Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A história de São Jorge

A história de São Jorge, interpretada e comentada por um menino de cinco anos, após a narrativa de sua mãe.

Jorginho, sempre que lembrava, pedia para sua mãe contar mais uma vez a estória do cavaleiro corajoso, que defendeu uma cidade de um terrível dragão.

Há muito tempo atrás, Jorginho, quando você ainda não era nem sementinha na barriga da mamãe, um forte e bonito rapaz,jovem, filho de um valente general de um exército, ganhou de presente de seu pai, um lindo animal. Um cavalo todo branco. Seu pai deu-lhe o cavalo de presente recomendando que o rapaz o tratasse com todo o carinho e zelo. Que não lhe deixasse faltar bom pasto, boa escovada em seu pelo, colocação de mantas para protegê-lo do frio nas costas, quando chegasse o inverno e também o orientou para que tivesse cuidado especial com as ferraduras e sempre procurasse ferreiros de confiança, que fizessem bom trabalho, para proteger as patas do seu lindo cavalo.

O rapaz achou muito natural todas as recomendações, de seu amado pai. O cavalo era muito lindo. Obedeceu tudo certinho que seu pai lhe falou, e tempos depois ficou surpreso, como o cavalo lhe devolvia em obediência e presteza, seus cuidados e zelo.
O jovem rapaz chamava-se Jorge e resolveu dar um nome ao seu cavalo. Chamou-lhe de Veloz.

Quando se tornou um homem forte e bonito, Jorge resolveu seguir a carreira militar. Alistou-se no exército e lutou por anos seguidos na Palestina, defendendo os ideais políticos de seu tempo. Em nome de Cristo, o Salvador do mundo, lutando junto ao exército de sua pátria, Jorge com muita bravura, conquistou muitos sucessos, sempre montado em seu alazão branco, o VELOZ. Muito sangue foi derramado, muitas batalhas e Jorge sempre invencível.

Voltou para sua terra, uma tarde enquanto preparava-se para um passeio perto da floresta, ouviu o roncar de um trovão no céu. E logo depois um imenso clarão desceu das nuvens, brilhando e cegando o corajoso Jorge, que colocou seu escudo, para defender-se diante de tão forte luz. Parecia que mil sóis tinham descido a terra...

Jorge muito assustado, apesar de sua coragem, não se deixou abater ficou abaixado protegido por seu escudo, tentando enxergar naquela luz.

Só ouviu uma forte e poderosa voz que parecia vir do Céu,a dizer-lhe: A partir de hoje
Serás o cavaleiro de Deus, defenderás os fracos e oprimidos e obedecerás somente a um Senhor, o Cristo que morreu cricificado.

Após esta visão Jorge não foi mais o mesmo, e ele e seu cavalo tornaram-se dois aliados inseparaáveis para combater o mal.

Um dia em um país distante, Jorge teve conhecimento de que um grande dragão, ameaçava todos naquele reino, e os habitantes daquele lugar só teriam paz quando o dragão fosse morto.

Mamãe esta é a parte da história que eu mais gosto. Mamãe quando eu crescer vou ficar forte como o São Jorge? Quero destruir todos os dragões que encontrar e combater sempre o mal.

A mãe já andava meio cansada de repetir a mesma estória todos os dias. Ela falou é preciso mais do que seguir o exemplo de São Jorge para acabar com muitos dragões, você precisa primeiro aprender a ler, escrever e também conhecer o evangelho, que é a palavra de salvação que nosso Senhor Jesus, nos deixou, e também receber Jesus em comunhão.

Desde aquele dia com a resposta de sua mãe, Jorginho, não pediu mais para ela repetir a história de São Jorge e um dia a mãe curiosa perguntou-lhe: Você não admira mais São Jorge? O menino respondeu:  Não posso admirar, um homem só porque matou um dragão e salvou uma cidade, mas ele fazia parte do exercito de Cristo, o mesmo que vive preso, crucificado em uma cruz, e que as pessoas se reúnem numa festa esquisita e querem comer seu corpo. Não mãe, muito obrigado, prefiro ser do meu jeito, não sou nenhum leão para comer e engolir Jesus e beber o sangue dele. Para mim, comer e beber o sangue do filho do Papai do Céu, é uma coisa muito má. Guardo Jesus no coração e não quero ser nenhum santo, que come e bebe sangue de Deus.

Obs.:  A construção deste texto partiu de uma experiência pessoal com um menino de cinco anos, que em sua interpretação infantil, soltou seu conceito a respeito da estória que lhe foi narrada. Não tendo nenhum preconceito, contra nenhum credo, fé, ou religião, é apenas o pensamento infantil de um menino de cinco anos, diante de uma celebração cristã.

Copyright: todos os direitos reservados para: Aradia Rhianon.



Aradia Rhianon
Enviado por Aradia Rhianon em 29/08/2006
Código do texto: T228145

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aradia Rhianon
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1208 textos (87670 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 18:10)