Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

NINI E AS CHUVAS DE MARÇO


Desde que tivera a ajuda dos meninos-morcegos, a vida da Joaninha Nini, mudara completamente.
Antes do ocorrido, fora um pequeno ser sem gosto por viver.Nascera sem bolinhas na sua carapaça. Foram Zico e Zica que lhe devolveram a felicidade ao colarem confetes vermelhos as suas asas.
Os morceguinhos tinham desaparecido.Nini ouvira falar que tinham desmanchado o velho casebre.Ela ficara triste, pois ambos tinham mostrado-se verdadeiros amigos para ela.
Na vida, como na natureza, existem seres das mais variadas espécies, com os mais diferentes tipos de sentimentos.
No jardim, onde vivia a nossa joaninha, quase todos já tinham percebido que suas bolinhas não eram naturais.Afinal, não existem joaninhas pretas com bolinhas vermelhas.Mas como ela, mostrava-se feliz, muito feliz assim, todos os animais fizeram um pacto de silêncio e nada disseram a ela.
Passaram-se os dias e Nini era só felicidade.Cantava lindas canções, voava de flor em flor exibindo sua nova roupagem.
Março chegou e com ele mais alguém apareceu de mudanças para o jardim – Zuzu, uma joaninha muita exibida e cheia de si.Tinha uma bela carapaça vermelha com exuberantes bolinhas pretas.
Samuel, um grilo muito amigo de Nini, foi o primeiro que viu a nova moradora do jardim.
_ Boa tarde! – disse ele _ Tu és nova por aqui?
Zuzu mediu o grilo dos pés à cabeça com o olhar.Como uma criatura tão feia dignava-se lhe dirigir a palavra.
_ Quem tu és, criatura feiosa? – resmungou ela.
Samuel levou um susto, nunca fora tratado daquele jeito, mas mesmo assim, mostrou sua educação.
_ Senhora Joaninha, eu sou Samuel! Eu estou sendo educado e quero dar-lhe as boas vindas ao nosso jardim!
_ Criatura feiosa! Eu não preciso da sua atenção! Sou Zuzu, a joaninha mais linda do mundo.Todos admiram a beleza da minha cor a das minhas bolinhas. Não há ninguém mais bonita do que eu!
Samuel deu ás costas e saiu.Nunca vira uma criatura tão petulante.Pensou em Nini.Como as duas eram tão diferentes! Esta Zuzu poderia fazer mal a sua boa amiga.
Zuzu instalou-se sob um pé de roseira.Era a flor ideal para servir-lhe de morada, pois as rosas eram tão belas quanto ela.
Dias depois. Nini voava tranqüilamente, quando viu a figura de Zuzu próxima à roseira. Desceu até ela e de pronto, encantou-se com aquela exuberante figura.
Zuzu, ao contrário, ao avistar Nini, desmanchou-se numa risada sarcástica.
_ O que és tu, criatura esdrúxula?
_ Eu sou a Joaninha Nini? – respondeu, humildemente.
_ Joaninha? Não sejas ridícula! Onde já se viu uma joaninha preta com bolinhas vermelhas.Tu és uma aberração da natureza!
Após dizer, estas duras palavras, Zuzu, afastou-se voando.
Nini ficou paralisada, sentia-se em estado de choque. Como uma criatura tão bonita como Zuzu poderia ter dito aquilo. Ela sabia que suas bolinhas não eram verdadeiras, mas sentia-se feliz com elas...Bolinhas vermelhas...Bolinhas pretas...Afinal, como era ser uma joaninha de verdade?
Com o coração cheio de tristeza, Nini pôs-se em direção da casa de Samuel.Seus olhos estavam marejados de lágrimas.
_ O que houve, Nini? Por que tanta triste?
_ Eu encontrei uma linda joaninha...
_ Já sei! A tal Zuzu, aquela que é bonita, mas perversa. O que ela disse a ti?
_ Eu sou uma aberração da natureza! Não existem joaninhas pretas com bolinhas vermelhas!
Nini chorou, chorou cada vez mais.Samuel esperou que ela se acalmasse e depois lhe falou:
_ Escute, Nini! Tu és uma joaninha muito boa, amiga de todos. Nós gostamos muito de ti, assim do jeito que és!
_ Mas eu não tenho carapaça vermelha e bolinhas pretas!
_ Isto não importa! Tu és feliz da maneira que és!Sempre acompanhamos a tua vida. Eras tristes até o dia que aqueles morceguinhos colocaram em ti as bolinhas de confete.Hoje, és alegre e assim que deves ser! Não importa o que os outros dizem.
_ Tens razão, Samuel! Devo fazer ouvido mouco a essa tal Zuzu. Obrigada, meu amigo!
Assim, a Joaninha Nini, voltou para sua casinha sob a folha de Monstera.
Estamos no mês de março, época de muitas chuvas.
Os moradores do jardim resolveram fazer uma festa ao ar livre.Todos foram convidados, até mesmo Zuzu, que resolveu aceitar. Andava sentindo-se uma tanto entediada. Era muito chato ser linda, lustrosa e brilhante.
A festa corria maravilhosa, muita música, muita comida, muita dança. A animação era geral, Zuzu estava, realmente, empolgada... Aqueles feiosos podiam ser divertidos.
Em meio à folia, as águas de março abalaram-se dos céus sobre nossos dançarinos. Foi um corre – corre geral.
De repente, ouve-se uma sonora gargalhada. Era Samuel e Nini.
A chuva caira sobre Zuzu, lavando toda tinta com a qual ela pintara as suas asas.Era um mosaico de vermelho e preto que escorria pelas asas da pretensiosa joaninha - que era tão bela.
Zuzu voou para longe e ninguém nunca mais ouviu falar dela.
Nini continuou sendo uma joaninha feliz e acreditando num velho ditado – “Nem tudo o que reluz é ouro!”.

Denise Severgnini
Enviado por Denise Severgnini em 18/05/2006
Código do texto: T158501

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Denise de Souza Severgnini http://www.denisesevergnini.recantodasletras.com.br) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Denise Severgnini
Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil, 57 anos
11345 textos (916682 leituras)
16 áudios (8882 audições)
311 e-livros (34109 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:29)
Denise Severgnini