Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Os Sonhos de Leila


Mãe — Nem eu nem o pai a conseguimos acordar.
Esmeralda — A senhora dá licença?
(A Mãe afasta-se para que Esmeralda chegue junto de Leila)

Esmeralda — Leila.  (Tempo) Leila. (Paulo aproxima-se até ficar junto de Leila) Leila… acorda. Sou eu… a Esmeralda.
Paulo — (A gritar) Leila! Acorda!
Esmeralda — Mas tu és parvo o quê?
Paulo — A minha mãe chama-me é assim.
Mãe — Meu marido, o Flávio, já foi buscar o médico.
Paulo — Aposto que o médico não consegue gritar mais alto do que eu. (Grita novamente) Leila!!
Mãe — Ó filho… por favor, pára com isso. Ela pode ficar ainda pior.
Esmeralda — A senhora já tentou metê-la de pé?
Mãe — Ai… eu nem lhe quero mexer com medo que ela fique pior.
Paulo — Porque é que a gente não lhe despeja um balde d'água pra cima?
Mãe — Ó filhos vocês vaiam-se embora que estão mas é piorando as coisas.

(Eles vão a sair e cruzam-se à porta, fora de cena, com a vizinha Cesaltina que entra)

Cesaltina — Ai minha querida vizinha… soube agora, pelo teu marido… A tua filha tá doente… o que é que se passa?
Mãe — Ela não quer acordar.
Cesaltina — Já experimentaste picá-la com a ponta da agulha.
Mãe — É melhor não. Deixa ver primeiro o que é que médico vai dizer.
Cesaltina — Está bem. De qualquer maneira o médico deve trazer umas picas para lhe dar.
Mãe — Ai… ó vizinha… eu estou tão consumida.
Cesaltina — Anda cá pra fora um pouco pra te acalmar. Vamo-nos sentar  na soleta da porta.


 (O médico chega, dirige-se à cama, ausculta a menina, em silêncio, os pais estão um pouco arredados da cena. No fim de a observar dirige-se aos pais e encaminha-os para fora de cena. Os pais voltam ao fim de algum tempo e dirigem-se à cama)

Mãe — Ai nosso senhor querido que a nossa filha não acorda.
Pai — Ó mulher, não te consumas… vais ver que amanhã ela já está boa.
Mãe — Ai… ó homem… tu não conseguiste mesmo falar com outro doutor?
Pai — Eh mulher! Que tas dizendo praí? Achas quê tive no café bebendo em vez de procurar um doutor prá minha filha?
Mãe — Ai… que desgraça a nossa. E o médico que veio cá a casa não sabe dizer o que é que ela tem.
Pai — Eh mulher… anda daí que já são horas d'ir dormir.
Mãe — E quem é que vai conseguir dormir esta noite?
Pai — Plo menos a nossa filha vai.

(Passagem do tempo indicada pela luz e pelo tiquetaque do relógio. Domingo de manhã. A Mãe entra pronta para ir à missa.)

Mãe — Filha… acorda. Filha. Leila. A mãe está aqui, filha. Fala comigo. Ai filha… já dormes há quase dois dias. O que se passa contigo.
Cesaltina — (Entra também pronta para ir à missa) Ó vizinha… então que dizes da tua filha?
Mãe — Ai, ó vizinha… Ela está na mesma. Ai, o que é que hei-de fazer à minha vida.
Cesaltina — O que disse o médico?
Mãe — Ai… ele não veio cá a casa.
Cesaltina — Ai que desgraça. Ó vizinha, vamos mas é prá missa pedir a Deus que cure a tua filha.
Mãe — Vamos então vizinha que eu aqui não posso fazer mais nada.

