Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COELHINO, EM VIAGEM AO SOL.

Welington Almeida Pinto

HAVIA, NO TEMPO em que os bichos falavam, um coelho extraordinariamente inteligente que vivia feliz na região da Serra da Canastra, bem próxima à nascente do rio São Francisco. Como era um coelho que compunha versos ficou conhecido na região por Coelhino Trovador.
Em dias em que o sol dava sinais que ia brilhar no céu, despertava bem cedinho com um poema na ponta da língua:
"Vem, Sol amado,
a Terra iluminar e aquecer.
seus raios quentes e cromados
Fazem a vida bem melhor para viver."
Certo dia, Coelhino acorda louco para ver o Sol bem de perto. Escolhe o lugar mais alto da Serra da Canastra e parte animado para lá. Depois de saltitar horas e horas sem parar, pelos campos floridos do chapadão, de tão cansado e a visão baralhando tudo à sua frente, tropeça numa raiz exposta de um pé de Araticum, bate com a cabeça numa pedra e cai desacordado. Pobre coelho!... Começa a delirar... sonhando que ia mesmo ao encontro do astro dourado. Mas, em vez de saltar, voava que nem foguete, de tão veloz. Ao se aproximar, cumprimenta o astro-rei todo sorridente:
- Olá, amigo Sol!
- Olá, amigo Coelhino.
- Que bom vê-lo tão de perto!
- Também estou contente com sua visita.
- Gosto muito do morninho que nos manda quase todo dia!
- É minha função. Levo energia e calor para as criaturas da Terra.
- Só não gosto quando fica muito tempo sem aparecer, principalmente porque chove muito.
- Não gosta das chuvas? Não gosta de água?
- Bem!... Tenho medo de morrer afogado. Por isso é que torço para ter mais sol e menos chuva.
- Impossível. A chuva é tão importante para vida na Terra como meus raios.
- Ah, é?... Gosto de água, sim. Mas, acho que muita água atrapalha a vida dos bichos.
- Até acredito. Porém, água nunca é demais. Sem ela não há vida, a terra não pode florir. Pelo que vejo, pouco sabe sobre as águas das chuvas!
- Acertou. Sei quase nada.
- São as nuvens que produzem as chuvas – adianta o Sol.
- É mesmo. Gosto de olhar as nuvens para ver as figuras que formam.
- Elas são muito mais do que isso. São flocos flutuantes de gelo que servem para regar e controlar a energia que entra e sai da Terra.
- Nem imaginava tanta importância.
- Sabe como elas são formadas?
- Bem...
- Eu explico: através da transpiração dos vegetais e da evaporação dos rios, mares e lagos. A umidade passa do estado gasoso para líquido, congela, e forma nuvens.
- E chuvas? – quis saber o coelho.
- Chuvas!... Ah, é simples. Com a força da gravidade os cristais de gelo se precipitam para Terra. Na queda, se derretem transformando em milhões e milhões de gotas de água para formar essa cortina líquida que se vê da Terra.
Coelhino sorria com cara de quem estava entendendo tudo.
- Santo Deus!... Então aqui em cima flutua um oceano de gelo?
- Isso mesmo!
- Não tem perigo de despencar tudo de uma vez só?
- Jamais. Controlo tudo numa boa.
- Quando chove quadradinhos de gelo não é um sinal que pode cair um blocão inteiro?
- Não. Você está falando da chuva de granizo. Acontece quando gotinhas de água se congelam novamente ao atravessar uma camada de ar frio.
- Vez ou outra cai uma chuva assim no chapadão. Não tem diversão mais gostosa do que ficar lambendo o gelo que vem do céu.
- Das nuvens.
- Ah, é. E aquela chuvinha teimosa que cai dias sem parar, tem nome?
- Tem. Chuva Criadeira. Para molhar bem o solo e as plantas crescerem viçosas.
- Tem mais?
- Sim. Anote aí: Ciclonal, Convecção, Relevo e Artificial. Essa o bicho-homem provoca por meios científicos.
- Nossa! Que chuvarada! – espanta Coelhino.
