Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Poema dos Insetos.

POEMA DOS INSETOS

Lucas Durand

1.

Zum, zum, zum, zum

Ninguém me pega

Ninguém me toca

De noite te furo

De dia na toca

É noite sem sono

Eu mordo e escondo

Zunido atrevido

Bem no seu ouvido

Na casa ou palhoça

É picada que coça

É calombo que brota

Atacamos em frota

Todo o idiota

Que não põe repelente

Que espanta a gente

Seu pão duro, marmota

Sovina, coroca

Palhaço, paçoca

Por isso te pica

Esta muriçoca!


2.

Zum, zum, zum, zum

Fabrico bom doce

E pra você trouxe

Do mundo o melhor

Meu doce é mais doce

Da planta, da flor

Nela vou buscar

O meu néctar

E o mel fabricar

Pra doenças curar

Pra você alimentar

Mas se me tocar

Se me perturbar

Se tentar me pegar

Vou te ferroar

E lhe atacar

Depois vai inchar

Preciso trabalhar

Vê se em mim se espelha

Eu vou fazer mel

Pois sou uma abelha!


3.

Zum, zum, zum, zum

Sou meio asqueroso

Sou interessante

Meu vôo é rasante

Da terra amante

Seu pé me esmaga

Mas não me confunda

Com jabuticaba

Eu não dou patada

Posso estar na salada

Ou no pé de goiaba

Não sou caramujo

Mas ando só sujo

De mim ninguém gosta

Pois vivo na bosta

Não sou um estouro

E nem da cor de ouro

Nem branco nem louro

Nem feito de couro

Nem sou um calouro

Eu sou um besouro!


4.

Zum, zum, zum, zum

Sou pequenininha

Eu me acho lindinha

E sou tão miudinha

Eu faço cosquinha

Eu gosto de pêlo

Detesto o gelo

Estou no camelo

No cão do teu zelo

Até no seu cabelo

Ando saltitante

Dou pulinho constante

Sou quase invisível

É quase impossível

Ver esta coisinha

Tão engraçadinha

Meio nogentinha

Na sua caminha

Cheirosa e limpinha

Ali escondidinha

Esta fofa pulguinha!


5.

Zum, zum, zum, zum

Em todo o planeta

Não há uma sarjeta

Que eu não me meta

Sou muito careta

Bastante espoleta

E muito vulgar

Não há um lugar

Que não vejo falar

E até mesmo odiar

Quando chego a voar

Pois vou logo pousar

Em qualquer lugar

E tentar me tocar

Não vai adiantar

Pois eu vou voltar

Não importa seu grito

Nem pobre nem rico

Sou muito raquítico

Pequeno e esquisito

Sou um ágil mosquito!


6.

Zum, zum, zum, zum

Não durmo de touca

Estou no guarda-roupa

Nas vestes e na colcha

Sou pequeno faceiro

Estou no travesseiro

No quarto inteiro

Até no terreiro

Eu sou traiçoeiro

Camuflo ligeiro

Sou muito matreiro

Eu mordo e não mato

Pareço um carrapato

Sou pequeno de fato

Não sou benfazejo

Não me vê e te vejo

Não gosto de queijo

E nem cacarejo

Não sou caranguejo

Tenho ginga e molejo

Pois sou um percevejo!


7.

Zum, zum, zum, zum

Sou trabalhadeira

Pequenina e faceira

Posso ser doceira

Às vezes cortadeira

Só ando em fila

Como procissão

Sempre estou no chão

Moro lá no porão

Corto o seu jardim

É comida pra mim

Eu subo na mesa

Pra comer sobremesa

Eu sei que irrito

Não importa seu grito

Lá vou eu e meu bando

Tudo carregando

E você nem liga

Sou muito atrevida

E não se faça de amiga

Desta pobre formiga!


8.

Zum, zum, zum, zum

Sou meio redondinho

Não sou bonitinho

Onde pico há calombo

No boi vivo no lombo

No cachorro também

Se você a mim vem

Tu me levas pra casa

Eu não tenho asa

Tenho as pernas pequenas

Eu não tenho antenas

Cabeça miúda

Que nunca desgruda

Quando mordo de fato

O sangue é meu prato

E se me arrancar

No local vai coçar

Você foi lá no mato

Eu vim pro seu quarto

Seu bobo e chato

Eu sou um carrapato!


9.

Zum, zum, zum, zum

A mulher se irrita

Ao me ver ela grita

Fica um espanto

Ao me ver lá no canto

Apronta alarido

E chama o marido

Que vem com o sapato

Pensando que é rato

Rastejo e ligeira

Pelos cantos da casa

Tenho antena e asa

Só vôo baixinho

Saio de fininho

Escondo na fresta

Pois eu não sou besta

De ser esmagada

Odeio chinelada

Que de mim vem à cata

E está atrás da lata

Esta esperta barata.


10.

Zum, zum, zum, zum,

Eu poso em tudo

Você fica sisudo

Sujo a comida

Na mesa servida

Sou muito ligeira

Gosto de sujeira

Se a casa está limpa

Cheirando a tinta

Eu não apareço

Por que não tem resto

Jogados no chão

Eu vou pro lixão

E comigo um montão

Se não quiser me ver

Não deixe de ter

Tudo bem limpinho

Bem arrumadinho

Cubra o doce e a rosca

Que lá vai voando

Esta charmosa mosca!

Fim.

Lucas Durand
Enviado por Lucas Durand em 02/03/2006
Reeditado em 08/10/2010
Código do texto: T117562
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Lucas Durand
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
491 textos (377307 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:42)
Lucas Durand