(Saem as duas e ao fim de algum tempo entra o pai. Dirige-se à filha e fica um bocado a olhar para ela. Pega-lhe na mão e senta-se na cama ao lado dela)
Pai — Filha… é o teu pai… acorda, por favor… anda lá… que o teu pai está muito preocupado. Filha… Estás a ouvir-me?
(Fica algum tempo com a filha. Vai depois buscar o gira-discos para pôr disco que estiveram a ouvir no dia de anos. A Mãe e a vizinha voltam da missa ao fim de algum tempo. Encontram o homem junto da filha, ele disfarça, vai-se embora e ficam as duas junto de Leila como que num velório. O pai entra ao fim de algum tempo).
Pai — Tá lá fora a professora Cidália a perguntar porqué que a Leila não foi à catequese.
Mãe — Ela que entre pra ver o estado em que a nossa filha está.
(Entra a Cidália e dirige-se à cama)
Cidália — A senhora dá licença que eu entre.
Mãe — Faça favor, senhora professora.
Cidália — Eu passei por cá para saber porque é que a Leila não foi à catequese.
Mãe — Ai, senhora professora… eu não sei o que é que se passa, mas a minha filha não acorda desde ontem.
Cidália — Como é que é possível?
Cesaltina — A gente não sabe. O médico que veio cá a casa também não soube dizer e não veio cá mais nenhum.
Mãe — A senhora professora acha que a Leila pode estar a fazer isto de propósito?
Cidália — Não. Conhecendo a Leila como eu a conheço, acho que ela não seria capaz de fazer uma brincadeira dessas. Ela comeu alguma coisa que lhe fez mal?
Mãe — Nem sei, senhora professora. O que é que a senhora acha?
Cidália — Eu sou professora, não sou médica. Mas conheço bem um outro médico e posso ir falar com ele para vir cá a casa.
Mãe — Ai abençoada. Ai, senhora professora… a senhora é um anjo que caiu do céu.

(As duas acompanham a professora à porta e saem de cena. Nova passagem do tempo dada pela luz e pelo tiquetaque do relógio. Começa uma projecção em fundo com imagens autênticas, fotos e música dos anos 80. Consegue-se ver o evoluir da moda por meio das figuras que aparecem. As fotografias mostram as actividades de Rabo de Peixe. Leila dorme por dez anos. À medida que os anos passam, as imagens ficam mais rápidas, o tiquetaque aumenta. Aparece 1988, 1989 e 1990 na projecção. O tiquetaque torna-se mais lento e pára. Leila desperta na cama. Levanta-se e chama pela Mãe)

Leila — Mãe.  Ó mãe!

(A mãe entra e vê Leila de pé. Corre a ela para a abraçar com gritos de alegria. Chama o marido que chega de imediato e abraça também a filha. A vizinha entra de rompante a perguntar o porquê de tantos gritos, com uma menina pela mão. Por fim chegam os amigos de Leila e ficam um pouco à distância. A mãe e a vizinha)

Leila — (Ao fim de algum tempo, depois de se libertar dos abraços) Mas… o que é que se passa?
Mãe — Filha! Acordaste! Acordaste! Ai, minha filha querida (abraça-a novamente).
Leila — Eu dormi muito?

(Riem-se todos um pouco)

