Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Publicitário e o Poeta

Meu amor, eu não me encaixo bem na publicidade
Seja para se expor ao desdém da vida ou da falsidade
Eu prefiro as poesias sentimentais dos não-letrados
Aquela música antiga cantada em festas do passado
Você pode não se lembrar
Mas isso nem sempre foi um marketing promocional
Houve um tempo para se celebrar
Poesias da simplicidade social

Amor, agora é tudo publicidade
Tudo é uma propaganda
Nós politizamos para uma sociedade
Que não se politizou para a esperança

Mas será, meu amor, que tudo isso é certo
Ou estamos aqui para ser o absurdo
Desfazendo imagens em versos
Ou só estamos tentando dá valor ao produto?

Querida, a verdade vai além das propagandas criativas
A arte de vender não é uma arte que nos valoriza
Ainda buscamos preços para nossas existências
E poetas publicitários são ainda raras confluências
Palavras difíceis não vendem poesia
E meu bem eu só estou sendo persuasivo
O discurso de mudar a vida
É no fim o marketing mais batido

Amor, agora é tudo publicidade
Tudo é uma propaganda
Nós politizamos para uma sociedade
Que não se politizou para a esperança

Mas será, meu amor, que tudo isso é certo
Ou estamos aqui para ser o absurdo
Desfazendo imagens em versos
Ou só estamos tentando dá valor ao produto?


E do que vale a poesia se for comprada?
Que versos livres são esses com números em placas?
Ou do que vale vender imagens
Se espelhos são de graça
Do que vale vender a publicidade
Se a propaganda é arte da cilada?
Maycon Batestin
Enviado por Maycon Batestin em 29/09/2007
Código do texto: T673259
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Maycon Batestin
São Paulo - São Paulo - Brasil, 32 anos
2642 textos (107638 leituras)
3 e-livros (207 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 11:23)
Maycon Batestin