- Bom, não é? Mas, para o sucesso do ciclo da água a ajuda dos terráqueos é muito importante, principalmente do ser humano.
- Como assim?
- Ele precisa parar de agredir a Natureza, isto é: não destruir florestas. Não remover montanhas. Não desviar rios. Não poluir águas potáveis. Não contaminar o ar.
- Cruz-credo!... Uma coisa eu garanto, bicho não faz nada contra a Natureza.
O Sol franze o carão:
- Huuummm!... Eu sei. O bicho-homem é que mexe e vira esta destruindo a Natureza. Sabe de uma coisa? Todo dia, ele despeja na minha cara toneladas e toneladas de gases nocivos à camada de ozônio que protege o planeta.
- Repito, os bichos não têm culpa.
- Sei disso. Pura estupidez do bicho-homem!... - adverte o astro-rei, recolhendo um pouco os raios.
E continua:
- O homem moderno usa cada dia mais objetos descartáveis. O Pior é que são feitos de plásticos. Depois, joga tudo no lixo que, na maioria das vezes, vai direto para o leito dos rios.
- É por isso que meus parentes que moram nas grandes cidades, vivem dizendo que os rios estão sempre mais rasos, sujos e malcheirosos.
- Iche!.... exclama o Sol.
- Mas, tenho uma boa notícia. Cada dia cresce o número de pessoas imitando a ação dos bichos, isto é, preocupadas em proteger a Natureza. Não vê que as águas do São Francisco, no trecho da nascente, é tão limpinha que dá para ver os lambaris nadando no fundo do rio.
O Sol, mais calmo, expande os raios:
- Melhor assim. Mas, na Terra ainda destroem mais do que preservam.
- Uma pena!
- Apesar de tudo, tenho especial carinho pela Terra. Enquanto puder, trabalharei para manter vida na Terra, garantindo outro energia muito importante.
- E qual é essa energia?
- A fotossíntese.
- Foto o quê? – surpreende-se Coelhino.
- Fotossíntese. O processo de converter energia luminosa em energia química para alimentar as plantas.
- Que legal!... Então as plantas se alimentam de sol?
- Também.
- E como se dá a fotossíntese?
- Pela reação de três elementos: clorofila, água e gás carbônico.
- Aprendi mais uma...
- Enquanto depender de meus raios terá bastante chuva para você comer folhinhas tenras de capim bem nutrido.
Coelhino levanta as orelhas e suspira:
- Assim fico mais sossegado.
E conclui:
- Então, você é o dono da vida! ...
- Sou dono da luz, do calor e da energia para garantir a vida na Terra, o único planeta dos que orbitam em torno de mim, que tem esse privilégio.
- Ufa!... Que aula!
- Daí por diante, as coisas vão se transformando de acordo com as Leis da Natureza e a inteligência dos homens - completa o Sol, cheio de si.
- Acho que o bicho-homem tem muito que aprender com os bichos, não acha?
- Tenho certeza! Não fique chateado com minha ausência nos dias em que o céu parece estar forrado de camadas de algodão sujo. Nesses dias, estarei jogando os raios em outra região da Terra, para que o ciclo não se interrompa.
- Sabe de uma coisa, preferia sol e chuva ao mesmo tempo.
- Espertinho!... Faço isso no casamento da viúva, como forma de simbolizar o renascimento da fertilidade. Mas, em homenagem ao meu amigo, vez ou outra, vou enviar para a Terra chuva e sol ao mesmo tempo.
- Nossa!... Isso me deixa mais alegre.
- Você é um coelho sabido. Quero agradecer os poemas que recita para mim.
- Uai!... Dá para escutar?
Quando o Sol ia responder, Coelhino recobre os sentidos. O pelo eriçado, ainda sonolento, pensa que nunca sonhou nada parecido. Meio zonzo, meio espantado, fica de pé sobre as patinhas traseiras, protege os olhos com a pata dianteira e, com a outra, dá um longo adeus ao amigo Sol, pronto para se pôr. E recita outro versinho:


