Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O BOMBEIRO E O GATO

As férias de julho terminaram. A professora entrou na sala de aula e disse:

- Olá pessoal! Todos estão bem de saúde? Pela carinha de cada um, nem é era preciso perguntar. Agora que a moleza acabou, quero saber se fizeram o trabalho que eu pedi, se eu não estou enganada o nome era: “Minhas férias escolares” – é isso?

Todos responderam que sim, e começaram a tirar da mochila as folhas de papel para entregá-las à professora. No dia seguinte a professora trouxe os trabalhos e disse:

- Bem crianças, cada um de vocês lerá o seu trabalho. Devo dizer que todos estão ótimos, mas quero que a Aninha leia o dela em primeiro lugar e, depois, vocês saberão o porquê.
Aninha ficou em pé, pegou seu trabalho e deu início à leitura. Silêncio total foi o pedido da mestra.

"- Estas férias da escola, eu fui passar na casa da minha avó Maria. Eu nunca tinha ido lá, porque é sempre ela que vem para nossa casa aqui em São Paulo. Eu não conhecia ninguém, mas no primeiro dia eu fiz amizade com o Carlinhos, a Zenaide e o Leôncio.

O Leôncio é o mais novo, ele tem seis anos, eu, o Carlinhos e a Zenaide temos oito anos cada um. Eles me levaram para conhecer as ruas do bairro, a praça com a fonte luminosa e o coreto onde, aos sábados, toca uma bandinha, o jardim botânico, o pequeno zoológico e a ciclovia. Eu adorei tudo porque a gente pode brincar sem medo de ser atropelada.

O mais importante aconteceu três dias depois de eu ter chegado à cidade da minha avó. Eu e meus amiguinhos estávamos no jardim botânico quando ouvimos um miado bem fininho. O Leôncio disse que era miado de gato novinho. Ele sabe por que tem gatos na sua casa.

Então nós decidimos procurar o gatinho no meio das plantas, mas não encontramos nada. De repente ele miou de novo e nós o encontramos, quando olhamos para cima. Ele estava lá no alto de um coqueiro, sentadinho numa das folhas. Nós o incentivamos para que descesse, esfregando um dedo no outro e dizendo chaninho, chaninho. Ele ameaçava e depois recuava de medo. Parecia um tigrinho de listras pretas no pêlo acinzentado. Nós não podíamos fazer nada. Foi aí que o Leôncio disse:


- Vamos chamar os bombeiros!
Eu fiquei pensando: bombeiro é só para apagar incêndio, ele não vai subir no coqueiro para tirar um gatinho. Leôncio insistiu então nós fomos até o quartel dos bombeiros e contamos a história para o soldado que fica na porta. O Carlinhos perguntou se ele podia fazer alguma coisa.


- Bem, menino, nós precisamos falar com o chefe.
Ele nos levou à sala do chefe, um senhor sério, a quem contou a história. A Zenaide, muito preocupada, perguntou se ele podia salvar o gatinho. O chefe deu a ordem, e lá fomos nós no carro dos bombeiros para salvar o gatinho.

Chegamos. Então o bombeiro, que era o motorista, manobrou o carro que tem uma escada que se estica muito. A escada encostou no coqueiro, o bombeiro subiu e trouxe o gatinho tremendo muito, não de frio, mas de medo. A essa altura o jardim botânico estava cheio de gente que bateu muitas palmas para aqueles homens corajosos. Tinha até um poeta que fez uns versos e gritou, de lá do meio do povo:

“Se na mata se perdem do roteiro,
Chamem, chamem o bombeiro.
Ele escala montanha, sobe morro e outeiro,
Arrisca a vida e não é por dinheiro.

É amor, amor de humano valor,
Salvar vida, aliviar a forte dor,
Até pelos animais ele sente amor
E os resgata seja lá de onde for.

O bombeiro sorriu e agradeceu ao poeta. Deu-me o gatinho e disse;

- Menina, missão cumprida!
Ele foi para o carro que partiu de volta para o quartel. O gatinho agora é meu. Minha mãe soube da história e me deixou ficar com ele. O nome dele é Tico, e eu falo pra ele, todo dia, que ele é um gato e não um macaco pra subir em coqueiros."

Quando Aninha terminou de ler seu trabalho, a classe estava de pé aplaudindo. A professora então falou:

- Gente, dia 02 de julho é uma data comemorativa. Embora já tenha passado, nada nos impede de comemorar o “Dia do Bombeiro” a quem devemos tanto.  Estes homens valorosos que arriscam suas vidas para salvar outras merecem todo o nosso respeito, toda a nossa admiração e mais empenho das autoridades para melhorar sua condição de vida e de trabalho. Foi por isso que eu pedi que a Aninha lesse o seu trabalho antes de qualquer um outro. Um viva aos valorosos soldados do fogo.


- VIVA O CORPO DE BOMBEIROS DO BRASIL!!!!!

Gritou a classe em uníssono.

01/07/06.
Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 01/07/2006
Reeditado em 21/04/2011
Código do texto: T185486

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Hilda de Jesus Alão
Santos - São Paulo - Brasil
848 textos (343261 leituras)
19 áudios (10580 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:07)
Maria Hilda de Jesus Alão