Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Saturnino, o Alienígena



Saturnino o Alienígena

Vocês conhecem Saturnino? Não que pena! Vou apresenta-lo a vocês.
Saturnino veio lá de Saturno.Onde fica Saturno?
Há! É um dos planetas de nossa galáxia, e é conhecido por ter ao seu redor um monte de anéis coloridos.Quem já não ouviu falar nos anéis de Saturno?
Pois bem Saturnino como toda a criança gosta de aprender coisas, de ver novos lugares.Um dia ele estava observando os planetas e viu um pequenino planeta azul, muito bonito.Vocês sabem que planeta era esse?
-Há! Era a terra.Azulzinha, pequenina.
Saturnino ficou tão interessado naquele pequeno pontinho brilhante no espaço que quis conhece-lo.
Há! Eu esqueci de contar, Saturnino vem de um mundo muito adiantado lá eles possuem naves espaciais com a velocidade da luz, em horas eles atravessam a galáxia como nossos aviões aqui na terra.Tudo fica pertinho, pertinho.
 Saturnino desceu então em nosso planeta e ficou encantado com as coisas que viu aqui.
-Primeiro as pessoas eram muito diferente dele.
Esqueci de lhes contar como é Saturnino.
Ele tem mais ou menos um metro de altura, é amarelinho parece chinês, tem dois olhos muito grandes e brilhantes bem escuros seu nariz é bem pequenino, não tem sobrancelhas e suas orelhas são bem diferentes das nossas, são triangulares e pontiagudas.Na cabeça não existem cabelos como os nossos, ele tem sobre a cabeça uma antena que lembra os anéis de seu planeta.









Aventuras de Saturnino no Planeta Terra

Em sua primeira viagem para conhecer nosso planeta, Saturnino desceu em uma região árida e estranha, pois sua nave pousou justo no deserto de areia dos lençóis do Maranhão, olhava para todos os lados decepcionado procurando algum ser deste planeta, só avistava pássaros atravessando o céu de um lado para o outro, ficou pensativo.
-Será que os seres deste planeta voam?
De repente olhou espantado, quando viu passando apressada na areia uma lagartixa.
-Hó! Até que enfim, um terráqueo. Apressado foi atrás da lagartixa, que sem querer papo correu rápido fugindo do estranho visitante.
Saturnino ficou desapontado, e falou.
-Já sei os terráqueos não são nada amistosos.
Saturnino começou a andar em busca de um outro ser que quisesse papo com ele, andou, andou... A tarde estava caindo quando ele resolveu descansar, sentou-se na areia e resolveu tirar uma soneca, pois é, extraterrestre também dorme.
A noite caiu e Saturnino nem viu, dormiu um longo sono, nem viu a noite passar e um novo dia nascer, também ele estava muito cansado afinal atravessou a galáxia para chegar aqui.
Quando de repente acordou assustado, abriu os olhos e viu a sua frente o mar mais agitado do que nunca e muitas gaivotas sobrevoando a praia, ficou admirado pois nunca tinha visto nada  igual, lá no seu planeta não tem mar. Admirava o barulho do mar, o cheiro diferente, aproximou-se para toca – lo, achou muito estranho pois a água escorria por entre seus três dedos. Ah! Esqueci de dizer ele só tem três dedos. Não era possível segurar aquele elemento escorria de sua mão, olhou ao redor de um lado areia até perder de vista imensas dunas, do outro lado a imensidão do oceano, caminhava pela praia analisando este estranho planeta para ele habitado só por pássaros e a estranha lagartixa que vira no dia anterior.
 Derepente avistou algo diferente, viu que a duna dourada dava lugar a uma nova cor, nada mais era do que verde do campo, da rala relva das regiões da beira mar,  assustado ele viu um novo ser desta vez muito maior do que os demais, nada mais era do que um jegue que pastava calmamente, aproveitando a escassa pastagem.
Saturnino andou depressa. -Vou falar com ele. Pensou.
-Hei, você, sou Saturnino, estou feliz por te encontrar.
O Jegue que pastava levantou a cabeça, arisco, prestes a correr e sem nada entender baixou a cabeça novamente.
 Saturnino convicto que encontrara um novo amigo insistiu.
 Hei, você como se chama?
Aproximando-se tocou na perna do jegue, que sem mais lhe deu um coice.
Coitado de Saturnino caiu sentado.
- Que gente estranha esta, eu só queria conversar.
 Saturnino ficou sentado pensativo enquanto se recuperava do susto.
- Que estranhos são os habitantes deste planeta, ou será que há algo errado comigo?
Mas Saturnino não desistiu continuou na sua caminhada em busca de alguém com quem ele pudesse se comunicar.