Mãe — Ó filha… tu dormiste dez anos?
Leila — Dormi dez anos?
Cesaltina  — Tu não te lembras? Deitaste-te no dia dos teus anos em 1980 e só acordaste agora!
Leila — E que dia é hoje? Não é sábado?
Mãe — Estamos em 1990, filha. Ai… se tu soubesses as agonias que tive estes anos todos. (Abraça-a novamente) Veio tanta gente para te ver. Vieram até doutores de fora e ninguém conseguia dar com a tua doença. Nós fizemos tudo!
Cesaltina — Ai. Eu rezei tanto!
Leila — Vocês estão a brincar comigo. Não estão?
Mãe — Ó filha! Achas que íamos brincar com uma coisa dessa.
Leila — Eu devo estar a sonhar. (Vê a menina pela mão da vizinha) Quem é essa menina?
Cesaltina — É a minha filha. Olha… vê bem. Ela já tem cinco anos.
Mãe — Olha para os teus amigos. Vê como eles cresceram.
Leila — (Olha para a Esmeralda e o Paulo) A Esmeralda está diferente mas o Paulo continua na mesma.
Paulo — Mas ainda posso crescer!
Esmeralda — (Para Paulo) Podes crescer como? Estás com 18 anos! Tu lá cresces agora…
Leila — Dezoito anos?! Não pode ser.
Paulo — Ainda posso crescer sim senhor! Tenho um primo que só cresceu a partir dos 18 anos!
Mãe — Meus queridos. Então vocês não estão contentes por ver a Leila com saúde? Deixem essas conversas agora. (Eles aproximam-se de Leila e abraçam-na)
Esmeralda — Mas… tu tens ainda dez anos?
Leila — Eu não sei. Penso que sim. Não sinto nada. Tu sentes que tens… vinte anos?
Esmeralda — Não sei. Acho que sim. Quando penso em tudo o que vivi… acho que sim. Acho que sinto que tenho vinte anos.
Leila — Eu não consigo acreditar nisto. Como é que é possível dormir por dez anos?
Pai — Isso, cá para mim foi bruxaria. Eu sempre disse à tua mãe mas ela nunca quis saber.
Mãe — Ai! Cala-te lá com isso homem. Ó filha… não queres ir lá fora apanhar um pouco de ar? A gente, durante estes anos todos, bem que te abria a janela sempre que estava bom tempo, mas deve-te fazer bem dar um passeio.
Cesaltina — Isso mesmo. Vai dar uma voltinha por aí. Vais ver como a freguesia mudou nestes dez anos.
Paulo — A gente vai contigo.
Leila — Esperem então. Eu vou só calçar-me e vestir um casaco.
Esmeralda — Vai ser uma surpresa para toda a gente!
(Leila vai-se calçar e vestir um casaco)
Mãe — Eh homem! Temos que fazer uma festa!
Pai — Uma festa pra quê?
Mãe — Então a nossa filha acorda ao fim de dez anos e não lhe havíamos de fazer uma festa?
Pai — Mais essa! Eu acordo todos os dias e tu não me fazes festa nenhuma.
Cesaltina — Não seja assim, homem! Não é todos os dias que uma filha volta pra casa ao fim de dez anos.
Pai — Até parece que ela esteve prá América estes anos todos! Ela não saiu de casa.
Mãe — Ai homem! Mexe contigo! Anda lá arranjar as coisas enquanto a menina vai dar um passeio.
Leila — Já estou pronta. (Esmeralda pega-a pela mão e encaminha-a para fora. Saem pela direita e voltam a entrar, descendo a escada ou a aparecendo na sala , como se estivessem na rua.)
Esmeralda — Ainda bem que acordaste neste dia. Temos festa!
Paulo — Nem de propósito. Até parece que a freguesia estava à tua espera.
Esmeralda — Não tarda nada passa aí a filarmónica. (ouve-se a filarmónica a tocar fora da sala) Ouve! Ela aí vem. (As portas do fundo abrem-se e entram alguns elementos da filarmónica, desfilando pelo corredor principal, dividindo-se para os corredores esquerdos e direitos para voltar a sair)
Leila — Mas… mas a filarmónica é a mesma!
Paulo — Claro que é a mesma. Mas está diferente. Não está?
Leila — Eu não acho. Se é verdade que eu dormi dez anos, parece que não mudou muita coisa.
Leila — Vais ver o rancho da despensa.
Paulo — Pois é!
(Entra o rancho da despensa, como a filarmónica anteriormente. No fim deles sairem)
Leila — O que é que este rancho tem de diferente? Ainda o ano passado dançaram assim.
Paulo — O ano passado para ti.  Para nós foi… foi há onze anos.
Leila — Mas continuam a dançar da mesma maneira.
Esmeralda — É claro. É a tradição. O que é tradicional não pode mudar de um ano para o outro. Nem em dez anos muda.
Leila — Então continua tudo na mesma. As casas são iguais.
Paulo — Há umas casas novas…
Leila — Mas em dez anos, porque é que não há mais casas?
Paulo — Não sei. Não há dinheiro. Leva tempo a construir casas.
Esmeralda — Olhem. Vem aí o rancho.
Leila — Outra vez?




Parei por aqui mas tenho uma ideia do final.

Se tiver alguma contribuição para dar... por favor contacte-me
Gilberto Cardoso
Enviado por Gilberto Cardoso em 02/09/2007
Código do texto: T634947

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gilberto Cardoso
Portugal, 48 anos
91 textos (2874 leituras)
1 e-livros (54 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 18/10/17 02:06)
Gilberto Cardoso