"Adeus Sol querido,
volte amanhã a terra aquecer
E embeleze mais ainda a Canastra
Onde o verde, que é bom, sempre vai ter."

O astro-rei até parece que ouviu. No mesmo instante abriu um sorriso brilhante, espalhando raios para todo canto. Coelhino arredonda mais ainda os olhos, exaltado:
- Trem de doido!
Esquece a dor no cocuruto e parte saltitante de volta para casa.



Conquistando a Linguagem
Compreensão do texto

Numa folha anexa:

1) Desenhe o sol:
2) Reescreva o trecho em que Coelhino caiu, perdeu os sentidos e começou a sonhar, de acordo com sua imaginação.
3) Qual a importância do sol para a vegetação?
4) E para as espécies animais, o sol também é importante?
5) Vamos fazer duas pesquisas. Uma sobre sol e outra sobre família dos Oryctolagus Cuniculus (coelhos).
6) Você conhece outro poema ou letra de música que fale sobre sol? Qual?

Para a Professora:
Reflexão: A Terra insultada, vinga-se dando flores. (Tagore)

* Motivação: Converse com os alunos sobre Poesia. Fale da forma sensível com que é descrito o sentimento. Faça a classe recitar, em coro, os versos do texto.

* Educação Ambiental: Explique a importância do Sistema Solar. Fale mais sobre as chuvas, sobre a importância da reciclagem de papel, plástico, mineral e vidro. Ensine maneiras de respeitar e contribuir com o meio ambiente. Pesquise com os alunos quanto tempo, o plástico e outros tipos de materiais ,levam para se decompor quando jogados no lixo.

Para saber mais:

Informações Técnicas:

Chuva Ciclonal - características das áreas de baixa pressão em virtude da constante ascensão das massas de ar.
Chuva de Convecção - oriunda do movimento ascendente diurno das massas de ar, freqüente na região equatorial e nas montanhas.
Chuva de Relevo - típica das encostas das montanhas ou escarpas de planaltos, por causa da mais baixa temperatura reinante nos trechos de maiores altitudes.
Chuva Criadeira - aquela constante que todo fazendeiro adora, pois molha bem a terra para as plantações.
Chuva Artificial - resultante da projeção, numa nuvem, de substâncias como iodeto de prata e o cloreto de cálcio, capazes de promover a multiplicação de cristais de gelo ou a solidificação de gotas de água evaporadas.

* FBN© 2004 * COELHINO, EM VIAGEM AO SOL/Categoria: Conto Infantil – © Welington Almeida Pinto - Texto revisado para substituir o da publicação como o mesmo nome – Edições Brasileiras

** PCNs: história de acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ministério da Educação, certificada pela Diretoria de Desenvolvimento da Educação Infantil e Fundamental da Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais, conforme ofício nº 39/02, de 22 de janeiro de 2002 *.

GÊNERO: aventura científica.

TEMAS TRANSVERSAIS: ética: relacionamento de animais e a natureza * Geografia e Ciências: espécies animais e vegetais do Brasil – região da serra da Canastra – fenômenos da natureza, reciclagem de materiais.

i.PÁGINAS:

* Biográfico:
www.welingtonpinto.blogspot.com
www.welingtonpinto.kit.net

* POESIA:
www.palavrascomarte.blogspot.com

* CONTOS INFANTIS:
www.mundodacrianca.blogspot.com

* CONTOS & CRÕNICAS:
www.casadoscontos.blogspot.com
 www..contosparaeros.blogspot.com

* EDUCAÇÃO:
www.educacaoemfoco.blogspot.com

* SAÚDE BUCAL INFANTIL:
 www.infanciasorridente.blogspot.com

* ESCOLA LEGAL/Teatro infantil:
www.teatronaescola.blogspot.com


* LIVROS DISPONÍVEIS NA WEB

* O MÁGICO DE OZ:
www.omagicodeoz.blogspot.com - www.ieditora.com.br

* SANTOS-DUMONT, NO CORAÇÃO DA HUMANIDADE:
 www.paidaaviacao.blogspot.com

* A SAGA DO PAU-BRASIL(história):
www.asagadopaubrasil.blogspot.com


LEGISLAÇÃO FEDERAL DO BRASIL

* O CONDOMINIO E SUAS LEIS:
 www.condominiopredial.blogspot.com
 www.ieditora.com.br
 www.legislacaobrasileira.kit.net/condominio

* EMPREGADA DOMÉSTICA:
www.empregadodomestico.blogspot.com
www.ieditora.com.br
 www.legislacaobrasileira.kit.net/empregadadomestica

* ASSÉDIO SEXUAL NO LOCAL DE TRABALHO:
www.assediosexual.blogspot.com
www.ieditora.com.br
 www.legislacaobrasileira.kit.net/assediosexual

* CÓDIGO DO CONSUMIDOR:
www.codigodoconsumidor.blogspot.com
www.ieditora.com.br
 www.legislacaobrasileira.kit.net/consumidor

* LEI DO LIVRO
www.leidolivro.blogspot.com

E-mails:
welingtonpinto@yahoo.com.br
welingtonpinto@oi.com.br
Welington Almeida Pinto
Enviado por Welington Almeida Pinto em 08/05/2005
Reeditado em 17/05/2005
Código do texto: T15564
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Welington Almeida Pinto
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil, 67 anos
31 textos (104059 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 10:29)
Welington Almeida Pinto