Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Palavras Inúteis

                                                "Última flor do Lácio, inculta e bela,
                                             És a um tempo esplendor e sepultura,
                                                   Ouro nativo que na ganga impura
                                            A bruta mina entre os cascalhos vela."
                                                                                Olavo Bilac

Eu sou seu amor,
dirijo até trator.
O vaso grego se quebrou:
onde é que eu vou fazer cocô?
Eu sou tão legal,
então pega no meu pau.
Eu sou um mané,
beija o meu pé.
Você é uma ameba!
Cuidado, isso quebra!
Eu gosto muito do luar.
Acho que estou pra vomitar.
Você é meio louca:
vomito dentro da sua boca.
O arroz-doce com canela
tá dentro da tigela.
Na praia de Meaípe
fui obrigado a andar de jipe.
A arte pela arte
não dá um bom combate.
Verso dodecassilábico...
Nossa! Nada a ver.

Coitado do Bilac (poeta de araque)!
Sabia descrever um lavatório.
O viado do Bilac (eu sou um poeta de araque)
quis o serviço militar obrigatório.

Estou passando mal.
Pára de ler jornal.
Quando a corda arrebenta
é oito ou oitenta.
Você masca o seu chiclete
e anda de mobilete.
Isso é impressionante:
a zebra não é o elefante!
Oh! Que beleza!
Inculta língua portuguesa.
Última flor do Lácio.
O meu amigo chama Társio.
Ah! Meu Deus, quebrei um ovo!
A galinha faz um novo.
Oh! Oh! Oh!
Pendura no cipó.
Antes fosses um condor:
nos livraria de tanta dor.
O cabrito berra, o pinto pia...
Viva a Zootecnia!
O monte Parnaso se implodiu,
foi pra puta que o pariu!

Coitado do Bilac (poeta de araque)!
Sabia descrever um lavatório.
O viado do Bilac (eu sou um poeta de araque)
Quis o serviço militar obrigatório
Fábio Selva Stelzer
Enviado por Fábio Selva Stelzer em 31/03/2006
Reeditado em 16/12/2010
Código do texto: T131744

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar o nome do autor .). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fábio Selva Stelzer
Vitória - Espírito Santo - Brasil, 37 anos
28 textos (3457 leituras)
3 áudios (385 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 10:00)
Fábio Selva Stelzer