SATURNINO NA COLÔNIA DE PESCADORES

Saturnino já começava a pensar que havia se enganado sobre este planeta, pois afinal nada dava certo, não conseguia se comunicar com ninguém, e os seres deste planeta pareciam tão estranhos.
  Depois de tanto caminhar a beira da praia, ele já estava começando a sentir-se cansado, achava mesmo que deveria voltar, pois sua mãe devia estar preocupada com seu sumiço, se bem que lá em saturno o tempo é diferente o dia é muito maior. Saturnino sentou-se, tirou de uma pequena bolsa que trazia presa a cintura um pequeno frasco e dele tirou algumas pílulas. Ah! Esqueci de falar, lá em Saturno os alimentos não são como aqui na terra, eles têm todos os alimentos compostos em pequenas pílulas, assim como o líquido também em pequenas bolsas. Saturnino bem alimentado e já refeito do cansaço resolveu andar mais um pouco, tentar mais uma vez fazer contato com os terráqueos, pois um planeta tão bonito certamente teria que ter alguém.Pensava ele.
  Saturnino andava pensativo, quando derepente, ao longe avistou três seres diferentes, não é que se pareciam com ele, andavam em duas pernas, eram baixinhos como ele, e faziam uma gritaria. Hum! Será que estavam brigando? Seriam eles agressivos como o último terráqueo que encontrará, quer dizer o Jegue?
Resolveu usar de uma de suas estratégias, esta vocês não conheciam, Saturnino tem o poder de ficar invisível por alguns minutos não pode ser mais de cinco, senão ele enfraquece.
 Assim fez, e se aproximou daquele grupo de barulhentas crianças que se divertiam soltando pipa.
 Saturnino admirava aquelas crianças alegres e queimadas do sol, nada mais eram do que os filhos dos pescadores, pois Saturnino estava à beira de uma colônia de pescadores. Tratava-se de Mandacaru, uma vila de pescadores onde existe um farol enorme.
Eram Mário, Aline e Kim três irmãos de 8, 10 e 12 anos, as crianças estavam tão envolvidas que nem viram o que acontecia, derepente Saturnino resolveu falar.
- Oi quem são vocês?
As crianças olharam-se assustadas e perguntaram, uns aos outros.Quem foi que falou?
Saturnino esqueceu que estava invisível.
-Sou eu, Saturnino! Respondeu ele ao mesmo tempo em que voltava a ser visível novamente.
As crianças ficaram paralisadas, tamanho era o medo. Já haviam ouvido contar muitas histórias de pescadores, fantasmas e outras coisas, mas nada se parecia com aquele estranho ser. Assim pensavam enquanto olhavam com seus olhinhos arregalados, enquanto isto Saturnino vendo o que se passava tratou de se apresentar logo.
- Oi! Eu sou Saturnino, venho lá das estrelas do planeta Saturno, estou aqui para conhecer este planeta e arranjar novos amigos.
- Como se chamam, vocês são deste planeta?
Kim um tanto desconfiado, falou.
- Nós moramos aqui sim. Meu nome é Kim e estes são meus irmãos Mário e Aline.
Em pouco tempo os quatros conversavam como se conhecem há muito tempo. Afinal eram crianças e não importam de onde venham são sempre amistosas.Saturnino contou-lhes sobre seu planeta, a galáxia, de todos os outros mundos que existem e que todos são habitados como a terra, e que cada um deles possuem seres diferentes. As crianças ouviam encantadas, quando derepente são tiradas deste encantamento, quando a mãe dos meninos os chama, pois o dia esta chegando ao fim.
Mário fala cheio de entusiasmo.

- Vamos levar você para nossa casa e apresenta-lo a mamãe e a papai.Mas Kim corta-lhe logo.
-Não podemos fazer isto, você lembra aqueles filmes que a professora passou lá na escola, não poderemos deixar que os adultos vejam Saturnino, pois ele correria sérios riscos se isto viesse acontecer.
Saturnino ficou preocupado e perguntou-lhes do que falavam. Os meninos lhe explicaram o que aconteceria se os cientistas soubessem de sua existência.
Então combinaram que o deixaria escondido até o outro dia
na casa abandonada que havia perto a sua casa, e só contariam sobre Saturnino a seu avô,  velho Lobo do Mar que sempre os protegia e os ajudava em suas aventuras.

