Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A TRISTEZA DE NINI

O mundo enfeita-se de cores e formas definidas pela natureza.
Em regra geral, os seres que nele habitam devem conformar-se com suas
condições naturais.
Tudo se faz em harmonia, mas alguns deslizes são acontecidos, as chamadas
mutações.
A partir destas afirmações, vamos contar a história de Nini, uma
joaninha muito triste, mas que não expunha a ninguém o motivo de sua
tristeza.
Havia um lindo jardim, tão lindo quanto os pintados nas telas de Monet.
Muitas e muitas flores, de variadas cores, centenas de aromas.
Era tudo tão colorido que o olfato e a visão mal tinham tempo de
associarem-se, para informar ao cérebro tanta beleza.
Mas nem a formosura do local, trazia encantamento para Nini.
Passava seus dias sob a folha de Monstera que era sua morada. Chorava tão
baixinho, que os demais animais que por ali passavam não percebiam seu
pranto.
Perto dali, existia um velho casebre abandonado, e nele vivia uma família
de morcegos.
Os dois “meninos-morcegos” eram bastante levados, mas também
possuíam bom coração, seus nomes – Zico e Zica.
Todos sabem que morcegos são animais de ótima audição.
Não é à toa que usam a noite para procurar alimento.
Nossos amiguinhos gostavam de aventuras e atender às
recomendações de sua mamãe não estavam em seus planos.
_ Meus filhos, não saiam durante o dia! – dizia ela.
_ Sim, mamãe! _ repetiam os meninos com os dedos cruzados ás costas.
Assim que mamãe-morcego pendurava-se nas vigas do teto para dormir, os
safadinhos tomavam o rumo da rua.
Nesta manhã voaram um bocadinho, mas logo ouviram lamentos vindos do
jardim abaixo deles.
_ Que será isso? – perguntou o menino morcego à sua irmã.
_ Zico, parece que alguém está a chorar!
_ É verdade, Zica! Agora, estou a ouvir melhor!Vem ali, daquela planta com
as folhas furada.
_ Estou vendo, vamos até lá!
Assim, os dois meninos desceram até a planta onde morava Nini. Ela estava
inundada em lágrimas. Seus olhos mal se abriam de tão inchados.
Os morceguinhos aproximaram-se despacito. Eles achegaram-se à folha, onde
notaram a presença de Nini.
A quantidade de lagrimas que escorriam de seus olhos era tamanha, que ambos
precisaram sacudir suas asas, banhadas por elas.
_ Porque choras? - perguntou Zica, compadecida do sofrimento da joaninha.
_ Eu...Eu... – continuou a soluçar.
_ Pare com este choro! – disse Zico - _ Nós queremos te ajudar!
O morceguinhos estendeu um lenço para a joaninha que secou suas
lágrimas. Alguns minutos depois, ela já estava recomposta para
conversar com os meninos.
_ Agora que já estás calma, conte a nós, qual é o problema
que te aflige.
_ Olhem para mim! Eu sou toda preta! – exclamou chorosa.
_ Grande coisa! – disse Zico _ Nós também somos!
_ Mas vocês são morcegos! Eu sou uma joaninha e nasci sem as bolinhas
vermelhas!
Os dois meninos-morcegos compadeceram-se de Nini. Já haviam visto outras
joaninhas com suas lustrosas asas pretas repletas de bolinhas vermelhas.
_ Já sei como podemos resolver isso! _ exclamou Zico.
_ É verdade!? _ Um sorriso surgiu no rosto de Nini. Será que
finalmente ela poderia ser feliz como suas companheiras?
_ Espere aqui, Nini! Eu e minha irmã Zica vamos sair um pouquito, mas
voltaremos!
_ Até breve, meus bons amigos! – disse mais feliz.
Os dois morceguinhos voaram ata cidade,. Lá procuraram a livraria de Dona
Traça. Fizeram algumas compras e retornaram para junto de Nini.
_ Que bom que vocês voltaram! Fiquei com medo que tivessem feito uma falsa
promessa para mim!
_ Ora, Nini! Amigos não atraiçoam amigos! Nós empenhamos nossa
palavra e aqui estamos para te ajudar.
_ Feche bem os teus olhos! _ disse Zica. _ Só abra, quando nós
mandarmos!
_ Farei o que dizem!
A joaninha Nini cerrou seus olhos. Usou toda força que tinha para ter
certeza de que não estava sonhando.
Os meninos começaram a trabalhar na carapaça preta de joaninha.
Uma hora depois, Zica segurava um grande espelho em suas mãos.
_ Pode abrir seus olhos, Nini! – disse Zico.
A joaninha abriu lentamente pálpebras. Tomou um susto.Diante do espelho,
vislumbrou sua carapaça, antes preta com centenas de bolinhas vermelhas.
_ Milagre! – exclamou feliz, _ Como vocês conseguiram isso?
_ Muito simples! – falou Zico _ Passei cola Super Bonder em suas asas e
Zica jogou confete vermelho sobre a cola. Afinal, é carnaval!
_ Que lindo! Eu estou muito feliz, meninos! Vocês dois serão meus
amigos para sempre!
Abraçaram-se como verdadeiros amigos o fazem. E partiram.
_ Zico, tu notaste algumas coisa?
_ O que exatamente, Zica?
_ Nini, está tão feliz que mal se apercebeu...
_ De que, meu irmão?
_ Ela é preta com bolinhas vermelhas...
_É mesmo! Joaninhas são vermelhas com bolinhas pretas!!!!

É maravilhoso termos o poder de ajudar a um amigo que sofre.


Denise Severgnini
Enviado por Denise Severgnini em 06/08/2005
Reeditado em 18/05/2006
Código do texto: T40735

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Denise de Souza Severgnini http://www.denisesevergnini.recantodasletras.com.br) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Denise Severgnini
Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil, 57 anos
11345 textos (916709 leituras)
16 áudios (8882 audições)
311 e-livros (34110 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 12:31)
Denise Severgnini