Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O TORRÃO DE AÇUCAR

- Vamos, empurrem! Um, dois...três... levantar volume! Força companheiras! Unidas conseguiremos levar a carga. Atenção, atenção operárias da reserva, substituir companheira da esquerda. Alinhar fila. Acelerar passo.

- Vamos em frente, estamos chegando à descida da montanha. Psiu, você aí! Está fora de prumo. Alinhe-se ao resto da turma. Vamos, vamos!
- Chegamos. Cuidado com a descida. Preciso de mais auxiliares para ficar a frente do volume fazendo um cordão de amparo. Quero as mais fortes por causa da inclinação do terreno. Vamos, mexam-se! Não temos o dia todo. Alguém pode chegar e tirar de nós o volume. Façam de conta que isto é um exercício militar. Cantem comigo!

“Eu sou uma formiguinha
Tenho força de gigante
O que é mais importante
Tenho sempre comidinha.”
Minutos depois.

- Batalhão, parar para descansar! Podem comer um pouco da carga para restaurar as forças. – um minuto depois.
- Atenção! Erguer volume com cuidado. Retomar marcha! Caminhando, caminhando sem esmorecer. Isso! Avante! Pelotão de amparo fechar mais, não deixe espaço aberto em torno do volume!

- Já estamos no sopé da montanha, mais um pouco estaremos em terreno plano rumo ao nosso quartel. Cantem, cantem para acelerar!

“Eu sou uma formiguinha
Pareço muito fraquinha
O que é mais importante
Tenho força de gigante.”

- Atenção, estamos chegando ao formigueiro! Pelotão de inspeção, inspecionar terreno!

- Área limpa, general! – afirmou uma das formigas do pelotão.
- Preparar volume para descarga! Que venham as ceifadeiras e as carregadeiras. Soltar carga! Começar desmonte acelerado! Batalhão de transporte, dispensado!
Em questão de minutos o torrão de açúcar estava sendo levado, em grãos, para dentro do formigueiro.

- Vovó, você viu como elas fazem? Elas são como um exército de verdade, têm até um general de campo que dá as ordens. Eu pensei que o torrão de açúcar fosse cair quando elas chegaram à borda da pia, e quando desciam pela parede eu pensei: agora cai, mas que nada, elas fizeram um escoramento.

Caramba! Bichinho inteligente!  Demorou, mas elas conseguiram. – disse o menino sentado no chão da área de serviço, diante dum buraquinho do tamanho da cabeça de um pequeno prego onde estava instalado o formigueiro.
- Aprenda com elas, meu filho. Força, paciência, persistência, ordem e obediência são fatores para se vencer na vida.

18/09/06.
Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 18/09/2006
Reeditado em 21/04/2011
Código do texto: T242985

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Hilda de Jesus Alão
Santos - São Paulo - Brasil
848 textos (343061 leituras)
19 áudios (10579 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:48)
Maria Hilda de Jesus Alão