SATURNINO VOLTA PARA CASA

As crianças mal dormiram, estavam agitadas sonharam muito, conversavam falavam coisas sem sentido falara sua mãe no outro dia.
 Deu-lhes o café e os três nem tinham apetite estavam com muita pressa.Sua mãe ainda falou-lhes que estava sedo que não precisava tanta pressa.Mas qual nada eles estavam demais apressados queriam passar pela casa abandonada para ver seu mais novo amigo, e ter certeza de que não se tratava de um sonho, que realmente tinham encontrado um amigo de outro planeta.Chegando lá conversaram rapidamente e deixaram acertado com Saturnino que quando voltassem da escola veriam o que seria possível fazer.
  Na escola não conseguiam se concentrar, de vez em quando Aline perguntava.
- Que horas são professora?
Sua professora já estava desconfiada, pois a menina estava ansiosa demais.
Por mais ansiosos que estivessem tiveram que esperar o tempo passar, chegando em casa mal almoçaram e nem escutaram direito o que sua mãe falou, a única coisa que tinham na cabeça era encontrar saturnino.
Correm os três em direção da casa abandonada, quando chegaram lá ficaram assustados, pois não avistaram Saturnino em lugar algum olharam por todos os lados, em baixo das coisas e nada.
Derepente ouviram um zumbido forte, levaram um enorme susto, pois afinal em se tratando de extraterrestre para eles tudo era novidade e com certeza tinham muito medo das coisas que poderiam vir a descobrir.
Mas qual nada, Saturnino como toda criança gosta de brincar, quisera pegar uma peça em seus novos amigos.Vocês lembram que Saturnino pode ficar invisível, foi o que ele fez e ao voltar ligara um dos botões de seu cinto que emitiu um som semelhante a um assobio.
 Passado o susto, todos riram muito.
  Sentaram os quatro e começaram a conversar, Mário estava eufórico queria contar para todos sobre seu novo amigo das estrelas, mas Kim sempre o lembrava do perigo que era. Enquanto conversavam eis que derepente o sinto de Saturnino começa a brilhar com luzes coloridas, as três crianças se afastam assustadas, mas logo Saturnino os tranqüiliza.
Acalmem-se, estou há muito tempo fora de casa deve ser minha ama Urimi que esta a minha procura.
   -Saturnino falou a Kim.
-Kim, o tempo em meu planeta é diferente daqui, porém  pai e mãe é tudo igual em qualquer lugar ,devem estar preocupados comigo.
 Kim então lhe falou de seu avô o velho Lobo do mar que gostaria muito que ele o conhecesse.
Combinaram então e foram até a cabana do velho  pescador é claro tomando todos os cuidados possíveis para que ninguém visse o estranho visitante.
    Kim entrou na frente enquanto Mário, Aline e Saturnino aguardavam do lado de fora.O velho pescador tirava uma soneca em sua rede.
 Olá Kim, disse o velho.O que trouxe meu neto até aqui.
Vovô disse Kim meio reticente, logo o velho pescador percebeu que o garoto desejava algo.
-O que foi desta vez meu filho, conte logo a este velho, pois já estou curioso.
-Vô disse Kim, você lembra daquelas histórias de seres de outro planeta que você costuma contar pra nós.
-Sim, lembro, mas o que tem isto a ver com o que você quer falar?
-O que você acharia se eu lhe contasse que nós encontramos um amigo de outro planeta?
-Kim, Kim você anda sonhando demais meu filho.
-Vovô não é sonho, Saturnino existe é de verdade sim.
-Como, Saturnino, agora fantasia tem nome?
-Não vovô, vou apresentar a você.Mário, Aline, tragam Saturnino até aqui.
O velho Lobo do mar ficou um tanto assustado, esfregou os olhos e disse.
-Acho que estou velho demais comecei a ver coisas do outro mundo.
Acalme-se vovô disse-lhe Aline, Saturnino é de verdade e é nosso amigo, esta aqui, pois deseja conhecer nosso planeta e nós gostaríamos de sua ajuda.Depois das devidas apresentações passados os primeiros instantes de dúvida o velho lobo falou.
-Achei que já havia visto de tudo, porém com isto eu não contava.Que querem vocês de mim?
-Saturnino chegou aqui ontem, e pelo que ele falou deixou a sua espaçonave lá por perto das dunas de areia, mas ele precisa achar o caminho de volta, pois precisa voltar para casa.
  Espaçonave, ET só posso estar sonhando.Resmungou o velho pescador.
Mas vamos lá, e lembrem-se ninguém pode ficar sabendo de nosso amigo aqui isto deve ser um segredo só nosso.Não esqueçam disto depende a segurança de todos nós.O velho pescador era sábio e ninguém entendia direito porque ele vivia ali, pois tinha muitos conhecimentos.
Os cinco saíram andando pela beira da praia.
Há!  Saturnino precisou usar seus poderes de desaparecer pois havia pescador por ali, mas logo a praia era deserta andaram um pouco, então Saturnino explicou as crianças que havia uma forma mais fácil deles encontrarem sua nave ele poderia usar uma coisa que aprendeu, mas  como ele era criança não dominava direito as vezes dava errado.
  O velho Lobo do Mar, preocupado perguntou-lhe do que se tratava.Saturnino explicou que em seu planeta as pessoas se desmaterializavam em um lugar para aparecerem em outro bem rapidinho.
Todos ficaram com medo, mas Saturnino explicou-lhes que era seguro só bastava acertar o local onde deviam ir.Para isto tinham que pensar firme no objetivo.
Assim fizeram era uma aventura inimaginável em poucos instantes caiu os quatro na areia quente do deserto, enquanto Saturnino se mantinha de pé observando seus colegas trapalhões, que olhavam extasiados aquela  coisa diferente em sua frente, muito colorida, redonda em camadas parecia.
-Parece uma bolacha recheada.Gritou Mário!
Deixe de ser bobo, falou Kim.Parece um bolo em camadas.
-Como são crianças vocês, falou Aline.Vocês não lembram dos filmes de viagem as galáxias as naves eram iguaizinhas a esta.
  O velho Lobo do Mar rodeava a nave, desconfiado do que via.
  Então Saturnino mostrou-lhes como era o interior da nave, para eles parecia um sonho.Mas era chegada a hora de voltar a realidade, Saturnino precisava se despedir e voltar.Marcaram um novo encontro.Saturnino deu a Kim um aparelho de comunicação que ele usava em seu planeta para avisa-lo quando voltar.Os quatros desceram da nave e Saturnino mandou-lhes pensar firmemente na cabana do velho pescador e mandou-lhes de volta para casa. Enquanto isto a espaçonave riscava o céu como uma estrela cadente.


