaço do barco arrastando na margem.
De tão cançado ele caiu exausto e nós pra não deixa-lo sozinho, deitamos ao seu lado pra tambem descançar.


Depois dessa........uma cerveja bem geladinha.


Abraço LUIZÃO.


O Luta dificír sô.

Magrao
Enviado por Magrao em 09/10/2007
Código do texto: T687329

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Magrao
Caarapó - Mato Grosso do Sul - Brasil, 54 anos
132 textos (12347 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/08/17 02:07)
Magrao