Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A TARTARUGA VOADORA

Uma tartaruga queria muito conhecer terras estrangeiras. Um dia, estando ela num monte de areia depois de enterrar seus ovos, avistou um bando de patos selvagens que descansavam da longa viagem para fugir do frio do seu país. Os patos viajam sempre, vão a tantos lugares diferentes. Pensando nisso ela teve uma idéia: também iria viajar como os patos. Vagarosamente ela se aproxima do grupo e conta o seu projeto. O pato mais velho da turma disse:

- Isso é uma má idéia, uma loucura eu diria. A senhora vai demorar uma eternidade para conhecer todas as terras que nós conhecemos. Fique nesta bela praia para onde sempre poderá voltar.

A tartaruga, um pouco chateada com a conversa do velho pato, respondeu:

- Se eu voar não demorarei tanto tempo...
Dois patos jovens e afoitos, ouvindo a conversa, aproximaram-se dizendo:

- Nobre tartaruga, como não tem o poder de voar, nós estamos prontos para levá-la pelos ares para que conheça países maravilhosos. Somos jovens e fortes.

A tartaruga, feliz da vida, queria saber como eles fariam para levá-la pelos ares. Os patos disseram que era simples. Saíram e, depois de um tempo, voltaram com uma longa vara em seus bicos cada um segurando numa ponta.

- Vamos lá, distinta tartaruga, abra a sua boca e morda a vara, bem no meio, segurando bem com seus dentes para que nós levantemos vôo.

A pobre tartaruga foi suspensa no ar. Os bichos olhavam para cima admirados. Era um milagre. Uma tartaruga voadora. Em toda a história dos bichos jamais se ouviu falar de tal feito, de tal maravilha. Depois de um tempo de vôo os patos estavam cansados. A tartaruga era grande, muito pesada e não agüentando mais eles largaram a vara. A tartaruga caiu de costas ficando com as quatro patas para cima. Esta não é uma boa posição para uma tartaruga, pensava ela já sentindo os efeitos do sol. Ouvindo um estalar de galho seco quebrado pediu:

- Quem quer que esteja aí, pode me pôr na posição certa para que eu volte à minha praia?

Era um grande macaco que passeava por ali. Ele se aproximou e foi logo dizendo:

- Por que deseja o impossível? Eu vi você nos ares com aqueles patos tolos. Tartarugas não foram feitas para voar, caso contrário teriam nascido com duas asas e penas. E se eu não estivesse por aqui?

E desvirou a tartaruga, que envergonhada e a passos lentos, voltou para a praia, para o seu mar seguro onde nadava velozmente.

Passado um tempo, na época da desova, a tartaruga encontrou o bando de patos selvagens. Os dois patos, da fracassada viagem, perguntaram:

- Vai tentar a viagem novamente?

- Não. Como disse o macaco, se Deus quisesse que eu voasse teria me dado duas asas e não este casco pesado.
E enterrando seus ovos na areia, a tartaruga voltou para o seu lar verdadeiro, o mar.

19/11/06.
(histórias que contava para o meu neto)
Maria Hilda de Jesus Alão
Enviado por Maria Hilda de Jesus Alão em 19/11/2006
Reeditado em 21/04/2011
Código do texto: T295347

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Maria Hilda de Jesus Alão
Santos - São Paulo - Brasil
848 textos (343243 leituras)
19 áudios (10580 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 10:17)
Maria Hilda de Jesus Alão