Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O CASAMENTO DA PESCADINHA

No fundo do mar reinava grande alegria. Era o dia do casamento da Pescadinha com a velha Pescada Macho, apelidada de “Pescadão”.
A mãe da noiva corria pra lá e pra cá dando ordens, pois queria que o casamento de sua filha fosse o maior acontecimento de todos os tempos. Queria que esse evento fosse lembrado por muitos e muito anos. Para isso exigia perfeição nos serviços dos garçons, três elegantes golfinhos, três garçonetes, as trigêmeas filhas do Peixe Galo e do maitre, o gentil Robalo. Verificou a orquestra formada pelos Camarões dos mares da Espanha, que tinha como regente o competente Peixe Palhaço, que já estava nervoso com o atraso do seu primeiro violinista, o Peixe Boi. A cantora, dona Arraia, ensaiava a Marcha Nupcial. A carruagem, que conduziria a noiva à capela, seria levada pelo veloz Peixe Voador para que não houvesse atraso da cerimônia.
E a noiva? Como estaria? Feliz? Não. A pobrezinha sofria muito, pois já estava chegando a hora do sacrifício. Pensou em fugir. Desistiu porque sabia que sua mãe mandaria o exército de Lulas atrás dela. Pensou no seu amado, o Peixe Bagre. Chorou muito. Ouviu a mãe chamar.
- Pescadinha, filha, você já está atrasada. Vista-se rápido, peixinha!
- Já estou indo... - Respondeu tristonha lembrando o dia que sua mãe descobriu o seu namoro com o Peixe Bagre. Foi um escândalo.
- Como pode você, minha filha, namorar um peixe sem eira nem beira, um pobretão que não tem nem uma toca pra morar! Eu não vou permitir. Você vai namorar o senhor Pescadão que é um peixe muito rico.
Do outro lado do mar, na sua toca simples, mas limpinha, estava o Peixe Bagre chorando. Foi quando chegou o senhor Lagosta.
- Como é companheiro! Vai entregar o ouro sem lutar? Vamos, meu rapaz, coragem! Levanta a cabeça e parte pra luta. Vamos buscar aquela peixinha danada de bonita. – o Bagre perguntou.
- Como posso fazer isso? Ela está se casando...
- Ora meu, é fácil!
- Como?
- Vamos falar com o mestre Peixe Elétrico, meu amigão. Vamos pedir que elabore um plano para tirar a sua amada dessa roubada.
Partiram em direção a casa do Peixe Elétrico. Chegaram, bateram o peixe atendeu e os mandou entrar. Sentaram, contaram a história e quando terminaram o Peixe Elétrico disse:

- Bem amigos, é o seguinte: eu chego à capela e começo a distribuir choques para todos os lados. A peixarada nadará em disparada, com medo, aí vocês aproveitam para pegar a noiva. Tem de ser rápido antes que chamem a polícia.
- Será que vai dar certo? – questiona o Peixe Bagre.
- Deixa de ser burro cara, com o meu amigo Peixe Elétrico não tem erro.
- Relaxa Bagre!
Partiram os três rumo à aventura. Chegaram. A noiva estava entrando rumo ao altar enfeitado com algas marinhas verdes. Dona Arraia cantava a marcha nupcial:

“Lá vem a noiva
toda de branco
um pé tem sapato
e o outro tamanco”

O Bagre, tremendo, disse ao senhor Lagosta:
- Dê a ordem de ataque. – o senhor Lagosta estufou o peito, tirou seu cornetim debaixo da sua tesoura (equivale a braços) e tocou alto a senha combinada.
- Tararara, tarara, tarara...
O Peixe Elétrico, atento, começou a eletrificar a água da capela. A peixarada nadou em disparada para fugir dos choques. Uns trombando nos outros, os filhotes gritavam muito e a noiva chorava em desespero. O noivo estava paralisado. Neste momento chegou a carruagem feita de cascas de ostra, com uma enorme pérola no teto e que pertencia ao senhor Pescadão. O senhor Lagosta pegou a noiva e a colocou dentro da carruagem, gritando para o Bagre que estava na boléia.
- Avante meu camarada! Eia, eia, eia, eia...
E a carruagem partiu levando o casal de namorados para um lugar, nas regiões abissais, onde ninguém os encontraria. Lá eles vivem felizes até hoje.
(histórias que contava para o meu neto)
Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 10/04/2005
Reeditado em 21/04/2011
Código do texto: T10578

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Hilda de Jesus Alão
Santos - São Paulo - Brasil
848 textos (343193 leituras)
19 áudios (10580 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 17:58)
Maria Hilda de Jesus Alão