Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pérolas do Cotidiano - A grande comitiva.

PÉROLAS DO COTIDIANO

* Paulo Guiné – 20/10/2007 *

A Grande Comitiva

          O que denunciou a chegada triunfal de um séquito do arco da velha foram os fogos de artifício que espoucavam com grande estrépito, ferindo as retinas e os tímpanos dos três cavalheiros — todos de boa cepa —, que ocupavam a mesa quatro do famoso Bar do Luiz, sagrado ponto de encontro de desocupados apreciadores de uma boa birita.  Mário, Heitor e o cronista ficaram espantados com a pompa de que se revestia a faustosa comitiva. Para dizer a verdade, estavam, literalmente, boquiabertos.  Uma mosca, das muitas que freqüentam o ambiente, até se aproveitou do fato, adentrando, lépida e sem qualquer cerimônia, na garganta de Heitor que, em conseqüência, devolveu metade do conhaque que já havia agasalhado até àquela altura dos acontecimentos.

                      Mário e o cronista saltaram de banda para evitar o chafariz alcoólico que se formou no ato.  Um frenesi indescritível percorreu os ossos e os nervos dos demais freqüentadores do nobre estabelecimento. Até o dono do bar teve uns tremeliques,  fascinado que estava com o espetáculo que se avizinhava.  A que se deveria a formação daquele luxuoso cortejo que evoluía cheio de graça, deixando o coração dos presentes prenhe de emoções ?

                      O séquito era aberto por tocadores de pífanos, por bacamarteiros e por ceramistas, dando a entender, numa análise apressada, tratar-se de acontecimento ligado às coisas do nordeste.  Tratava-se,  por acaso, de alguma homenagem à figura do Grande Mestre Vitalino ?

                      A dúvida foi prontamente desfeita porque, logo a seguir, surgiu um naipe de gaiteiros — todos trajando elegantes bombachas.  Por isso, chegou-se a pensar que a comitiva tinha tudo a ver, seguramente, com os nossos irmãos do sul.  Mas a Escola de Samba que evoluía na seqüência deixou todos com a pulga atrás das orelha (ou melhor, com a mosca).  Então era coisa de carioca ?  Ninguém sabia explicar.

                      Fechando aquela procissão de luxo, uma jamanta, ornada de fitas multicores, carregava em sua carroceria uma reluzente Ferrari vermelha, ano 76. A riquíssima  viatura ostentava uma pintura perolada, alvo dos maiores elogios por parte de todos.

                      O cronista olhou para os seus pares e falou:

                      —  Essa Ferrari é parecida com aquela que vimos há três meses atrás no ferro velho.  O dono da tralha é o nosso dileto Amigo Rochinha.  Lembram ?  Mas aquela estava caindo aos pedaços, contrastando a olhos vistos com essa beleza que está desfilando em cima da jamanta.  Por outro lado, o Rochinha está mais duro do que pão dormido há duas semanas.  Ele não teria bala na agulha para promover transformação de tal monta.

                      —  Por falar em Rochinha, retrucou Mário, aí vem a peça !  Vamos ver o que ele tem a dizer a respeito.

                      —  Fala, Rochinha !   Disse Heitor.  Esclareça-nos uma dúvida.  Essa é aquela Ferrari que estamos pensando, de sua propriedade ?

                      —  É.  Respondeu o interlocutor.  Mandei dar uma “guaribada” na lataria, antes de colocá-la à venda.

                      — Mas precisava todo esse aparato para a consecução desse mister ?  Interveio Luiz, o dono da birosca.  Essa “baratinha” não podia vir rodando por si própria ?  Qual o porquê de toda essa frescura ?  E a jamanta ?  Você não exagerou na dose ?

                      —  Claro que precisava !  Esclareceu Rochinha.  Todo esse jogo de cena é para desviar a atenção dos guardas de trânsito.  O carro ainda está com placa amarela, daquelas antigas, já fora de circulação.  Do jeito que ele está sendo levado lá para casa, dá para confundi-lo com uma alegoria.  E a jamanta é imprescindível.  Para consertar a lataria, tive que vender o motor e a caixa de câmbio.  Não espalhem !

                      O cronista gostou da idéia e pensou em fazer algo semelhante.  Desistiu. Só o aluguel da jamanta supera, em muito, o valor de sua “condução”: uma imponente Fiat Oggi, mais antiga do que o rascunho da Bíblia.


                                                            # # # # # # # #

Paulo Guiné
Enviado por Paulo Guiné em 20/10/2007
Código do texto: T701957

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Guiné
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil, 74 anos
22 textos (1258 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 16:33)