Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A busca

A busca
 
No caminhar cotidiano deve-se valorizar as pequenas coisas da vida...
Em busca da felicidade, sabe-se que a felicidade é um estado de espírito, e que é constituído de pequenos instantes plenos em sua beleza...
Com tudo, estes impulsos e valores são incutidos pela sociedade, e ao tentar resolver a situação-problema fazemos um shutdown, com objectivo de conseguir forças para ir em frente, conscientes que inerente a este processo efectuado
pode-se perder parte de ficheiros considerados importantes...
Fazê-mo-lo, por vezes como válvula de escape...
Mas depois de perder deve-se tentar recuperá-los e ou fazê-los novamente, com a certeza de que nunca vão ser como antes...
E para que não tenha estas actitudes novamente devemos sempre: buscar, errar, concertar, perdoar, cair e levantar, mas nunca arrepender-se, pois tudo, tudo,
que acontece, em qualquer que seja o momento, serve de experiência e aprendizado, por isso, devem não só:
Valorizar o sorriso, mas sim fazer com que este sobressaia as tristezas;
Enaltecer o sucesso, mas sim aprender com os fracassos;
Edificar e fazer valer-se de aplausos, mas sim encontrar a alegria que existe no anonimato;
Reconhecer que os desafios não são tudo, mas sim perceber que vale a pena viver, qualquer que seja o momento;
Compreender que a felicidade não é uma obra do destino, mas sim uma conquista instrospectiva inerente cada um;
Vitimar se por qualquer motivo consoante os problemas da vida, mas sim entender que na história da cada vida és o próprio autor;
 
E assim após todo este aprendizado, ter a capacidade de atravessar o deserto fora de si, fora dos limites interiores, na busca incessante de encontrar o oásis oculto da alma, agradecendo sempre, cada instante, tudo, a quem é de direito: Deus, principalmente pelo milagre da vida, incutindos valores e conceitos, onde não demonstre medo dos próprios sentimentos, e saiba falar de si com o coração aberto, tendo coragem para ouvir um NÃO, segurança para
receber uma crítica, mesmo que considere injusta, ser capaz de amar, transpor carinho aos que lhes são próximos e queridos, mesmo que estes tenham deixado marcas, mágoas.., deixar viver a criança que mora em cada um de forma simples, livre e alegre, reconhecer com maturidade os erros e ousadia para solicitar o perdão, sensibilidade para admitir e expressar que precisa de alguém, e capacidade de dizer repetidas vezes que ama, a quem se ama...
A vida mostra as mais belas oportunidades para ser feliz, considere-se amante da alegria e amigo da sabedoria, e quando nesta longa caminhada CAIR, errando o caminho, levante, recomeçe tudo de novo, e com esta bagagem adquirida nas caminhadas anteriores, tens um melhor sentido de direcção e por vezes um coração mais apaixonado pela vida, descobrindo que nunca deve-se desistir das pessoas que se ama, de ser feliz, de cada um de nós, pois no espetáculo da tua vida és o personagem principal, e sendo assim és  responsável por cada cena, cada acto....

Carolzita
Enviado por Carolzita em 09/04/2006
Reeditado em 10/04/2006
Código do texto: T136440

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Caroline Silva). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Carolzita
Portugal, 42 anos
453 textos (61659 leituras)
5 e-livros (749 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 21:21)
Carolzita