O Retorno de Saturnino


As crianças e o velho pescador caíram amontoados na areia, por um tris, não caíram na água.
- Estou velho demais para estas aventuras, disse o velho Lobo do Mar.
- Porém, isto me faz voltar a ser criança outra vez, sinto-me vivo.
Depois de conversar com seus netos sobre o estranho visitante, o avô lembrou-lhes da importância de não contar nada a ninguém, pelo menos por enquanto, deveriam pensar em uma forma para contar a seus pais, quando ele voltar.
-Se é que ele iria voltar. Disse o velho Lobo do Mar.
As crianças agitadas e alegres despediram-se do avô e logo voltaram para casa, ansiosos para que o novo amigo voltasse.
 Os dias passavam e nada de Saturnino voltar, as crianças já acreditavam que nunca mais iriam voltar a ver seu amigo das estrelas.
  Como era de costume as crianças todos os dias brincavam na praia, soltando pipa, brincando de pegar, fazer castelinhos na areia, enfim inúmeras eram as brincadeiras que  os três irmãos gostavam.
   O dia estava lindo, o sol brilhava mais do que nunca, o vento hoje estava um pouco forte para a brincadeira que eles haviam escolhido.
Mario chutara a bola para o lado, onde estava sua irmã Aline, porém a bola tomou outro rumo, jogada pela força do vento, Kim correu para pagá-la em meio às dunas, tal foi sua surpresa quando seu aparelho comunicador que Saturnino havia deixado com ele, começou a fazer um estranho barulho.
-Hei! Mário, Aline, venham logo, é Saturnino.
Todos correram ansiosos para saber algo de seu amigo.
Os três sentaram-se para ver o que queria Saturnino.
Depois de alguns contratempos, Saturnino conseguiu se comunicar com as crianças.
-Kim, Mário, Aline, acho que agora sei o significado da palavra saudade da qual vocês me falaram, estou ansioso para encontra-los novamente.
-Quando você volta? Pergunta-lhe Mário, eufórico.
-Estou muito envolvido, aqui temos muitas tarefas afinal existem muitas coisas que preciso aprender sobre o universo.
 -Você vai poder voltar?Pergunta-lhe Aline.
-Sim  eu  já falei com meus pais e eles permitiram que  eu vá até o seu planeta para conhecer com detalhes.Conto com vocês!
-É claro que iremos ajudar, pois geografia é minha matéria predileta.Respondeu Kim.
-Acho que em breve estarei ai.
-Quando você voltar vou ensinar-lhe algumas coisas sobre o meu país, ele é muito grande e tem muitas coisas maravilhosas aqui.
Assim levaram o papo por um bom tempo, mas logo a tarde caia e a mãe dos meninos já o chamava a responsabilidade.
 Os dias passavam e nada de Saturnino aparecer, eis que um belo dia quando os meninos iam para o colégio, estranharam quando viram no caminho da escola sentado, seu velho avô.
-Hei! Vovô o que esta fazendo? Perguntou, Mário.
-Precisava falar com vocês e achei que aqui era o melhor lugar.
-De que se trata? Pergunta Kim.
-Tenho um estranho visitante em minha casa que quer ver vocês.
As crianças falaram em couro.
-Saturnino???
-Sim.Saturnino.O Et seja qual for o nome dele.
As crianças queriam sair correndo para a casa do velho pescador que não permitiu.
-Primeiro a escola, primeiro a escola depois a tarde vão me visitar.
As crianças contrariadas foram para a escola.
À tarde mal almoçaram e correram para a casa de seu avô, que já os aguardava.
