Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A FÁBULA DA GARÇA E DA MUCURA

        No meio de um grande buritizal, no pé mais alto e vistoso que havia, fora construído um ninho repleto de penugens brancas que agora eram douradas pelo sol. Nele a mãe garça vigiava atenciosamente seus ovinhos, sua primeira ninhada, cujos sonhos foram depositados em cada um deles.
         Certa tarde, dona mucura apareceu para uma visita inesperada; tinha a cara afocinhada de fome e uma angustia que lhe vazava dos olhos. De um modo sorrateiro, ela disse:
         — Venho das planícies verdejantes com uma notícia muito importante. Quando a aurora da lua surgir, todas as garças se reunirão para uma festa.
         A mãe garça, mesmo surpresa com a visita, adorou a notícia. Sempre participou de todos os festejos nos garçais. Então, em sua inocência, pediu que dona mucura cuidasse de seus ovinhos até ela voltar. A mucura gargalhou dentro de si maldosamente, e quando a garça se virou e desapareceu, ela deu uma risada zombeteira.
         É claro que não havia nenhuma festa, nem garças reunidas, nem sequer o brilho perolado da lua. Era inverno e as nuvens cinzentas turvavam o céu! Constatando que fora enganada, a mãe garça voltou envergonhada para o buritizeiro.
         Dos três ovinhos marfins que adormeciam no ninho, somente um restara.  Dona mucura se satisfez apenas com dois, mas como foi pega de surpresa, ameaçou comer o terceiro, caso a garça lhe atacasse com o bico.
         Então, como se achava esperta, a mucura lhe propôs uma adivinha que a garça furiosa acabou consentindo:
         — Diga-me logo, seu bicho desprezível — retrucou ela.
         — Existem cinco coisas que não se recuperam. Descubra o que são elas, e eu te deixarei que me mates, e ainda poderás ficar com teu ovinho e te vingar pela vida dos outros dois — falou, segurando com as garras o ovo que sobrara.
         Com a fibra da folha do buriti, a garça amarrou o pezinho da mucura, para que ela não fugisse do ninho. Desesperadamente ela voou por florestas, campos, montes e savanas, colhendo respostas em vários cantos. Pediu conselhos às corujas, macacos-barrigudos, araras e onças. Mas só obteve quatro respostas:
         — Há cinco coisas que não voltam mais — falou mãe garça à mucura — A pedra depois de atirada, a palavra depois de proferida, a ocasião depois de perdida e o tempo depois de passado.
         — E a quinta coisa, qual é? Qual é?! — insistiu a mucura, estremecendo — Diga-me, diga-me logo!
         Mas a garça percebendo que fora enganada outra vez, e que a mucura escondia alguma coisa atrás de si, disse:
         — O ovo depois de quebrado...
         A mucura empalideceu. Havia faltado com sua promessa, e antes de levar uma bicada bem no coração, disse à mãe garça: “Tu demoraste muito, não resisti e comi o último ovo que havia. Lembra-te que podes ter outra ninhada. ”
   
         Muitos vêm até nós para enganar, roubar ou destruir nossos planos. Não choremos sobre o leite derramado, pois a vida nos prepara a primeira vez pra que não erremos a segunda.

Tindarsam
Enviado por Tindarsam em 21/11/2007
Reeditado em 21/11/2007
Código do texto: T745603
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tindarsam
Boa Vista - Roraima - Brasil
3 textos (499 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 19:15)
Tindarsam