Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Lamentos de uma decepção

 
Não é fácil se sentir desprezada sem saber os motivos
Mas o erro foi meu em acreditar que poderia estar sendo real
Muitas vezes entregamos o melhor de nós a quem não dá valor
E depois sem saber por que nossos sonhos se esvaem
E com pequenos gestos, palavras e atitudes percebemos o fim
Não seremos nunca donos de uma situação que envolve sentimentos
Errei de novo em ser sincera, em me expor como sou de fato
E também por manter acesa em mim uma chama de esperança
Dói saber que mais uma vez me precipitei, agi como tola
Não tenho mais idade para agir com as emoções
Já deveria ter aprendido a ser mais racional
Portei-me como uma adolescente inexperiente
Entreguei-me, deixei-me seduzir como criança
Que não pensa com o coração e não age com a razão
Mudei hábitos antigos, idéias e concepções de vida
E ainda não entendo por que tive essas atitudes
Vou voltar a ser novamente a mulher que pensa
Não vou ser mais como uma jovem sonhadora
Extirpei de dentro de mim mais uma paixão
Não sei se quero me envolver com alguém de novo
Machuca demais me sentir um eterno objeto
Não quero mais me envolver emocionalmente
Vou ser um ser humano feminino e racional apenas
Cansei, não sei o que pensar, como agir, o que falar.
Estou sem rumo, sem vontade de nada, apenas magoada.
Sou uma ave que nasceu para ficar presa ao ninho
Nunca irei voar até encontrar a felicidade, a liberdade.
Serei sempre minha própria prisioneira e carcereira.
Não quero sair da falsa segurança que tenho agora
Por que sei que sofrerei ainda mais se um dia sentir
Um breve gosto de ser amada e me sentir livre
E depois me sentir usada, humilhada, desprezada
Não vou mais em busca de novos horizontes
Nem de meus sonhos, eles são apenas sonhos
Mais nada neste momento me motiva
Não sou mais uma criança, nem mesmo jovem
Estou caminhando a passos largos para a velhice
Solitária, triste, magoada, ferida, sem objetivos
Vou novamente sobreviver, continuar, ainda lutar
Mas apenas pela sobrevivência e não mais em busca
De um amor, de uma nova vida, da tal felicidade
Voltei a ser realista, voltei a agir com a razão
Nunca mais me deixarei levar pela emoção apenas
Nunca mais me deixarei usar por ninguém
Nunca mais deixarei que abusem de meus sentimentos
E também nunca mais vou me apaixonar por alguém
Que não corresponda aos meus sentimentos
E se eu alguma vez fraquejar irei me lembrar de hoje
Do que senti, do que pensei, e sei que terei forças
Nunca mais derramarei uma lágrima por ninguém
Que não tenha saído do meu próprio ventre
Sou mulher, sou mãe, me basta isso para ser feliz
Nunca mais vou sofrer por amar quem não me quer
Nunca mais

Adelaide Wlodkovski
02/12/2004
Ade Wlod
Enviado por Ade Wlod em 27/02/2006
Reeditado em 19/06/2009
Código do texto: T116551

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Ade Wlod
São José dos Pinhais - Paraná - Brasil, 55 anos
59 textos (8528 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 08:13)
Ade Wlod