 Os quatros se abraçaram num longo e saudoso abraço.Tinham muitas perguntas a fazer.
Se acalmem falou o Velho Lobo do Mar, assim vocês não vão conseguir se entender.
 -Enfim voltei crianças, e como já falei com vocês eu recebi uma  tarefa de meus pais ,conhecer o planeta terra, pois faz parte de minha educação conhecer todos os planetas do sistema solar.
-Então você já foi a outros planetas além da terra?Pergunta curiosa Aline.
-Sim!Já conheço vários deles e assim como aqui na terra, tenho vários amigos em cada um deles, mas nenhum planeta é tão bonito como a terra.Aqui a vida é brilhante tudo é muito colorido.
-Um dia você me leva pra conhecer as estrelas? Disse Mário.
-Vamos com calma, vamos com calma.Falou o Velho avô, preocupado com o rumo que as coisas estavam tomando.
-Um dia iremos sim.Disse Saturnino.
-Porém agora eu quero que vocês me ensinem um pouco daqui da terra.
Poderemos começar amanhã.Disse Kim.Vamos para a velha casa abandonada eu vou pegar uns livros de geografia.Você nos ajuda vovô?
-Sim.
No outro dia como o combinado, lá estavam todos para falar a Saturnino sobre o Maranhão, o estado em que viviam.E todas as regiões do Brasil, decidiram que primeiro iriam mostrar como era este planeta, depois então contariam sua história.
 Saturnino estava impressionado com tudo o que via.Descobriram que o lugar aonde chegara a primeira vez, se chamava lençóis, lençóis do Maranhão, pois pertencia a este estado e que era muito visitado por todos daqui do planeta por sua infinita beleza.As crianças mostraram um a um cada estado que pertencia à região nordeste do país.
Estavam tão empolgados estudando, que levaram um enorme susto, quando o censor que Saturnino traz na cintura, começou a fazer um forte ruído.Saturnino parou de pé de um salto.
-O que pode ter acontecido com minha espaçonave, é de lá que esta vindo o sinal.
Os cinco mais que depressa se prepararam para a tele portagem, já com menos medo, pois afinal esta era a terceira vez que fariam isto.
Caíram os cinco ao lado da nave, porém Kim, Mário, Aline e o velho Lobo do Mar caíram como sempre desajeitados, enquanto Saturnino já estava em pé ao lado da espaçonave que emitia raios de luz coloridos como se fossem arco-íres.
Saturnino entrou rapidamente na nave e vocês nem imaginam o que aconteceu? Não é que seu mascote havia vindo na nave sem que ele soubesse.
Como será o mascote de Saturnino.Será um cãozinho? Ou então um gatinho?
 É nada mais nada menos do que Tór, um ser que lá em Saturno equivale aos cães da terra, é um companheiro inseparável de Saturnino.Agora estaria complicado, pois esconder Saturnino já não era fácil, seu mascote então...
 Foi só festa as crianças ficaram encantadas com o novo amiguinho, que por sinal era muito inteligente e só faltava falar com elas, pois Saturnino e Tór se comunicavam por pensamento.



Claudeth Harthmann Silveira
Enviado por Claudeth Harthmann Silveira em 08/11/2006
Código do texto: T285465
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Claudeth Harthmann Silveira
Sapucaia do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil, 60 anos
3 textos (308 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 14:45)